Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Fungos: riscos e aplicações na saúde

Os fungos existem em todo o ambiente. Alguns deles são úteis, por exemplo, como alimento ou como base de medicação. Outros são menos desejáveis, como mofo na comida ou esporos que causam doenças.

Nem plantas nem animais, os fungos pertencem a um grupo próprio. Existem cerca de 99.000 espécies conhecidas de organismos fúngicos, incluindo leveduras, ferrugem, ferrugem, mofo, bolor e cogumelos.

Os fungos são encontrados em quase todos os habitats, incluindo a Estação Espacial Internacional (ISS), onde eles foram encontrados para decompor os alimentos, com alguns esporos sobrevivendo 5 meses em microgravidade.

Muitos vivem na terra, principalmente no solo ou no material vegetal. Eles são um dos organismos mais amplamente distribuídos na Terra.

Eles apresentam em alimentos, como cogumelos e fermento de padeiro, e eles têm papéis importantes na medicina e no meio ambiente. Este artigo irá analisar alguns dos perigos e usos dos fungos na saúde.

Infecções

[micose é uma infecção fúngica]

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) estimam que existem cerca de 1,5 milhão de diferentes espécies de fungos na Terra, dos quais 300 causam doenças em humanos.

As doenças fúngicas geralmente se originam de fungos comuns encontrados no meio ambiente. A maioria dos fungos não é perigosa, mas alguns podem ser prejudiciais à saúde.

As infecções fúngicas são descritas como oportunistas ou primárias. Infecções que afetam muitas áreas do corpo são conhecidas como infecções sistêmicas, enquanto aquelas que afetam apenas uma área são conhecidas como localizadas.

Infecções fúngicas oportunistas aproveitam o sistema imunológico enfraquecido. Eles são comuns em pacientes cujo sistema imunológico está comprometido, por exemplo, por causa do HIV ou da AIDS ou outros problemas médicos.

Esses tipos de infecções podem ser particularmente agressivos e podem se espalhar rapidamente para outros órgãos. Às vezes eles podem ser fatais.

Infecções fúngicas oportunistas incluem aspergilose, candidíase e mucormicose.

Infecções fúngicas primárias podem ocorrer em pessoas com um sistema imunológico normal. Eles podem causar sérios problemas de saúde. Algumas infecções fúngicas primárias são mais comuns em certas áreas geográficas.

Infecções fúngicas primárias tendem a se desenvolver em uma taxa lenta. Em alguns casos, meses ou anos podem passar antes de uma pessoa procurar atendimento médico. Para a maioria das pessoas com um sistema imunológico normal, as infecções fúngicas não se espalham para os órgãos profundos do corpo.

Paracoccidioidomicose, coccidioidomicose e histoplasmose são exemplos de infecções fúngicas primárias.

Infecções fúngicas localizadas afetam apenas uma área do corpo. Quando os equilíbrios normais que são responsáveis ​​por manter os fungos sob controle estão alterados, podem ocorrer infecções fúngicas localizadas. Alguns tipos de antibióticos matam bactérias nocivas, mas também podem matar bactérias úteis. Como resultado, o crescimento de fungos pode permanecer desmarcado.

Com o tempo, o supercrescimento resultante pode causar sintomas, mas eles são geralmente leves. Na maioria dos casos, assim que a bactéria começa a crescer, o equilíbrio é restaurado e o problema geralmente se resolve. Infecções fúngicas localizadas geralmente envolvem áreas como pele e unhas, vagina, boca ou seios.

As pessoas que vivem ou trabalham em lugares úmidos onde o mofo está presente têm maior chance de desenvolver doenças respiratórias, irritação da pele e outros problemas de saúde. Também pode haver um risco maior de câncer.

Quem está em risco?

Uma infecção fúngica pode afetar qualquer pessoa, mesmo aquelas que são relativamente saudáveis. As pessoas entram em contato com fungos diariamente. Eles estão constantemente respirando esporos fúngicos todos os dias sem ficarem doentes.

Uma pessoa com um sistema imunológico enfraquecido tem maior probabilidade de desenvolver uma infecção fúngica. Algumas pessoas nascem com um sistema imunológico fraco. Outros podem ter uma doença que ataca o sistema imunológico, como o HIV ou a AIDS. Certos medicamentos, incluindo corticosteróides e quimioterapia para o câncer, podem diminuir a capacidade do organismo de combater infecções.

Os fungos mais comuns para causar infecções de pele são o grupo de tinea de fungos, que causa micose e pé de atleta. Outro tipo comum é candida, que é responsável por sapinhos.

O pé de atleta é uma infecção fúngica comum dos dedos dos pés e dos pés. O sapinho é uma infecção fúngica comum da boca e da vagina. As infecções fúngicas da pele, unhas e vagina são comuns, mas geralmente não são graves e não se disseminam para o interior do corpo.

As infecções fúngicas em pessoas saudáveis ​​com um sistema imunológico normal normalmente não afetam os órgãos internos.

Infecções fúngicas internas do coração, pulmões, cérebro e outros órgãos às vezes ocorrem. Estes podem ser fatais.

Tratamento para infecções fúngicas

As infecções fúngicas são geralmente tratadas com medicamentos antifúngicos.

[creme antifúngico tópico]

Estes podem vir na forma de cremes, sprays, soluções, comprimidos, xampus, medicamentos orais ou injeções. A maioria mata a infecção danificando a parede do fungo, fazendo com que a célula fúngica morra.

Drogas antivirais são outro tratamento eficaz para infecções fúngicas.

Várias drogas estão disponíveis que são eficazes contra infecções fúngicas, mas a estrutura e composição química de alguns fungos podem torná-los difíceis de matar.

Drogas antivirais são aplicadas diretamente na infecção fúngica na pele ou em outra superfície. Drogas antivirais podem ser administradas por via oral ou, para infecções graves, injetadas.

Infecções fúngicas graves podem exigir vários meses de tratamento. Medicamentos comuns para infecções fúngicas graves incluem fluconazol, anidulafungina e micafungina. Cada um é usado para tratar um tipo diferente de infecção. Eles podem causar efeitos colaterais adversos, portanto devem sempre ser administrados por um médico.

Usos

Fungos fazem contribuições importantes no gerenciamento de doenças em humanos e animais. A penicilina é baseada em fungos.Os fungos estão envolvidos no processamento industrial de mais de 10 dos 20 produtos mais lucrativos usados ​​na medicina humana. A descoberta e a pesquisa de medicamentos estão em andamento.

[penicilina é baseada em fungos]

Os usos de fungos na medicina incluem micafungina, um agente antifúngico, micofenolato, usado para prevenir a rejeição de tecidos, e rosuvastatina, que reduz o colesterol.

Levedura de pão é importante na panificação, mas estudos de levedura de padeiro também levaram à descoberta da bioquímica celular básica e do metabolismo.

Em 1929, Alexander Fleming isolou uma substância do mofo e, a partir daí, a penicilina foi descoberta. Foi o primeiro de uma série de antibióticos derivados diretamente de fungos que revolucionaram o mundo da medicina.

A penicilina do fungo foi usada pela primeira vez com sucesso para tratar uma infecção causada por uma bactéria em 1941. Depois disso, muitas doenças anteriormente fatais causadas por bactérias tornaram-se tratáveis.

Vários novos grupos de agentes fúngicos foram descobertos. O agente antifúngico amplamente utilizado Griseofulvin é derivado de fungos. A griseofulvina é usada para tratar dermatófitos. Ela se acumula no cabelo e na pele após aplicação tópica.

As sordarinas são outra molécula complexa com uma estreita faixa de ação contra leveduras e fungos semelhantes a leveduras. Os compostos inibem a biossíntese de proteínas e tornaram-se uma importante opção de tratamento contra vários patógenos fúngicos em humanos.

A ciclosporina A é um metabólito de vários fungos. É um poderoso imunossupressor em mamíferos. É comumente usado após a medula óssea e transplantes de órgãos em humanos.

Os ergots contêm alcalóides e atuam agindo no sistema nervoso simpático. Isso resulta na inibição da noradrenalina e esclerotina, e isso, por sua vez, faz com que os vasos sanguíneos se dilatem.

Os alcalóides do ergot têm vários usos medicinais, sendo o mais comum a enxaqueca. A atividade vasodilatadora ajuda a reduzir a tensão durante o início de um ataque. As drogas também ajudam a reduzir a pressão arterial.

O fungo do solo produz um metabólito secundário chamado lovastatina, e as espécies de Phoma produzem a esqualestatina.

As estatinas são comumente usadas para reduzir ou remover lipoproteínas de baixa densidade (LDL), o colesterol “ruim”, dos vasos sanguíneos em seres humanos, diminuindo o risco de um bloqueio arterial e, portanto, também de um ataque cardíaco, derrame ou diabetes.

No corpo, a lovastatina inibe a HMG CoA redutase e a esquestestina inibe a esqualeno sintase. Ao bloquear essas enzimas, o corpo trabalha para remover os complexos de colesterol de dentro dos vasos sanguíneos.

As estatinas também estão envolvidas na atração de células-tronco para tecidos danificados, fazendo com que as células-tronco apareçam e regenerem o tecido.

Os fungos são encontrados em todo o ambiente e são importantes para os seres humanos. Descobertas como a penicilina e os antibióticos resultantes mudaram muito o mundo da medicina para melhor.

O trabalho contínuo continua a encontrar maneiras que os fungos podem ajudar os médicos a entender melhor o corpo humano e tratar doenças.

Like this post? Please share to your friends: