Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

HIV vs. AIDS: Diferenças e conexões

Embora os termos HIV e AIDS sejam freqüentemente usados ​​de forma intercambiável, existem diferenças entre os dois diagnósticos.

O HIV é um vírus que ataca um tipo de glóbulos brancos chamados células CD4 no sistema imunológico do corpo. O HIV reduz a capacidade do corpo de combater infecções e doenças. Enquanto os seres humanos podem combater muitos outros vírus, o corpo nunca pode remover completamente o HIV, uma vez que é contraído.

A AIDS é uma condição que pode se desenvolver após a pessoa pegar o HIV. É possível ter HIV sem desenvolver AIDS, mas não é possível ter AIDS sem primeiro ter HIV.

Como o HIV leva à AIDS?

Amostra de sangue do HIV

Nem todos que contraem o HIV desenvolvem a AIDS. No entanto, um programa de tratamento adequado é necessário para retardar ou interromper essa progressão na maioria dos casos.

Se não for tratado, o HIV continua a danificar o sistema imunológico e aumenta o risco de desenvolver uma infecção oportunista.

Infecções oportunistas

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) definem infecções oportunistas como “infecções que ocorrem com mais freqüência e são mais graves em indivíduos com sistemas imunológicos enfraquecidos”.

Exemplos de infecções oportunistas que se desenvolvem em pessoas com HIV incluem:

  • cancros, tais como cancro invasivo do colo do útero, cancro do pulmão, sarcoma de Kaposi, carcinomas e linfomas
  • candidíase, uma infecção fúngica da boca, garganta ou vagina
  • citomegalovírus, uma infecção viral que pode causar cegueira
  • pneumonia pneumocística, uma forma fúngica de pneumonia que pode ser fatal
  • toxoplasmose, uma infecção parasitária do cérebro
  • tuberculose, uma infecção bacteriana dos pulmões

AIDS: Fase 3 da infecção pelo HIV

A AIDS é o estágio final (estágio 3) da infecção pelo HIV. É diagnosticado com base na contagem de células CD4 ou no desenvolvimento de uma ou mais infecções oportunistas. O estágio 1 é o estágio agudo do HIV e o estágio 2 é o estágio de latência clínica. Mais informações sobre esses dois estágios são incluídas posteriormente no artigo.

A contagem de células CD4 em indivíduos saudáveis ​​varia de 500 a 1.600 células por milímetro cúbico de sangue (células / mm3). De acordo com o AIDS.gov, os portadores de HIV são considerados portadores de AIDS quando a contagem de células CD4 cai para menos de 200 células / mm3.

Se o tratamento não for procurado, a AIDS tipicamente se desenvolve entre 2 e 15 anos após a infecção pelo HIV. A taxa na qual o vírus se desenvolve depende de muitos fatores, incluindo a idade do paciente, a saúde geral, a genética, a presença de outras infecções e o padrão dos cuidados de saúde.

As pessoas que buscam tratamento antes do avanço da condição e mantêm o tratamento durante toda a vida, geralmente podem esperar viver quase tanto quanto uma pessoa sem HIV.

Causas do HIV e SIDA

Homem mulher, cama, segurando, um, preservativo

A AIDS foi reconhecida pela primeira vez como uma condição distinta em 1981 devido a um aumento na incidência de infecções oportunistas raras e cânceres em homossexuais masculinos que se apresentavam saudáveis.

Acredita-se que tenha se originado no final do século XIX ou início do século XX na África Ocidental e Central. Os cientistas sugerem que uma versão primata do vírus foi transmitida para seres humanos que mataram e comeram as criaturas infectadas.

O HIV é transmitido entre humanos através da troca de fluidos corporais. Pode se espalhar através de:

  • Contato sexual: A AIDS é considerada principalmente uma doença sexualmente transmissível. O HIV é transmitido de uma pessoa para outra através de relações sexuais orais, anais ou vaginais desprotegidas.
  • Gravidez ou parto: uma mãe infectada pelo HIV, ou que tenha desenvolvido AIDS, pode transmitir o vírus para o filho durante a gravidez, o parto ou até mesmo durante a amamentação.
  • Transfusão de sangue: Embora o HIV possa ser transmitido através de transfusões de sangue, o risco é extremamente baixo nos países desenvolvidos devido a sistemas de rastreio abrangentes.
  • Uso de seringas e agulhas: Os usuários de drogas que compartilham seringas com outras pessoas correm maior risco de contrair o vírus. Aqueles que dão e recebem tatuagens e piercings também podem estar em risco se as agulhas não forem devidamente limpas.

Sintomas do HIV e SIDA

Os sintomas do HIV variam muito e dependem do indivíduo e do estágio da doença.

Sintomas do estágio agudo

No primeiro estágio do HIV, 2 a 4 semanas depois de receber o vírus, as pessoas podem experimentar sintomas semelhantes aos da gripe, incluindo:

  • músculos doloridos
  • arrepios
  • fadiga
  • febre
  • úlceras na boca
  • suor noturno
  • erupções cutâneas
  • dor de garganta
  • gânglios linfáticos inchados

Deve-se notar que nem todos os portadores do HIV experimentarão esses sintomas. Algumas pessoas com HIV não apresentam sintomas por 10 anos ou mais.

Sintomas do estágio clínico de latência

Durante o estágio 2, o vírus está ativo, mas se reproduz em níveis muito baixos. As pessoas nesta fase podem experimentar apenas sintomas leves ou nenhuma.

A medicação para o HIV pode ajudar a deter a progressão e manter o vírus neste estágio por muitas décadas.

Sintomas da AIDS

A AIDS é considerada o terceiro e último estágio do vírus. Os sintomas nesta fase estão relacionados às várias infecções que se desenvolvem como resultado de um sistema imunológico comprometido.

Por esse motivo, os sintomas podem variar muito. Alguns dos mais comuns incluem:

  • manchas sob a pele ou na boca e nariz
  • visão embaçada
  • diarréia crônica
  • inchaço contínuo das glândulas linfáticas
  • fadiga extrema
  • febre que continua voltando
  • problemas neurológicos, incluindo perda de memória
  • pneumonia
  • perda de peso rápida
  • feridas na boca, ânus ou genitais

Devido à variedade de sintomas associados às várias fases do HIV e SIDA, não é possível diagnosticar nem o vírus nem a síndrome com base apenas nos sintomas. Um profissional de saúde precisará realizar testes para fazer um diagnóstico formal.

Teste e diagnóstico

Teste de sangue

O HIV é diagnosticado por um simples exame de sangue que procura a presença de anticorpos produzidos pelo organismo na tentativa de combater o vírus.

Pode levar de várias semanas a vários meses para esses anticorpos aparecerem nos testes. Repetir o teste pode ser necessário, dependendo do tempo inicial de exposição.

No entanto, o teste precoce é sempre aconselhável, pois um plano de tratamento apropriado pode ser implementado para ajudar a parar a progressão do vírus. Aqueles que são testados logo após a exposição correm menor risco de transmitir o vírus para outras pessoas.

Pessoas com HIV que recebem um resultado de contagem de células CD4 abaixo de 200 células / mm3, ou que são diagnosticadas com certas infecções oportunistas, serão consideradas como tendo um diagnóstico de AIDS em vez de HIV.

Tratar o HIV e a AIDS

Planos adequados de tratamento e intervenção precoce significam que aqueles com HIV podem desfrutar de uma qualidade de vida relativamente boa.

No entanto, sem tratamento, aqueles diagnosticados com AIDS geralmente sobrevivem por 3 anos. Se uma doença oportunista se desenvolve e o tratamento não é procurado, a expectativa de vida cai para 12 meses.

O tratamento para o HIV e a AIDS consiste principalmente de medicamentos, incluindo:

Profilaxia pós-exposição (PEP)

Este é um tratamento de emergência administrado para reduzir a probabilidade de infecção pelo HIV após a exposição a alguém que tenha o vírus. Para ser eficaz, deve ser tomado dentro de 72 horas após a exposição, e o curso completo de 28 dias de tratamento deve ser concluído.

Se tomadas corretamente, a Organização Mundial de Saúde estima que o PEP pode reduzir o risco de infecção pelo HIV em mais de 80%.

Terapia antirretroviral (ART)

Pessoas com HIV ou AIDS são geralmente prescritos uma combinação de drogas anti-retrovirais altamente ativas (HAART) para ajudar a retardar a progressão do HIV.

Esta medicação é ajustada para atender cada indivíduo e precisa ser tomada para a vida.

Prevenção do HIV

Várias medidas podem ser tomadas para evitar a contração do HIV. Esses incluem:

  • Uso de preservativos: como o HIV pode ser transmitido através de relações sexuais desprotegidas, o uso de preservativos pode reduzir o risco de transmissão.
  • Tomar certas medidas durante a gravidez: O risco de transmissão do HIV de mãe para filho pode ser reduzido com medicamentos para o HIV. Etapas adicionais para reduzir a transmissão incluem parto por cesariana e mamadeira em vez de amamentar.
  • Evitando compartilhar agulhas: Existem programas de troca de agulhas para reduzir a necessidade de compartilhar seringas e agulhas.
  • Reduzindo a exposição a fluidos corporais: Os profissionais de saúde devem usar luvas, máscaras e outras formas de proteção de barreira para reduzir o risco de contato com sangue infectado pelo HIV. Lavar bem e regularmente a pele após o contato com fluidos corporais também reduz o risco.

Aqueles que já foram diagnosticados com o HIV podem retardar ou interromper sua progressão para a AIDS aderindo ao plano de tratamento criado por seu médico, evitando a exposição a outras infecções e mantendo um estilo de vida saudável para apoiar seu sistema imunológico.

Like this post? Please share to your friends: