Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Fatos-chave e mitos comuns sobre a DPOC

A doença pulmonar obstrutiva crônica ou DPOC é uma doença progressiva, marcada pela incapacidade de uma pessoa retirar o ar dos pulmões, o que dificulta a respiração.

A DPOC inclui tanto bronquite crônica quanto enfisema.

Os sintomas da DPOC incluem falta de ar, tosse persistente que produz catarro e infecções pulmonares.

Sete fatos sobre a DPOC

1. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 3 milhões de pessoas no mundo morreram de DPOC em 2015, o que representa 5% de todas as mortes naquele ano.

Pessoa, fumar

A OMS prevê que, nos próximos 10 anos, as mortes por DPOC aumentem em mais de 30% em todo o mundo.

Mais de 90% das mortes causadas pela DPOC ocorrem nos países mais pobres. Nessas áreas, há menos probabilidade de haver estratégias eficazes de prevenção e controle implementadas ou que sejam acessíveis para os necessitados.

De acordo com os Institutos Nacionais de Saúde (NIH), cerca de 12 milhões de pessoas nos Estados Unidos foram diagnosticadas com DPOC em 2013. A maioria dessas pessoas tem pelo menos 40 anos de idade. A Fundação DPOC relata que cerca de 70% de todas as pessoas nos EUA com DPOC têm menos de 65 anos.

2. Atualmente, a DPOC ocorre em mais mulheres americanas do que homens.

Segundo a American Lung Association, mais de 7 milhões de mulheres nos EUA têm DPOC. Muitos milhões mais têm a doença, mas não foram diagnosticados. O número de mulheres que morreram de DPOC aumentou em 400% nos últimos 30 anos. Desde 2000, mais mulheres do que homens morreram de DPOC nos EUA.

A American Lung Association fornece algumas estatísticas impressionantes em relação às mulheres e à DPOC. As mulheres que fumam são cerca de 22 vezes mais propensas a morrer de DPOC do que as mulheres que não fumam.

As mulheres que fumam podem desenvolver DPOC mais grave em uma idade mais jovem, e estão em maior risco de desenvolver certos tipos de câncer, incluindo cervical, renal, bexiga e câncer de cabeça e pescoço.

3. A causa número um da DPOC é a fumaça do cigarro, seja por fumar ou por inalar o fumo passivo.

Quando uma pessoa fuma um cigarro, mais de 7.000 substâncias químicas prejudiciais são produzidas. Essas toxinas reduzem a capacidade dos pulmões de se defender contra infecções e causar inflamação. Com o tempo, essa irritação faz com que as passagens de ar se estreitem, levando ao inchaço dos tubos de ar e à destruição dos sacos aéreos, cada um dos quais é um fator contribuinte para a DPOC.

4. A DPOC também pode ser genética.

Algumas pessoas têm um tipo de DPOC chamado deficiência de alfa-1 antitripsina (A1AD). Este tipo de DPOC é muito raro e é o único fator de risco genético específico conhecido que tem sido associado ao tipo de enfisema da DPOC.

Alfa-1 Antitripsina é uma proteína que é produzida no fígado e protege os pulmões. Se o fígado de uma pessoa não produz o suficiente dessa proteína, os pulmões podem estar em risco. Isso pode resultar em uma pessoa desenvolvendo enfisema e DPOC em uma idade mais precoce. Uma pessoa também pode desenvolver problemas no fígado.

5. Existem quatro estágios de perda de função pulmonar na DPOC, que variam de leve a muito grave.

As pessoas que desenvolvem DPOC podem experimentar vários sintomas desde o início. As pessoas devem ter cuidado com uma tosse contínua, especialmente se produzir uma grande quantidade de muco. A falta de ar, mesmo quando se realiza atividades simples, como caminhar, também é um sinal de alerta, juntamente com infecções respiratórias frequentes.

Outros sintomas incluem chiado e aperto no peito. Em casos graves, as pessoas com DPOC podem ter dificuldade para falar ou recuperar o fôlego ou até realizar tarefas básicas. Seus lábios ou unhas podem ficar azuis ou cinza devido aos baixos níveis de oxigênio no sangue, o que pode levar a períodos de confusão.

6. A DPOC pode ser difícil de diagnosticar porque alguns pacientes não apresentam nenhum sintoma até que os estágios e sintomas posteriores também possam imitar outras condições.

Um teste de espirometria

O principal teste de função pulmonar usado inicialmente para testar a DPOC é chamado de espirometria. Uma pessoa vai inspirar profundamente e depois soprar tão forte quanto puder em um tubo conectado a uma máquina chamada espirômetro. A máquina mede a quantidade de ar que a pessoa respira e a rapidez com que consegue soprar o ar.

A função pulmonar de uma pessoa, juntamente com seus sintomas, determina a gravidade de sua doença. Isso fornece um guia importante ao criar um plano de tratamento.

7. Algumas pessoas com DPOC têm problemas em obter oxigênio suficiente e remover o suficiente de dióxido de carbono, o que cria um desequilíbrio de oxigênio.

Em alguns casos, a oxigenoterapia pode ser útil em pessoas que consistentemente não conseguem o oxigênio de que necessitam. O tratamento com oxigênio pode evitar que os níveis de oxigênio caiam perigosamente baixos, além de reduzir a pressão sobre o coração.

Se uma pessoa é fumante e é diagnosticada com DPOC, a melhor opção de tratamento é deixar de fumar e seguir as recomendações do médico. É melhor evitar irritantes nos pulmões, como fumo passivo, poluentes ou qualquer coisa que desencadeie alergias, e acompanhar todas as consultas médicas e planos de tratamento.

Uma pessoa com DPOC deve prestar muita atenção aos seus sintomas do dia-a-dia e ter um plano para emergências. Qualquer alteração ou surto de sintomas usuais requer atenção médica.

Três mitos da DPOC

1. Um mito comum em torno da DPOC é que as pessoas pensam que é apenas uma doença do fumante, mas isso não poderia estar mais longe da verdade.

Um homem de meia idade está tossindo.

O NIH afirma que 10 a 20% das pessoas que desenvolvem DPOC nunca fumaram. Embora os fumantes sejam os de maior risco, as pessoas expostas ao fumo passivo e outros poluentes do meio ambiente ou do local de trabalho também estão em risco.

A Fundação DPOC afirma que as pessoas expostas a poluentes atmosféricos em um ambiente ocupacional contribuem para 19,2% dos casos de DPOC.

Há também pessoas com DPOC que não foram expostas a nenhum dos riscos potenciais que podem levar à doença.

2. Outro mito é que a DPOC não é tratável.

Embora não haja cura para a DPOC, existem medicamentos, procedimentos e mudanças no estilo de vida que podem retardar o progresso da doença e levar a uma maior qualidade de vida.

É importante que a DPOC seja tratada o mais cedo possível, pois pode causar complicações adicionais. As pessoas com DPOC têm maior probabilidade de contrair infecções respiratórias, incluindo resfriados, gripes e até pneumonia.

Uma infecção respiratória dificulta a respiração e causa danos adicionais ao tecido pulmonar. Doenças cardíacas, hipertensão, diabetes e depressão também são complicações comuns. A chance de desenvolver câncer de pulmão também aumenta.

3. Pessoas com DPOC não devem pensar que é impossível estar ativo ou aproveitar a vida devido a sua doença.

Mesmo em DPOC grave, existem maneiras de tornar a vida mais gerenciável. Embora seja preciso muito trabalho e paciência, as pessoas com DPOC conseguem levar uma vida de qualidade.

O plano de tratamento exato depende do estágio e da gravidade da DPOC. Mudanças no estilo de vida, como parar de fumar, fazer uma dieta saudável e manter atividade física, incluindo reabilitação pulmonar, serão tipicamente encorajadas.

Os médicos também podem prescrever medicamentos, incluindo broncodilatadores e esteróides, para abrir as vias aéreas e reduzir a inflamação das vias aéreas para ajudar a pessoa a respirar melhor.

Like this post? Please share to your friends: