Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Imaginação – como e onde isso ocorre no cérebro?

Você já se perguntou de onde vem a imaginação, o que nos torna criativos, por que pensamos cientificamente ou criamos arte e inventamos ferramentas? Os filósofos argumentam há milhares de anos sobre a essência da imaginação. Cientistas do Dartmouth College acreditam que o estudo nos aproxima da resposta.

Segundo o pesquisador-chefe, Alex Schlegel, um estudante de pós-graduação do Departamento de Ciências Psicológicas e do Cérebro, a resposta está no “espaço de trabalho mental” do cérebro humano, uma rede neural disseminada que coordena a atividade em várias regiões do cérebro e conscientemente manipula símbolos. imagens, ideias e teorias.

O estudo, que foi publicado no, mostra como os seres humanos são capazes de se concentrar de forma intensa e rápida, a fim de resolver problemas complexos e pensar em novas idéias.

Schlegel disse:

“Nossas descobertas aproximam-nos da compreensão de como a organização de nossos cérebros nos diferencia de outras espécies e fornece um playground interno tão rico para que pensemos de forma livre e criativa.

Entender essas diferenças nos dará uma visão de onde vem a criatividade humana e, possivelmente, nos permitirá recriar esses mesmos processos criativos em máquinas “.

Provando como a imaginação ocorre não é fácil

Os pesquisadores há muito sugerem que a imaginação humana existe graças a uma rede neural disseminada no cérebro.

No entanto, a demonstração clara de que tal “espaço de trabalho mental” existe tem sido extremamente difícil com as técnicas disponíveis que só conseguiram examinar a atividade cerebral isoladamente.

Como podemos manipular imagens mentais?

Os cientistas de Dartmouth abordaram a questão fazendo a pergunta “Como o cérebro nos permite manipular imagens mentais?”

Os autores deram o exemplo de seres humanos sendo convidados a imaginar uma abelha com a cabeça de um touro. A maioria de nós acharia a tarefa fácil. No entanto, a fim de fazer a imagem aparecer em nossa mente, o cérebro humano tem que construir uma imagem totalmente nova, aparentemente do nada.

Quinze voluntários foram convidados a invocar em suas mentes formas visuais específicas, e depois mentalmente combiná-los em figuras mais complicadas. Outros tiveram que criar imagens complexas em suas mentes e depois desmontá-las mentalmente em partes separadas.

Com o uso de fMRI (ressonância magnética funcional), a equipe foi capaz de medir a atividade cerebral dos voluntários. Qual é a diferença entre fMRI e MRI? – Simplificando, a ressonância magnética olha para a estrutura anatômica, enquanto uma fMRI vê a função metabólica. Em outras palavras, a ressonância magnética analisa o que está lá, enquanto a fMRI lhe diz o que está acontecendo lá.

Schlegal e seus colegas esperavam que o córtex visual – a parte do cérebro que processa as imagens – estivesse ativamente envolvido na condução da manipulação mental. Seu estudo confirmou isso, mas eles também descobriram que várias outras regiões pareciam estar envolvidas na manipulação de formas imaginárias.

Espaço de trabalho mental
Várias áreas do cérebro mostram atividade diferencial no estudo usando fMRI
para medir como os seres humanos manipulam imagens mentais (Crédito: Alex Schlegel)

O estudo confirmou o que a maioria dos estudiosos teorizou – que o “espaço de trabalho mental” é responsável pela maior parte da experiência consciente humana e pelas habilidades cognitivas flexíveis que nós (humanos) desenvolvemos.

A equipe acrescentou que mais estudos são necessários para entender melhor como essas redes neurais funcionam.

Este estudo mostra que, quando se trata de comportamentos cognitivos humanos complexos, precisamos observar como o cérebro age como um todo, em vez de suas partes isoladas.

A imaginação afeta como vemos e ouvimos

Como percebemos o mundo ao nosso redor é afetado pela nossa imaginação, em um grau muito maior do que talvez percebemos, pesquisadores do Instituto Karolinska explicaram na revista.

Os pensamentos que surgem “em nossa cabeça” podem alterar nossa percepção real.

Autor sênior, Christopher Berger, disse: “Muitas vezes pensamos sobre as coisas que imaginamos e as coisas que percebemos como sendo claramente dissociáveis. No entanto, o que este estudo mostra é que nossa imaginação de um som ou uma forma muda a forma como percebemos o mundo ao nosso redor da mesma forma, ouvir esse som ou ver essa forma. Especificamente, descobrimos que o que imaginamos ouvir pode mudar o que realmente vemos, e o que imaginamos ver pode mudar o que realmente ouvimos. “

Os pesquisadores acreditam que suas descobertas podem ajudar a entender melhor os mecanismos pelos quais o cérebro humano não consegue diferenciar pensamento e realidade na esquizofrenia e em alguns outros transtornos psiquiátricos.

Like this post? Please share to your friends: