Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Inovação da leucemia: chave da molécula do sangue no tratamento da AML

Novas pesquisas mostraram que a produção de heme, uma molécula do sangue, suporta a progressão da leucemia mielóide aguda, que é uma forma agressiva de câncer no sangue. Pesquisadores dizem que suprimir o heme pode ser uma forma eficaz de tratar esse tipo de câncer, entre outros.

blocos coloridos ortografia aml

Só em 2014, a leucemia afetou cerca de 387.728 pessoas nos Estados Unidos, de acordo com dados do Programa de Vigilância, Epidemiologia e Resultados Finais do Instituto Nacional do Câncer (NCI).

A leucemia mieloide aguda (LMA) é uma forma particularmente agressiva de câncer que afeta o sangue e a medula óssea. De acordo com o NCI, em 2017, haverá aproximadamente 21.380 casos de AML, e cerca de 10.590 mortes serão causadas por ela na população adulta.

O St. Jude’s Children Research Hospital em Memphis, Tennessee, relata que aproximadamente 500 crianças são diagnosticadas com LMA a cada ano, e embora isso possa não parecer um grande número, a LMA também é o tipo mais comum de segundo câncer desenvolvido por crianças.

Uma nova pesquisa liderada pelo Dr. John Schuetz, do Hospital de Pesquisa Infantil St. Jude, fez um grande avanço na identificação do que permite que a AML sobreviva no sistema.

Produção de heme sustenta AML

Os cientistas descobriram que o heme, uma estrutura química encontrada na hemoglobina, é essencial para entender por que a LMA persiste no sistema e que também pode fornecer um novo caminho para tratar esse tipo de leucemia. Os resultados foram recentemente publicados em.

Além de estar envolvido no papel de transporte de oxigênio da hemoglobina, o heme também está envolvido na transferência de elétrons, que suporta a respiração celular, permitindo que o oxigênio seja transformado em dióxido de carbono e libere energia.

Os pesquisadores descobriram que a produção de heme sustenta a progressão da LMA e que, ao suprimir sua síntese, as células cancerígenas podem ser neutralizadas.

Dr. Schuetz enfatiza a importância desta descoberta, observando que nenhuma ligação clara entre a produção de heme e leucemia havia sido previamente identificada. Ele diz: “Absolutamente nada era conhecido sobre o papel da biossíntese do heme antes do nosso trabalho”.

O primeiro passo para identificar o papel chave desempenhado pelo heme na leucemia foi fazer uma busca minuciosa usando o banco de dados do St. Jude, com o objetivo de identificar genes adicionais ativados por uma forma particularmente agressiva de LMA.

Esta AML virulenta é “energizada” pelo oncogene MYCN, que tem um papel fundamental na divisão celular e na autodestruição celular. Como resultado da pesquisa no banco de dados, os cientistas revelaram que outro gene, chamado UROD – que estimula a produção de heme – é hiperativo no caso de pacientes com leucemia.

De acordo com o Dr. Schuetz, outro achado crucial nesse contexto foi que as leucemias dirigidas pelo gene MYCN, que mostravam atividade particularmente exacerbada da UROD, eram especialmente agressivas e mais propensas a levar à morte do paciente.

Testes laboratoriais mostraram que as células com atividade anormal de MYCN absorveram maiores quantidades de oxigênio, dependendo assim da produção de heme para se auto-renovar. Sendo esse o caso, os pesquisadores também descobriram que, quando a produção do heme era evitada, também a autorrenovação, o que efetivamente levava a retardar a progressão da leucemia.

Vias potenciais para o tratamento

A auto-renovação também pode ser evitada pela inibição de uma proteína que remove um componente heme das células. Isso causou um acúmulo de moléculas que são tóxicas para as células cancerígenas, levando à sua destruição. Também significativo é que o bloqueio desta proteína em células saudáveis ​​não teve impacto negativo.

Em um estudo pré-clínico, os pesquisadores analisaram o efeito que a remoção do gene MYCN teria. Eles observam que, nessa abordagem, a progressão da leucemia foi retardada e a probabilidade de sobrevivência aumentou.

Além disso, descobriu-se que a leucemia poderia ser curada em modelos pré-clínicos, inibindo a proteína e interrompendo a produção de heme. Dr. Schuetz explica que seu estudo sugere duas novas abordagens para o tratamento da LMA.

“Um seria direcionar a UROD, o que reduziria a biossíntese do heme. […] A outra estratégia seria usar drogas para inibir a proteína da válvula de alívio e ao mesmo tempo administrar uma substância química que é um precursor do heme. causaria um acúmulo de moléculas tóxicas que fazem parte da via de síntese do heme. “

Dr. John Schuetz

Essas descobertas têm implicações ainda mais amplas, de acordo com os cientistas. Eles sugerem que estratégias similares de tratamento poderiam ser aplicadas a outros tipos de câncer dependentes da superprodução de heme, como um tipo de meduloblastoma.

No futuro, Schuetz e seus colegas pretendem obter uma compreensão ainda mais detalhada do papel do heme na LMA, investigando se outros papéis celulares do heme podem ou não ser significativos no desenvolvimento da leucemia.

Os pesquisadores também gostariam de testar tratamentos que suprimam a atividade do UROD, a fim de saber se eles poderiam inibir a AML.

Like this post? Please share to your friends: