Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Estes medicamentos comuns podem aumentar o risco de demência

Um estudo de referência ligou o uso a longo prazo de certos medicamentos anticolinérgicos a um risco mais elevado de demência mais tarde.

mulher olhando para pílulas

Acredita-se que esta investigação seja o estudo “maior e mais detalhado” até o momento em uso anticolinérgico a longo prazo e risco de demência.

Os anticolinérgicos funcionam bloqueando um mensageiro químico, ou neurotransmissor, chamado acetilcolina, que transporta sinais cerebrais para controlar os músculos.

Eles são usados ​​para tratar uma variedade de condições, desde doença de Parkinson e perda do controle da bexiga até asma, doença pulmonar obstrutiva crônica e depressão.

Anticolinérgicos para depressão, como a amitriptilina, a dosulepina e a paroxetina, foram previamente associados a maior risco de demência, mesmo quando foram usados ​​até 20 anos antes.

Alguns estudos também sugeriram que o uso de qualquer anticolinérgico está ligado ao risco aumentado de demência.

Uso a longo prazo de certos anticolinérgicos

Mas o novo estudo – que foi conduzido pela Universidade de East Anglia (UEA) no Reino Unido e agora é publicado na – descobriu que o uso a longo prazo de apenas alguns tipos de anticolinérgicos está ligado ao maior risco de demência.

Confirma a ligação ao uso a longo prazo de anticolinérgicos para a depressão, e também para a doença de Parkinson (como a prociclidina) e a perda do controlo da bexiga (por exemplo, oxibutinina, solifenacina e tolterodina).

No entanto, o estudo não encontrou nenhuma ligação entre o aumento do risco de demência e outras drogas anticolinérgicas, como anti-histamínicos e medicamentos para cólicas abdominais.

Para sua investigação, os pesquisadores usaram dados do Clinical Practice Research Database, que contém registros anônimos de mais de 11 milhões de pessoas em todo o Reino Unido.

Carga cognitiva anticolinérgica

O conjunto de dados usado na análise incluiu 40.770 pacientes com demência entre as idades de 65 e 99 que foram diagnosticados durante 2006–2015. Cada um deles foi combinado com até sete pessoas que não tinham demência, mas que eram do mesmo sexo e idade semelhante.

Os pesquisadores usaram um sistema chamado Escala Anticolinérgica de Carga Cognitiva (ACB) para avaliar o efeito anticolinérgico das drogas que os pacientes haviam prescrito.

Uma pontuação ACB de 1 significava que uma droga era “possivelmente anticolinérgica”, enquanto que uma pontuação de 2 ou 3 significava que ela era “definitivamente anticolinérgica”. Ao todo, eles analisaram mais de 27 milhões de prescrições.

A equipe revisou os registros dos pacientes e seus controles pareados para contabilizar todas as prescrições e doses para medicamentos com um escore de 1 a 3 no intervalo de 4 a 20 anos antes do diagnóstico de demência.

Eles descobriram que 35 por cento dos pacientes com demência e 30 por cento dos controles tinham sido prescritos pelo menos um medicamento com uma pontuação de 3 na escala ACB durante esse período.

Os pesquisadores então realizaram uma análise adicional para eliminar o efeito de fatores que poderiam influenciar os resultados.

A análise posterior revelou que os fármacos com uma pontuação de ACB de 3 que tinham sido prescritos para depressão, doença de Parkinson e perda do controlo da bexiga estavam ligados a um maior risco de demência até aos 20 anos “após a exposição”.

Nenhuma ligação foi encontrada, no entanto, para drogas que marcaram 1 na escala ACB, nem para drogas respiratórias e gastrointestinais que pontuaram 3.

Os médicos devem estar vigilantes

Os pesquisadores apontam que, devido às limitações do desenho do estudo, eles não podem dizer se os anticolinérgicos causam ou não a demência.

Uma possibilidade é que as pessoas que tomam as drogas já estejam nos primeiros estágios da demência.

Mas, como a ligação estava presente mesmo quando a exposição ocorreu entre 15 e 20 anos antes do diagnóstico da demência, os autores argumentam que “causa reversa ou confusão com sintomas de demência precoce são explicações menos prováveis”.

Eles aconselham os médicos a “continuar vigilantes com relação ao uso de drogas anticolinérgicas” e a levar em conta possíveis efeitos de longo prazo e de curto prazo quando avaliam riscos versus benefícios.

Importância da pesquisa

A demência afeta cerca de 50 milhões de pessoas em todo o mundo, e todos os anos, 10 milhões a mais descobrem que têm a doença, o que acabará privando-os de sua capacidade de lembrar, pensar, manter uma conversa e viver de forma independente.

“Esta pesquisa é realmente importante”, explica o líder do estudo, Dr. George Savva, que trabalha na Faculdade de Ciências da Saúde da UEA, “porque estima-se que 350 milhões de pessoas sejam afetadas globalmente pela depressão, e as condições da bexiga que requerem tratamento mais de 13% dos homens e 30% das mulheres no Reino Unido e [nos Estados Unidos]. “

“Muitas das opções de tratamento para essas condições”, continua ele, “envolvem medicação com efeitos anticolinérgicos”.

“Desenvolver estratégias para prevenir a demência é, portanto, uma prioridade global”.

Dr. George Savva

Em um artigo editorial que está ligado ao estudo, a professora Shelly Gray, da Universidade de Washington em Seattle, e o professor Joseph Hanlon, da Universidade de Pittsburgh, na Pensilvânia, dizem que os autores fizeram um bom trabalho em resolver o problema. da melhor forma de “resumir a carga anticolinérgica para futuras pesquisas”.

Eles também concordam que, enquanto isso, “como sugerido pelas diretrizes, anticolinérgicos em geral devem ser evitados em adultos mais velhos”.

Like this post? Please share to your friends: