Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Estágios da demência: Como a doença muda com o tempo?

A demência não é uma doença ou doença específica. Envolve uma variedade de sintomas associados a pensamentos, memória e comunicação prejudicados.

Para ter um diagnóstico de demência, o declínio no funcionamento deve afetar a capacidade de uma pessoa para realizar atividades cotidianas.

Este artigo examinará vários tipos de demência e como eles mudam à medida que a condição progride.

Tipos de demência

placas beta-amilóides

A demência pode ter causas diferentes. Alterações no cérebro dependem do tipo de demência que uma pessoa tem.

Tipos comuns de demência incluem doença de Alzheimer, demência vascular, demência com corpos de Lewy e demência mista.

doença de Alzheimer

A causa mais comum de demência é a doença de Alzheimer. Segundo a Associação de Alzheimer, entre 60 e 80 por cento da demência é causada pela doença de Alzheimer.

Não está totalmente claro o que causa a doença de Alzheimer, mas aglomerados de uma proteína chamada beta-amilóide são encontrados no cérebro de pessoas com esse tipo de demência.

Demencia vascular

A demência vascular pode ocorrer quando há circulação reduzida no cérebro devido a um acidente vascular cerebral ou outras condições, resultando em danos aos vasos sanguíneos no cérebro.

Demência com corpos de Lewy

A demência com corpos de Lewy acontece quando proteínas anormais se desenvolvem no cérebro, chamadas corpos de Lewy. Os depósitos de proteína podem ser encontrados em todo o cérebro, incluindo o córtex cerebral, a área envolvida na linguagem e no pensamento.

Demência mista

A demência mista envolve mais de uma causa. Problemas de vasos sanguíneos podem estar presentes junto com proteínas anormais no cérebro, por exemplo.

Como os sintomas da demência mudam com o tempo?

Independentemente da causa, os sintomas da demência tendem a piorar com o tempo.

A taxa de progressão varia de pessoa para pessoa. Genética, idade e saúde geral podem desempenhar um papel na rapidez com que a doença progride.

Sintomas precoces

Demência, muitas vezes, mas nem sempre, começa com um leve declínio na capacidade de pensar. Por exemplo, alguém pode esquecer uma conversa recente ou o nome de um objeto familiar.

Neste ponto, a diminuição da memória pode não afetar muito a capacidade de uma pessoa para funcionar diariamente.

Os primeiros sintomas também podem incluir uma diminuição da capacidade de realizar determinadas tarefas, como pagar contas ou seguir uma receita. Mudanças sutis na personalidade também podem ser percebidas por pessoas próximas a um indivíduo com demência.

Nesse estágio, uma pessoa com demência pode começar a perceber que algo não está certo, mas pode optar por ocultar seus sintomas.

Sintomas de demência moderada

Velha senhora está confusa e preocupada com um laptop no colo

À medida que a demência progride, os sintomas se tornam mais difíceis de esconder. Sintomas mais perceptíveis podem se desenvolver. Ajuda com autocuidado ou atividades cotidianas podem ser necessárias.

Mudanças de personalidade podem se tornar mais notáveis. A pessoa pode sentir paranoia ou medo. Os sintomas podem incluir aumento da confusão e perda de memória.

As pessoas com demência moderada geralmente esquecem seu endereço ou outras informações pessoais, incluindo seu número de telefone. Padrões de sono e humor podem mudar.

Sintomas tardios ou graves de demência

Gradualmente, a demência pode progredir e se tornar grave. A memória é freqüentemente afetada significativamente. Alguém com demência pode não reconhecer os membros da família.

Durante a demência tardia, os sintomas podem incluir incapacidade de se comunicar, andar e controlar a função intestinal e da bexiga.

Uma pessoa com demência tardia pode ter rigidez muscular e reflexos anormais. Cuidados pessoais em tempo integral geralmente são necessários para comer, tomar banho e se vestir. Pessoas com demência grave são vulneráveis ​​a infecções, incluindo pneumonia e escaras.

Como as opções de tratamento mudam com o tempo?

Atualmente, não há cura para a demência, incluindo a doença de Alzheimer, mas existem tratamentos. O tratamento geralmente visa diminuir os sintomas e gerenciar mudanças comportamentais.

O tratamento também pode mudar com o tempo. Diferentes classificações de medicação podem ser prescritas, com base no estágio da doença.

Medicamentos podem reduzir os sintomas, afetando produtos químicos que carregam mensagens para as células do cérebro.

Essas drogas são chamadas de inibidores da colinesterase. Eles são freqüentemente prescritos para pessoas com sintomas leves a moderados. Os inibidores da colinesterase tratam os sintomas associados à confusão, comunicação e memória.

Em pessoas com demência moderada a grave, o tratamento também pode incluir memantina. A memantina é um medicamento que pode ajudar a melhorar a linguagem, o pensamento e a memória.

A memantina funciona regulando o glutamato, uma substância química no cérebro que está envolvida na memória e na aprendizagem. A memantina pode atrasar a progressão dos sintomas temporariamente para algumas pessoas.

As opções de tratamento podem incluir medicamentos que reduzem as mudanças comportamentais, como ansiedade e problemas de sono.

Nos estágios posteriores, medicamentos diferentes podem ser necessários, conforme os sintomas se desenvolvem. Fármacos específicos podem ser recomendados para tratar sintomas específicos, como medo, inquietação e alucinações.

À medida que a demência progride, o tratamento também pode se concentrar na melhoria da qualidade de vida. Por exemplo, a terapia ocupacional pode ser útil para ensinar às pessoas com demência como usar equipamentos adaptativos ou melhorar as habilidades motoras finas.

Diagnóstico e resultado

mãos jovens, segurando as mãos velhas

Nenhum teste individual pode determinar se uma pessoa tem demência. Os testes se concentrarão na capacidade de pensar e avaliar neurologicamente.

Os testes avaliam habilidades como raciocínio, linguagem e memória. Movimento, equilíbrio e percepção visual também são examinados.

Um histórico médico e exames de sangue podem ajudar a descartar outras causas de sintomas.

Estudos de imagem, como tomografia computadorizada ou PET, podem determinar se uma proteína específica é depositada no cérebro ou se há alguma interrupção no fluxo sanguíneo para o cérebro.

As escalas de demência podem ajudar a decidir se a demência está presente e o quanto progrediu.

A Escala de Deterioração Global pode ser usada para determinar a gravidade da demência geral.

As classificações variam de um a sete, onde sete indicam o estágio mais grave. Uma combinação de testes pode ser usada para fazer uma avaliação.

As perspectivas para as pessoas com demência variam. Idade no diagnóstico e resposta ao tratamento afetam como a condição progride.

Pessoas com demência de Alzheimer muitas vezes vivem cerca de 10 anos após o diagnóstico, de acordo com a Clínica Mayo.

No entanto, todo mundo é diferente. Algumas pessoas com demência sobrevivem 20 anos ou mais após o diagnóstico.

Vivendo com demência nos últimos estágios

Pode ser útil para uma pessoa com demência ser envolvida nas decisões sobre o seu cuidado antes que se tornem incapazes de comunicar seus desejos.

O planejamento avançado de cuidados permite que um indivíduo com demência afirme o que deseja e o que não deseja, como morar em uma casa de repouso ou ser atendido em casa.

Viver com demência tardia pode ser um desafio para pacientes e cuidadores. Conforme os sintomas progridem, mais cuidado é necessário.

Estratégias que podem ajudar alguém com demência de estágio avançado incluem técnicas para despertar a memória, como pistas ou anotações visuais.

Os dispositivos de tecnologia assistiva incluem dispositivos de comunicação, dispositivos de desligamento automático e dispositivos de recall computadorizados.

Os cuidadores devem criar um ambiente calmo e seguro. É importante identificar e corrigir preocupações de segurança. Isso inclui a remoção de riscos de tropeção e a garantia de que os quartos são fáceis de locomover.

Os cuidadores também devem garantir que a medicação seja tomada corretamente e que as necessidades nutricionais sejam atendidas. A demência em estágio avançado também pode ser um momento difícil para os cuidadores. Ter um sistema de suporte forte e permitir tempo para recarregar é essencial.

Like this post? Please share to your friends: