Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Estatinas aumentam o risco de desenvolver diabetes em pessoas em risco

Entre os indivíduos suscetíveis, as estatinas – que são uma medicação comum para baixar o colesterol – podem aumentar o risco de diabetes tipo 2 em 30%. Essas novas descobertas certamente reacenderão o debate.

Estatinas em blister

As estatinas reduzem o colesterol reduzindo sua produção no fígado. Eles fazem isso bloqueando uma enzima chamada hidroximetil-glutaril-coenzima A redutase, que está envolvida em sua fabricação.

As estatinas são um dos tipos mais amplamente prescritos de drogas nos Estados Unidos.

Entre 2011 e 2012, mais de um quarto dos adultos dos EUA com mais de 40 anos estava tomando medicação para baixar o colesterol. A grande maioria desses medicamentos eram estatinas.

Ao lado de sua capacidade de redução de colesterol, as estatinas também têm efeitos positivos sobre a inflamação e o estresse oxidativo. Tomados em conjunto, não seria surpreendente se as estatinas ajudassem a reduzir o risco de desenvolver diabetes.

Mas o inverso pode ser verdade. Há evidências de que o uso prolongado de estatinas pode aumentar o risco de diabetes tipo 2. O primeiro estudo para mencionar este efeito potencial foi publicado em 2008.

Entre então e agora, muitas metanálises foram realizadas. Alguns acrescentaram evidências que apóiam uma ligação entre o uso de estatina e o diabetes tipo 2, enquanto outros colocaram essa ligação em questão. Portanto, uma resposta definitiva ainda está para ser encontrada.

Reabertura do debate sobre estatina e diabetes

Muitos estudos anteriores que apontaram uma ligação não se propuseram especificamente a investigar diabetes e estatinas; seu foco principal era em eventos cardiovasculares. Como o número de casos de diabetes nos grupos experimentais foi baixo, foi difícil entender bem os riscos associados.

Então, para dar uma nova olhada nesta interação, pesquisadores da Faculdade de Medicina Albert Einstein, em Nova York, NY, decidiram concentrar sua atenção em uma subseção de usuários de estatinas em risco e se concentrar especificamente no diabetes tipo 2.

Os resultados são publicados esta semana na revista.

A equipe usou dados do Estudo de Resultados do Programa de Prevenção de Diabetes dos EUA (DPPOS). O DPPOS é um estudo de acompanhamento de um ensaio clínico de longo prazo que envolveu indivíduos obesos ou com excesso de peso e, portanto, com maior risco de desenvolver diabetes tipo 2.

O estudo original analisou se a “perda de peso através de mudanças no estilo de vida ou tratamento com metformina” (que é uma droga que controla o alto nível de açúcar no sangue) pode “reduzir ou retardar” o diabetes tipo 2 em pessoas de alto risco.

Depois que o estudo terminou, os participantes foram convidados a participar do DPPOS. A pressão arterial e as gorduras do sangue foram medidas anualmente e a glicemia foi medida a cada 6 meses. Ao mesmo tempo, o uso de estatinas foi registrado.

Dados de 3.234 participantes foram analisados. No início do julgamento, apenas 4% estavam usando estatinas, mas depois de 10 anos, cerca de um terço estava tomando o medicamento. A maioria estava usando sinvastatina ou atorvastatina.

Estatina riscos descobertos

Embora a probabilidade de receber prescrição de estatinas subisse após um diagnóstico de diabetes, o uso de estatina também estava associado a um risco aumentado de ser diagnosticado com diabetes. Esta associação foi significativa, independentemente do grupo de tratamento em que os participantes estiveram durante o julgamento anterior.

No geral, em comparação com não tomar estatinas, seu uso foi associado com um aumento de 36 por cento no risco de desenvolver diabetes tipo 2.

Embora os participantes que receberam prescrição de estatinas tivessem níveis mais altos de glicose no início do estudo, essa diferença não foi suficiente para explicar as taxas mais altas de diabetes.

Para investigar ainda mais essa relação, a equipe dividiu os dados da estatina em estatinas de baixa e alta potência. Eles não encontraram diferenças significativas entre os riscos nesses grupos.

Os autores são rápidos em mencionar que o estudo tem deficiências: é observacional, e assim causa e efeito não podem ser separados. Além disso, as prescrições de estatinas foram baseadas na avaliação de um médico e os participantes não foram aleatoriamente designados. Finalmente, informações sobre dosagem de estatina não estavam disponíveis para análise.

Apesar dessas ressalvas, os autores acreditam que é preciso cautela, pois essas conclusões se somam a estudos anteriores com resultados semelhantes. Eles dizem:

“[…] o status glicêmico deve ser monitorado e comportamentos saudáveis ​​no estilo de vida reforçados em pacientes de alto risco que recebem prescrição de estatinas para profilaxia [doença cardiovascular]”.

O debate sobre a relação entre estatinas e diabetes certamente não acabou, e é provável que ronque. Como o uso de estatina e o diabetes são tão prevalentes nos EUA, é importante coletar o máximo de informações possíveis sobre quaisquer interações.

Mais estudos certamente virão em seguida, mas pode levar algum tempo até que o debate possa ser colocado de uma vez por todas.

Like this post? Please share to your friends: