Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Fuga Dissociativa: sintomas, causas e tratamento

Fuga Dissociativa é o que os mistérios são feitos. Aparentemente do nada ou às vezes depois de um trauma, uma pessoa esquece quem é, de onde veio e outros fatos sobre sua identidade.

Um indivíduo também pode parecer desaparecer de sua vida e de seus padrões familiares. Essa condição, no entanto, é um distúrbio psicológico muito real.

Um dos casos mais conhecidos de uma possível fuga dissociativa é o de Agatha Christie. Em 3 de dezembro de 1926, a escritora de romances desapareceu de repente de sua casa na Inglaterra. No dia seguinte, seu carro foi encontrado com os faróis acesos e todos os seus pertences dentro.

Eventualmente, Christie foi encontrada em um spa de saúde, onde ela tinha feito o check-in com um nome diferente. Ela nunca mais falou sobre esse episódio, e nenhuma explicação foi dada para seu desaparecimento.

O que é fuga dissociativa?

fuga dissociativa

Uma fuga dissociativa é uma forma de amnésia dissociativa em que uma pessoa esquece quem ela é.

Além da amnésia, alguém com uma fuga dissociativa experimenta um episódio repentino e inesperado de viagem. A palavra “fuga” vem das palavras latinas para “voar” ou “fugir”.

Esse estado de fuga pode durar de horas a meses ou às vezes mais.

O estado pode ser uma maneira de alguém escapar de uma situação estressante ou traumática. Uma verdadeira fuga dissociativa, no entanto, não é uma condição inventada. Uma fuga dissociativa também não é uma tentativa deliberada do indivíduo para evitar uma situação difícil.

Sintomas

Os sintomas de uma fuga dissociativa podem ser difíceis de detectar. Uma pessoa no meio de uma pessoa pode agir ou parecer normal ou pode agir apenas ligeiramente confusa.

Um indivíduo experimentando uma fuga dissociativa pode não querer atrair a atenção para si mesmo e pode simplesmente desaparecer.

Outros sintomas de uma fuga dissociativa podem incluir:

confusão

  • confusão
  • desapego emocional
  • identidade confusa
  • depressão
  • ansiedade
  • perambulando
  • indo a algum lugar incomum
  • experimentando estresse severo no trabalho
  • de repente evitando lugares

Existem três tipos de amnésia ou esquecimento ligados a um estado de fuga.

1. Amnésia localizada: quando uma pessoa não consegue lembrar de um evento específico, eventos ou período de tempo. O período esquecido é geralmente uma época traumática ou estressante, com pontos iniciais e finais claros. As pessoas podem experimentar mais de um episódio de perda de memória.

2. Amnésia seletiva: a pessoa esquece apenas alguns ou parte dos eventos que ocorreram.

3. Amnésia generalizada: A amnésia generalizada refere-se a quando uma pessoa esquece quem é e de onde veio. A pessoa esquece completamente o seu histórico de vida, às vezes incluindo habilidades que eles dominam. Este tipo de amnésia é raro, mas é mais comum entre pessoas com traumas extremos, como veteranos de combate ou vítimas de agressão sexual.

Uma vez que a fuga termina, a pessoa tende a se encontrar em uma nova situação de vida, sem memória de como chegaram lá ou do que aconteceu nesse meio tempo.

Esse retorno à normalidade pode deixar uma pessoa se sentindo envergonhada, desconfortável e assustada.

Causas

Uma fuga dissociativa é geralmente, embora nem sempre, desencadeada por um evento traumático, como:

  • estupro
  • acidentes
  • combate
  • desastre natural
  • violência
  • abuso físico ou emocional a longo prazo

Esses eventos não precisam acontecer com a pessoa afetada pela fuga. Testemunhar esses eventos também pode ser tão traumático que desencadeia um estado dissociativo.

Diagnóstico

O diagnóstico dessa condição geralmente ocorre depois que a fuga termina e quando a pessoa afetada conta o que aconteceu com ela.

Qualquer pessoa que teve ou pode ter tido um estado de fuga deve consultar um médico imediatamente para uma avaliação.

O médico irá recomendar um exame físico completo e histórico médico para descartar uma razão médica para o evento, como epilepsia ou outro distúrbio convulsivo.

Se nenhuma outra causa for encontrada, a pessoa será encaminhada a um psicólogo para uma avaliação psicológica.

Tratamento

terapia cognitiva

Na maioria dos casos, uma fuga dissociativa é um evento isolado e não se repete. Em outros casos, no entanto, a amnésia relacionada a um evento e estado de fuga persistirá mesmo após o término da fuga.

O tratamento se concentrará em ajudar a pessoa a lidar com o que aconteceu e a identificar o que desencadeou o estado de fuga. Este tipo de tratamento é feito trabalhando com um terapeuta treinado com experiência em ajudar as pessoas através de eventos traumáticos.

  • Terapia cognitiva ou “terapia da conversa” é essencial para ajudar a pessoa a lidar com seus padrões de pensamento em torno do evento, e construir mecanismos de enfrentamento adequados, seguindo em frente.
  • A hipnoterapia tem sido usada para ajudar os pacientes a recuperar memórias perdidas e trabalhar com elas.
  • Terapias criativas, como arte ou música, ajudam as pessoas a explorar seus pensamentos e emoções de maneira criativa e segura. Também ajuda a pessoa a recuperar um senso de autocontrole após um estado de fuga.
  • A terapia em grupo pode fornecer suporte contínuo para a pessoa, à medida que ela se recupera.
  • A terapia familiar pode ajudar a complementar o tratamento e ajudar a família de uma pessoa a avançar e se recuperar após o estado de fuga.

Medicamentos antidepressivos ou ansiolíticos podem ser necessários à medida que a pessoa começa a se recuperar do que aconteceu.

Complicações

A fuga dissociativa e, potencialmente, o evento traumático que a causou, está associada a várias outras condições de saúde mental, incluindo:

  • transtorno de estresse pós-traumático
  • depressão
  • ansiedade
  • distúrbios do sono
  • uso de drogas ou álcool
  • pensamentos suicidas

Devido à gravidade desta condição e às condições associadas a ela, é importante consultar um profissional médico o mais rápido possível.

Sempre que um ente querido estiver exibindo um comportamento incomum, sinais de confusão ou perda de memória, um profissional médico deve ser contatado. Isto é especialmente verdade depois de um evento traumático.

Outlook

A perspectiva para alguém que teve uma fuga dissociativa é excelente e melhora quando o tratamento é iniciado.

Enquanto algumas pessoas recuperam suas memórias, outras pessoas com fuga dissociativa podem nunca se lembrar inteiramente dos eventos que aconteceram durante esse período de tempo.

Like this post? Please share to your friends: