Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Imunoterapia para câncer de pulmão: o que você precisa saber

A imunoterapia, também conhecida como terapia biológica, pode beneficiar pessoas que lutam contra certos tipos de câncer de pulmão.

Esta opção de tratamento usa medicamentos para estimular o sistema imunológico do corpo, para que ele possa combater as células cancerígenas de forma mais eficaz.

A imunoterapia mudou a forma como os médicos tratam muitos tipos de câncer, incluindo câncer de pulmão.

Neste artigo, veremos como funciona a imunoterapia, como ela pode ajudar as pessoas com câncer de pulmão e quais podem ser os efeitos colaterais.

O que é imunoterapia para câncer de pulmão?

pílulas em uma panela

A imunoterapia é uma opção de tratamento relativamente nova para uma variedade de cânceres, incluindo câncer de pulmão. A imunoterapia ajuda o sistema imunológico existente no corpo a reconhecer e atacar as células cancerígenas.

Existem alguns tipos diferentes de imunoterapia para combater o câncer de pulmão. Esses incluem:

  • inibidores do checkpoint imunológico
  • terapia de células T adotivas
  • vacinas terapêuticas

Os diferentes tipos de terapias oferecem maneiras alternativas para o corpo atacar as células cancerígenas.

Ainda há uma necessidade de mais pesquisas sobre a eficácia desses tratamentos, quem mais se beneficia com seu uso e sua segurança geral.

Como funciona a imunoterapia?

Os diferentes tipos de imunoterapia funcionam de várias maneiras.

Inibidores do checkpoint imunológico

O sistema imunológico de uma pessoa trabalha constantemente pesquisando o corpo em busca de objetos estranhos, como bactérias, fungos e vírus.

As células imunológicas carregam certas moléculas que impedem o sistema imunológico de atacar células e tecidos normais. Células normais ou regulares usam essas moléculas como um ponto de verificação. No entanto, as células cancerosas usam esses mesmos pontos de controle para evitar a detecção do sistema imunológico.

Inibidores do checkpoint imunológico impedem que as células cancerígenas usem esses checkpoints contra o sistema imunológico. Quando as células cancerosas não podem mais usar os pontos de checagem, o sistema imunológico irá atacar e atacar as células cancerígenas.

A Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos aprovou algumas variedades de inibidores do checkpoint imunológico para tratar o câncer de pulmão. Estas drogas vêm em duas categorias: inibidores de PD1 ou PD-L1 e inibidores de CTLA-4.

Os inibidores PD1 ou PD-L1 bloqueiam a capacidade do câncer de pulmão de usar os pontos de checagem encontrados nas células T. Células T patrulham o corpo em busca de ameaças. Impedir que as células cancerígenas usem estes checkpoints permite que as células T ataquem e ataquem as células cancerígenas.

Exemplos de inibidores de PD1 ou PD-L1 incluem:

  • nivoluma
  • durvalumab
  • atezolizumab
  • pembrozulimab
  • avelumab

Os inibidores de CTLA-4 funcionam de maneira ligeiramente diferente dos tipos PD1 ou PD-L1. Os inibidores de CTLA-4 fazem com que as células T funcionem, fazendo com que elas busquem ativamente e destruam as células cancerígenas.

Atualmente, não há tantas opções de CTLA-4 disponíveis. De fato, apenas um tipo, o ipilimumab, foi aprovado e está sendo usado com sucesso para o tratamento de câncer de melanoma. A pesquisa ainda está ocorrendo em inibidores de CTLA-4 para o tratamento do câncer de pulmão.

Terapia com células T adotivas

A terapia com células T adotivas envolve a remoção de células T do corpo de uma pessoa. Uma vez removidas, as células T são reprogramadas para procurar e destruir as células cancerosas e, em seguida, colocá-las de volta no corpo da pessoa.

Até agora, a terapia com células T adotivas mostra alguns resultados promissores no tratamento de cânceres.

Mais pesquisas são necessárias antes que a terapia com células T adotivas seja amplamente utilizada para o tratamento do câncer de pulmão, no entanto.

Vacinas Terapêuticas

As vacinas terapêuticas funcionam tendo como alvo características de células cancerosas conhecidas como antígenos que dizem ao corpo que as células não são desejadas.

As vacinas têm como alvo antígenos tipicamente encontrados em pessoas com câncer de pulmão. Esses antígenos incluem MAGE-3 e NY-SEO-1, mas os cientistas estão atualmente testando vacinas contra outros antígenos para tratar o câncer de pulmão.

Muitas vacinas estão sendo testadas para testar como elas vão trabalhar com os vários tipos de câncer de pulmão.

Quem precisa de imunoterapia?

quimioterapia para um paciente do sexo masculino

Pessoas que têm certos tipos de câncer de pulmão não-pequenas células (NSCLC) são receptores típicos da imunoterapia.

Muitas vezes, a imunoterapia é dada a pessoas cujo câncer retornou após o tratamento. Às vezes, no entanto, a imunoterapia é um tratamento primário e é frequentemente associada à quimioterapia.

Infelizmente, os médicos ainda não são capazes de prever quais pessoas irão se beneficiar da imunoterapia.

Mais pesquisas são necessárias para identificar por que algumas pessoas respondem muito bem, enquanto outras não respondem.

Benefícios, riscos e efeitos colaterais

As pessoas que respondem bem às imunoterapias experimentarão menos efeitos colaterais do que o tratamento quimioterápico tradicional.

Quando a imunoterapia funciona, também pode efetivamente eliminar e interromper a recorrência do câncer.

Alguns dos efeitos colaterais mais leves incluem:

  • dor nas articulações
  • fadiga
  • tosse
  • perda de apetite
  • diarréia
  • náusea
  • coceira
  • erupção cutânea
  • Prisão de ventre

Infelizmente, algumas pessoas que usam imunoterapia correm o risco de ativar excessivamente o sistema imunológico. Nesses casos mais extremos, o sistema imunológico começa a atacar tecidos e órgãos saudáveis ​​no corpo da pessoa.

Se isso acontecer, as pessoas devem parar o tratamento de imunoterapia e tomar esteróides para retardar o sistema imunológico.

Alternativas

Há uma variedade de alternativas à imunoterapia. Muitas dessas opções estão em uso há alguns anos.

Algumas alternativas baseadas em evidências incluem:

  • cirurgia para remover parcialmente o pulmão e alguns gânglios
  • quimioterapia
  • radiação
  • terapia direcionada

Algumas dessas alternativas também podem ser combinadas para tratar o câncer de pulmão.

Pesquisa e o futuro

pesquisadores trabalhando em um laboratório

Os pesquisadores estão muito otimistas para o futuro das imunoterapias, mas também reconhecem que ainda há muito a aprender.

A quantidade de pesquisas sobre a eficácia e segurança da imunoterapia para pessoas com câncer de pulmão é limitada, mas crescente.

Estudos iniciais e continuados oferecem esperança de que o tratamento imunoterápico possa ser uma forma importante de combater o câncer de pulmão, assim como outras formas de câncer.

Alguns pesquisadores estão estudando o motivo pelo qual a imunoterapia não é um tratamento eficaz contra o câncer para todas as pessoas. A pesquisa também está se concentrando na “medicina personalizada”, que implica prever ou determinar quem se beneficiaria mais com a imunoterapia.

De acordo com pesquisadores da Translational Lung Cancer Research, mais pesquisas são necessárias para identificar as pessoas que mais se beneficiarão dos tratamentos imunoterápicos.

Outlook

A imunoterapia para tratar pessoas com estágios iniciais e avançados de câncer de pulmão tem um futuro promissor.

Pesquisas atuais mostraram que vários tipos de imunoterapia tiveram excelentes resultados no tratamento do câncer de pulmão ou de outros tipos de câncer, como o câncer de pele.

Muitos pesquisadores apontam a imunoterapia como sendo o futuro do tratamento do câncer. Nas próximas décadas, é provável que muita pesquisa ocorra, e a imunoterapia continuará a receber muita atenção.

Like this post? Please share to your friends: