Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Incontinência de esforço: o que posso fazer sobre isso?

Incontinência urinária de esforço é o vazamento não intencional de urina. Pode afectar pessoas cujos músculos do pavimento pélvico se enfraqueceram, por exemplo, como resultado de aumento de peso ou parto.

Muitas vezes acontece quando tossir, espirrar ou se exercitar.

Mais de 15% das mulheres adultas experimentam alguma forma de incontinência ao longo da vida, incluindo a incontinência urinária de esforço (IUE).

A IUE é a forma mais comum de incontinência urinária. Afeta as mulheres com mais frequência que os homens.

Sintomas

[incontinência por estresse pode ser embaraçosa]

O principal sintoma da incontinência de esforço é o vazamento involuntário de urina.

Isso pode acontecer quando uma pessoa:

  • Tosse
  • Exercícios
  • Risos
  • Levanta algo pesado
  • Espirra
  • Levanta-se

Pode não acontecer toda vez que uma pessoa faz essas coisas, mas qualquer atividade que aumente a pressão na pelve pode desencadeá-la, especialmente quando a bexiga está cheia.

Causas e fatores de risco

Os rins criam urina e a urina passa através do ureter para a bexiga para armazenamento. Os músculos do assoalho pélvico ajudam a manter a urina na bexiga.

Para liberar a urina, esses músculos relaxam.

Os músculos do assoalho pélvico envolvem a parte inferior da bexiga e do reto.

Vários fatores podem levar à fraqueza nessas áreas.

Gravidez e parto

Danos nos tecidos, músculos ou nervos podem ocorrer durante o parto. Isso pode levar à incontinência de estresse logo após o parto ou alguns anos depois.

Um parto vaginal, uma episiotomia ou um parto com fórceps também podem aumentar o risco.

Múltiplos partos, dando à luz uma criança com um pesado peso ao nascer, e um parto prolongado também podem contribuir para a fraqueza dos músculos pélvicos.

Fazer exercícios regulares do assoalho pélvico durante a gravidez e após o parto pode reduzir o risco de desenvolver incontinência de esforço.

Outros fatores

Vários outros fatores podem levar à incontinência de estresse.

[homem com incontinência urinária]

Idade: o risco aumenta com a idade, pois os músculos pélvicos e o esfíncter uretral enfraquecem com o tempo.

Cirurgia pélvica prévia: homens submetidos à cirurgia para câncer de próstata podem desenvolver incontinência de estresse.

Uma histerectomia: a remoção cirúrgica do útero também pode ser um fator.

Outros fatores de risco que podem intensificar ou desencadear a incontinência por estresse incluem:

  • Diabetes, que pode causar excesso de produção de urina e danos nos nervos
  • Excesso de consumo de cafeína ou álcool
  • Doenças que causam tosse crônica ou espirros
  • Medicamentos que aumentam a produção de urina
  • Obesidade
  • Fumar, o que pode causar tosse freqüente
  • Infecções do trato urinário

165408

Complicações

As complicações incluem:

Erupção cutânea ou irritação: a pele que está constantemente em contato com a urina pode ficar irritada e dolorida. Usando uma barreira de umidade ou almofadas de incontinência pode ajudar.

Dificuldades emocionais: constrangimento e angústia são comuns em qualquer tipo de incontinência. Isso pode interromper o trabalho, atividades sociais, relacionamentos interpessoais e relações sexuais.

Tratamento

Testes especializados podem detectar problemas com a função da bexiga. O tratamento dependerá dos resultados dos testes.

O tratamento normalmente começará com exercícios do assoalho pélvico para fortalecer os músculos pélvicos.

Se esses exercícios não ajudarem, o tratamento está disponível para apertar ou apoiar a saída da bexiga. Isso pode envolver algum tipo de dispositivo, medicação ou cirurgia.

Se houver uma causa subjacente, como uma infecção do trato urinário ou um problema mais sério da bexiga, o tratamento específico abordará esse problema.

Exercícios do assoalho pélvico

Os exercícios podem ser feitos de forma independente ou com a ajuda de um fisioterapeuta.

O primeiro passo é tomar consciência de quais músculos precisam ser fortalecidos. Uma maneira de fortalecer os músculos do assoalho pélvico é através dos exercícios de Kegel.

  1. Sente-se em uma cadeira com os joelhos ligeiramente separados. Esprema o músculo logo acima da entrada do ânus. Deve haver algum movimento no músculo. Não mova as nádegas ou as pernas.
  2. Imagine que você está passando urina e está tentando parar o fluxo. Os músculos que você usa serão diferentes daqueles do primeiro exercício. Eles estão mais próximos da frente.
  3. Concentre-se nesses músculos. Você deve sentir um leve levantar da vulva e da vagina ao fazer os exercícios.
  4. Esprema os músculos pélvicos 10 a 15 vezes seguidas. Tente repetir isso pelo menos três vezes por dia.
  5. Alterne os dois tipos, concentrando-se apenas nesses músculos, sem prender a respiração ou apertar o estômago, as coxas e as nádegas.

Apertos lentos podem desenvolver resistência, e apertos rápidos podem ajudar a desenvolver um tempo de reação mais rápido em momentos de estresse urinário, como espirros.

Exercícios de Kegel são discretos e podem ser feitos a qualquer momento.

A prática diária fortalecerá o assoalho pélvico e aumentará a capacidade de manter os músculos por mais tempo.

Procure construir por 10 segundos e adicione mais squeezes semanalmente para aumentar a eficácia.

Os exercícios de Kegel devem normalmente ser realizados pelo menos três vezes ao dia durante 3 meses. Os benefícios devem se tornar aparentes após 3 semanas.

Continuar os exercícios com menos intensidade, mesmo depois de os sintomas desaparecerem, pode ajudar a manter a estabilidade da bexiga.

Devices

Dispositivos que podem fortalecer os músculos do assoalho pélvico incluem:

  • um cone vaginal
  • pesos para inserir vaginalmente para apoiar Kegels
  • um eletroestimulador, que pode ajudar no processo de fortalecimento, causando convulsões nos músculos
  • dispositivos de vibração para auxiliar os exercícios de Kegel

No entanto, há poucas evidências de que elas sejam mais eficazes do que exercícios isolados. Os pacientes devem falar com um especialista de saúde antes de tentar esses métodos.

Outros dispositivos que podem ajudar incluem:

Pessário vaginal: um dispositivo flexível que é montado por um profissional de saúde.Quando inserido na vagina, pode ajudar a suportar a bexiga e diminuir o vazamento de urina. É removido todas as noites ou semanalmente para limpeza e cuidados. Este dispositivo pode ajudar a evitar a cirurgia. As complicações são raras, mas podem incluir danos ao tecido vaginal.

Plugue uretral: um dispositivo pequeno e descartável para inserção na uretra, o tubo através do qual a urina sai do corpo.

Este dispositivo pode prevenir a incontinência por curtos períodos durante uma atividade específica, como exercícios, mas pode aumentar o risco de infecções do trato urinário e sangue na urina.

Cirurgia

A cirurgia geralmente visa melhorar e apoiar a função da bexiga. Normalmente, é aconselhável apenas se outros métodos falharem.

Intervenções cirúrgicas incluem:

Agentes de volume injetáveis: Colágeno, açúcares sintéticos ou géis podem ser injetados nos tecidos ao redor da porção superior da uretra. Isso aumenta a pressão na uretra e melhora a capacidade de fechamento do esfíncter. Isso geralmente é feito no consultório do médico.

Colposuspensão: este procedimento cirúrgico comum utiliza suturas ou pontos. Estes são anexados perto do colo da bexiga e parte superior da uretra para criar apoio. Existem diferentes maneiras de fazer isso, então o paciente deve discutir a melhor opção com seu médico.

Procedimento de Sling: o cirurgião usa o próprio tecido da pessoa ou um material sintético para criar uma “funda” que suporte a uretra. Slings são cerca de 80 por cento eficazes. Eles são comumente usados ​​em mulheres.

Esfíncter artificial inflável: este dispositivo cirurgicamente implantado é normalmente usado para tratar homens. Um manguito de bexiga artificial se encaixa ao redor da parte superior da uretra e substitui a função do esfíncter. Ele permanece em uma posição fechada até que o indivíduo o libere manualmente através de uma bomba acessível na pele do escroto.

Se o dispositivo é implantado em uma mulher, a bomba é geralmente colocada nos lábios.

Os fatores que afetam se a cirurgia é ou não adequada incluem a idade do paciente, qualquer plano para ter filhos, estilo de vida, saúde geral, histórico médico e a causa da incontinência.

Medicação

A duloxetina é normalmente usada para tratar a depressão, mas pode ajudar na incontinência de esforço.

No entanto, estudos recentes sugerem que isso pode aumentar a ansiedade, a depressão e a confusão. Pode também ser menos benéfico do que a cirurgia a longo prazo.

A duloxetina pode ajudar quando usada em exercícios do assoalho pélvico.

Os exercícios do assoalho pélvico continuam sendo a melhor primeira opção para o tratamento.

Prevenção

Mudanças comportamentais podem ajudar a reduzir a incontinência de estresse.

[ingestão moderada de líquidos para ajudar na incontinência de esforço]

As alterações podem variar desde o momento e a quantidade diária de consumo de líquidos até modificações no estilo de vida, como deixar de fumar ou perder peso.

Acessibilidade do vaso sanitário deve ser o mais fácil possível. As pessoas que têm dificuldade em se movimentar podem considerar adaptações especiais, como um corrimão ou um assento elevado.

Mudanças na dieta: a obesidade aumenta o risco de incontinência de estresse. Perder 5 a 10 por cento do peso corporal pode ajudar a reduzir a incontinência de esforço.

A constipação pode colocar pressão sobre a bexiga ou músculos de apoio. Consumir mais fibras e aumentar a ingestão de água pode aliviar esse problema.

Reduzir a ingestão de substâncias que irritam a bexiga, como adoçantes artificiais e cafeína, pode ajudar.

Outros possíveis irritantes da bexiga incluem:

  • álcool
  • tabaco
  • chocolate
  • algumas frutas, como cranberries, uvas, abacaxi, frutas cítricas, maçãs, canteloupe e ameixas
  • alguns vegetais, como cebola, tomate, pimentão e pimentão
  • leite e laticínios, por exemplo, queijo maduro, creme azedo e iogurte
  • pães de centeio e soughdough
  • temperos, como especiarias, vinagres, nozes e amendoim

Evitar ou parar de fumar reduz a probabilidade de tosse e reduz o risco de câncer de bexiga.

Pode ser tentador reduzir a ingestão de líquidos, mas muito pouco líquido pode levar à desidratação e uma alta concentração de resíduos na urina. Isso pode irritar a bexiga e aumentar o risco de constipação.

A incontinência de esforço pode ser embaraçosa, mas é um problema comum. Falar com amigos, parentes ou um especialista em saúde pode ajudar a reduzir o embaraço e a encontrar um tratamento.

Manter um estoque de equipamentos de higiene, como almofadas, também pode ajudar.

Like this post? Please share to your friends: