Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Hipnose: O que é e funciona?

A hipnose tem andado na linha entre charlatanismo e terapia desde o século XVIII, mas recentemente vem ganhando força como tratamento alternativo para muitos distúrbios. O que é hipnose, funciona e, em caso afirmativo, como? Nós investigamos.

homem hipnotizado

O termo “hipnose” é derivado da palavra grega antiga para “sono” (“hypnos”).

A pesquisa sugere que foi inventada no início do século 19 por Étienne Félix d’Henin de Cuvillers, um francês interessado no papel da sugestão na mente, e nos processos mentais e comportamentais que ocorreram quando alguém caiu em transe hipnótico. Outras fontes sugerem que foi o cirurgião escocês Dr. James Braid quem cunhou o termo.

No entanto, o conceito do transe hipnótico nasceu mais cedo, no século XVIII, com o notório físico alemão Franz Mesmer. Mesmer afirmou que ele poderia mostrar a existência de algo que ele chamou de “magnetismo animal”, que é um fluido invisível que “flui” entre pessoas, animais, plantas e coisas, e que pode ser manipulado para influenciar o comportamento das pessoas.

As práticas falsas de Mesmer deram à hipnose um mau começo, mas o interesse por seu potencial persistiu na esfera médica. Nos séculos XX e XXI, a hipnose continuou a ser explorada, e os especialistas adquiriram uma melhor compreensão do que é e como às vezes pode ser aproveitada para trazer benefícios para a saúde.

O que sabemos sobre hipnose?

Uma recente revisão publicada na revista definiu a hipnose como uma espécie de regulação de cima para baixo da percepção consciente, um processo no qual “as representações […] mentais se sobrepõem à fisiologia, à percepção e ao comportamento”.

Como os autores explicam, a hipnose envolve dois elementos principais: indução e sugestões. A indução hipnótica é a primeira sugestão apresentada durante o processo de hipnose, embora o que deveria consistir ainda seja uma questão de debate.

Sugestões são tipicamente expressas como implicações que provocam respostas aparentemente involuntárias dos participantes, que não acreditam ter muito, ou nenhum, controle (ou agência) sobre a situação.

Algumas pessoas também são mais “sugestionáveis” do que outras, e os pesquisadores descobriram que pessoas altamente sugestionáveis ​​têm mais probabilidade de ter um senso de agência reduzido enquanto estão sob hipnose.

A sugestionabilidade hipnótica foi definida como “a capacidade de experimentar alterações sugeridas em fisiologia, sensações, emoções, pensamentos ou comportamento”.

conceito de arte do cérebro submerso

Técnicas de neuroimagem mostraram que pessoas altamente sugestionáveis ​​exibem níveis mais altos de atividade no córtex pré-frontal, no córtex cingulado anterior e nas redes parietais do cérebro durante diferentes fases da hipnose.

Estas são áreas do cérebro envolvidas em uma série de funções complexas, incluindo memória e percepção, processamento de emoções e aprendizado de tarefas. No entanto, os mecanismos cerebrais específicos envolvidos na hipnose ainda não estão claros, embora os cientistas estejam começando a juntar o perfil neurocognitivo desse processo.

Hipnose e cognição

Muitos estudos ligam a hipnose especificamente a processos cognitivos e a descrevem como “um fenômeno que envolve concentração receptiva atenta”. Algumas evidências apontam para o papel da hipnose no controle da atenção seletiva.

A relação entre hipnose e estados de atenção é reforçada pelos resultados de experimentos passados, nos quais a sugestão hipnótica foi usada para alterar diferentes tipos de percepção.

Por exemplo, a sugestão tem sido usada para induzir a agnosia, que é um estado em que o cérebro pode perceber, mas é incapaz de reconhecer vários estímulos externos. Outros experimentos empregaram sugestões para manipular o processamento visuoespacial, que é a capacidade do cérebro de identificar objetos no espaço e reconhecer formas.

Tais efeitos muitas vezes tornaram a hipnose uma atração do showbiz e, quando tratada como um truque de mago, provoca riso e suspiros emocionados. No entanto, a prática da hipnose tem ocasionalmente atraído um tipo diferente de atenção, quando as acrobacias de “hipnotizadores” amadores parecem ter resultados trágicos.

Uma pessoa no final de um desses experimentos questionáveis ​​descreveu seus percalços e a sensação de ansiedade no rescaldo.

“Eu estava em transe. Disseram-me que eu não seria capaz de encontrar meu quarto [hotel] porque todos os números dos quartos seriam alterados para chinês. Eu estava perdido por cerca de 20 a 25 minutos andando. Eu estava vendo o Letras chinesas, as linhas estranhas e tudo “.

Regressão: Memórias esquecidas há muito tempo ou simplesmente falsas?

Outro uso intenso da hipnose é o da regressão hipnótica. “Regressão terapêutica”, que é um método que afirma descobrir as memórias reprimidas de uma pessoa – freqüentemente de abuso e trauma precoce – às vezes tem sido usado na hipnoanálise, que é uma forma de psicanálise integrando técnicas de hipnose.

Alguns até afirmam que a hipnose pode ajudar a alcançar a regressão a vidas passadas, desenterrando memórias de vidas passadas.

A pesquisa existente sugere que a sugestão hipnótica pode ser eficaz em induzir memórias falsas e convencer os indivíduos da veracidade dessas lembranças fictícias. Tais descobertas lançam uma luz negativa sobre as alegações de regressão passada e sobre as memórias assim recuperadas.

No entanto, há também estudos que trazem evidências em favor da alegação de que a hipnose pode melhorar a memória, mas o nível de melhora pode depender das expectativas individuais.

Usos da hipnoterapia

O potencial mantido pela hipnose para modificar a percepção é também o que a torna particularmente apropriada como abordagem de medicina complementar.

A hipnoterapia é usada atualmente, tanto nos Estados Unidos como na Europa, para aliviar várias condições médicas e ajudar as pessoas a abandonar os hábitos negativos que podem ter um impacto sério em sua saúde.

Alguns casos em que a hipnoterapia foi considerada útil incluem:

sessão de hipnoterapia

  • Síndrome do intestino irritável (IBS). Estudos sugeriram que a hipnose pode aliviar os sintomas da SII a curto prazo, embora a eficácia a longo prazo ainda não tenha sido testada conclusivamente.
  • Insônia e distúrbios do sono. A hipnose pode ajudar a controlar a insônia, os pesadelos e os terrores noturnos (que tendem a afetar crianças entre 7 e 12 anos), bem como alguns distúrbios do sono mais incomuns, como o sonambulismo. Sugestões de relaxamento e autocontrole são usadas para abordar essas condições.
  • Enxaqueca. Algumas pesquisas sugerem que a hipnose pode ser eficaz no tratamento de enxaquecas e dores de cabeça tensionais, e pode ser um tratamento alternativo desejável, graças à falta de efeitos colaterais.
  • Controle clínico da dor. A hipnose pode ter efeitos analgésicos no caso de dor clínica aguda, que geralmente significa dor decorrente de procedimentos cirúrgicos. Alguns estudos também indicam que a hipnose pode ajudar as mulheres a controlar a dor do parto, embora a evidência de apoio seja mista.
  • Parar de fumar. O Centro Nacional de Saúde Complementar e Integrativa detalha estudos que sugerem que a hipnoterapia pode ajudar as pessoas que querem deixar de fumar, especialmente se combinadas com outros meios de tratamento. Mas também neste caso, a evidência de apoio é mista.

Usos domésticos de técnicas de hipnoterapia

Cada vez mais, a auto-hipnose e as técnicas de sugestão hipnótica adquiriram força como “vida hacks”. Hipnoterapeutas e meios de comunicação geralmente listam técnicas de auto-hipnose como um atalho para alcançar relaxamento e aumentar a autoconfiança.

Pesquisadores sugerem que, para que essas técnicas simples sejam eficazes, altos níveis de sugestionabilidade são desnecessários e, às vezes, eles recomendam colocá-los em prática como forma de suplementar as terapias especializadas em casa.

Alguns caminhos surpreendentes em que a sugestão hipnótica tem sido usada são os livros infantis. Um livro, concebido por um escritor com amplo conhecimento de psicologia, emprega técnicas de sugestão para fazer as crianças adormecerem sem o barulho extra.

mãe lendo para seu filho na hora de dormir

Várias ligações entre hipnose e técnicas de meditação também são desenhadas por alguns pesquisadores. Certos estudos sugerem que a meditação e a hipnose estão intimamente relacionadas, pois ambas desempenham um papel na regulação mente-corpo.

No entanto, outros pesquisadores afirmam que a hipnose e a meditação são processos totalmente separados, pois dependem de mecanismos distintos. A hipnose, argumentam eles, é essencialmente um processo através do qual os sujeitos “enganam” sua própria percepção, enquanto a meditação é um meio de melhorar, ao invés de enganar, a consciência.

Apesar do fato de que a prática da hipnose existe há mais de 200 anos, muitos de seus mecanismos permanecem misteriosos. Seus efeitos podem parecer limitados ao sobrenatural, mas o cérebro – como é frequentemente o caso – contém a chave. Ainda pode haver algum caminho a percorrer até que entendamos completamente esse intrigante instrumento chamado “hipnose”.

Like this post? Please share to your friends: