Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Endocardite: o que você precisa saber

A endocardite é uma condição rara que envolve inflamação do revestimento do coração, músculos do coração e válvulas cardíacas.

É também conhecida como endocardite infecciosa (EI), endocardite bacteriana (EB), endocardite infecciosa e endocardite fúngica.

Uma infecção do endocárdio causa endocardite. A infecção é normalmente causada por bactérias estreptocócicas ou estafilocócicas. Raramente, pode ser causada por fungos ou outros microrganismos infecciosos.

É duas vezes mais comum em homens que em mulheres. Nos Estados Unidos, mais de 25% dos casos afetam pessoas com 60 anos ou mais.

Estudos sugerem que a endocardite afeta pelo menos 4 em cada 100.000 pessoas a cada ano, e que o número está aumentando.

Tratamento

O curso principal do tratamento é antibióticos, mas às vezes a cirurgia é necessária.

Antibióticos

A maioria dos pacientes com endocardite receberá antibióticos. Estes serão administrados por via intravenosa, por meio de um gotejamento, para que o paciente precise ficar no hospital. Exames de sangue regulares monitoram a eficácia da medicação.

Os pacientes geralmente podem ir para casa quando a temperatura volta ao normal e os sintomas diminuem, mas a maioria continua a tomar antibióticos em casa.

O paciente deve manter contato com seu médico para garantir que o tratamento seja eficaz e que os efeitos colaterais não estejam impedindo a recuperação.

Os antibióticos mais utilizados são penicilina e gentamicina. Pacientes alérgicos à penicilina podem receber vancomicina. O tratamento com antibióticos normalmente dura de 2 a 6 semanas, dependendo da gravidade da infecção, entre outras coisas.

Cirurgia

Se a endocardite danificar o coração, a cirurgia pode ser necessária.

[cirurgia cardíaca]

A cirurgia é recomendada se:

  • a válvula cardíaca está tão danificada que não fecha com força suficiente, e regurgitação ocorre, onde o sangue flui de volta para o coração
  • a infecção continua porque o paciente não responde a medicação antibiótica ou antifúngica
  • grandes aglomerados de bactérias e células, ou vegetações, estão ligados a uma válvula cardíaca

A cirurgia pode reparar um defeito cardíaco ou válvulas cardíacas danificadas, substituí-las por artificiais ou drenar os abscessos que se desenvolveram no músculo cardíaco.

Causas

[coração - endocardite]

A endocardite pode acontecer quando bactérias ou fungos entram no corpo por causa de uma infecção, ou quando bactérias normalmente inofensivas que vivem na boca, trato respiratório superior ou outras partes do corpo atacam o tecido cardíaco.

Normalmente, o sistema imunológico pode destruir esses microrganismos indesejados, mas qualquer dano às válvulas cardíacas pode permitir que eles se prendam ao coração e se multipliquem.

Aglomerados de bactérias e células, ou vegetação, se formam nas válvulas cardíacas. Esses aglomerados dificultam o funcionamento correto do coração.

Podem causar abscessos nas válvulas e no músculo cardíaco, danificar o tecido e levar a anormalidades na condução elétrica.

Às vezes, um grupo pode se desprender e se espalhar para outras áreas, como rins, pulmões e cérebro.

Um problema dentário ou procedimento que resulta em uma infecção pode provocá-lo. A falta de saúde nos dentes ou nas gengivas aumenta o risco de endocardite, pois isso facilita a entrada das bactérias. Uma boa higiene dental ajuda a prevenir infecções cardíacas.

Outros procedimentos cirúrgicos podem permitir a entrada de bactérias, incluindo testes para examinar o trato digestivo, por exemplo, uma colonoscopia. Procedimentos que afetam o trato respiratório, o trato urinário, incluindo rins, bexiga e uretra, a pele, os ossos e os músculos, também são fatores de risco.

Um defeito cardíaco pode aumentar o risco de desenvolver endocardite se as bactérias entrarem no corpo. Isso pode incluir um defeito desde o nascimento, uma válvula cardíaca anormal ou tecido cardíaco danificado. Pessoas com uma válvula cardíaca artificial têm um risco maior.

Uma infecção bacteriana em outra parte do corpo, por exemplo, uma ferida na pele ou uma doença da gengiva, pode levar à disseminação de bactérias. Injetar drogas com agulhas impuras é um fator de risco. Qualquer pessoa que desenvolva sepse está em risco de endocardite.

As infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), como a clamídia ou a gonorréia, facilitam a entrada das bactérias no corpo e o caminho para o coração.

Uma infecção por fungos candida pode causar endocardite.

A doença inflamatória intestinal (DII) ou qualquer distúrbio intestinal também pode aumentar o risco, mas o risco de uma pessoa com DII desenvolver endocardite ainda é baixo.

Instrumentos cirúrgicos ou médicos usados ​​no tratamento, como um cateter urinário ou medicação intravenosa a longo prazo, podem aumentar o risco.

Sintomas

Os sintomas variam entre os indivíduos e os sintomas individuais podem mudar com o tempo.

Na endocardite subaguda, os sintomas aparecem lentamente ao longo de várias semanas e, possivelmente, vários meses.

Raramente, a infecção se desenvolve rapidamente e os sintomas aparecem abruptamente. Isso é chamado de endocardite aguda e os sintomas tendem a ser mais graves.

A endocardite é difícil de diagnosticar. Os sintomas podem variar em gravidade, dependendo do tipo de bactéria ou fungo causador da infecção. Pacientes com problemas cardíacos subjacentes tendem a apresentar sintomas mais graves.

Os sintomas podem incluir:

[endocardite pode causar dor no peito]

  • uma alta temperatura ou febre
  • um sopro cardíaco novo ou diferente
  • dor muscular
  • sangramento sob as unhas ou unhas dos pés
  • vasos sanguíneos rompidos nos olhos ou na pele
  • dor no peito
  • tosse
  • dor de cabeça
  • falta de ar ou ofegante
  • pequenos caroços doloridos, vermelhos ou roxos, ou nódulos, nos dedos das mãos, pés ou ambos
  • manchas pequenas, indolores e planas na sola dos pés ou palmas das mãos
  • pequenas manchas de vasos sanguíneos quebrados sob as unhas, no branco dos olhos, no peito, no céu da boca e no interior das bochechas
  • sudorese, incluindo suores nocturnos
  • inchaço dos membros ou abdome
  • sangue na urina
  • fraqueza, cansaço e fadiga
  • perda de peso inesperada

Estes sintomas podem não ser específicos da endocardite.

Diagnóstico

O médico perguntará sobre o histórico médico do paciente e identificará possíveis problemas cardíacos e procedimentos ou exames médicos recentes, como operações, biópsias ou endoscopias.

Eles também verificarão se há febre, nódulos e outros sinais e sintomas, como sopro cardíaco, ou um sopro cardíaco alterado se o paciente já tiver um.

Uma série de testes pode ser usada para confirmar endocardite. Os sintomas da endocardite podem se sobrepor aos de outras condições, portanto, esses devem ser descartados primeiro. Isto pode tomar algum tempo.

Os seguintes testes podem ser feitos:

  • Teste de hemocultura: Para verificar se há bactérias ou fungos no sangue do paciente. Se algum for encontrado, eles geralmente são testados com alguns antibióticos para descobrir qual tratamento é melhor.
  • Taxa de sedimentação de eritrócitos (ESR): mede a rapidez com que as células sanguíneas caem para o fundo de um tubo de ensaio cheio de líquido. Quanto mais rápido eles caem, mais provável é que haja uma condição inflamatória, como a endocardite. A maioria dos pacientes com endocardite tem alta VHS. O sangue atinge o fundo do líquido mais rápido que o normal.
  • Ecocardiograma: as ondas sonoras produzem imagens das partes do coração, incluindo músculos, válvulas e câmaras. Isso mostra a estrutura e o funcionamento do coração com mais detalhes. Um ecocardiograma pode revelar aglomerados de bactérias e células, conhecidas como vegetações, e tecido cardíaco infectado ou danificado.

Uma tomografia computadorizada pode ajudar a identificar qualquer abscesso no coração.

Complicações

As complicações são mais prováveis ​​se a endocardite não for tratada ou se o tratamento for atrasado.

  • Válvulas cardíacas danificadas aumentam o risco de insuficiência cardíaca.
  • Se os ritmos cardíacos forem afetados, pode ocorrer arritmia ou batimentos cardíacos irregulares.
  • A infecção pode se espalhar dentro do coração e para outros órgãos, como os rins, pulmões e cérebro.
  • Se as vegetações se quebrarem, elas podem viajar através da corrente sanguínea para outras partes do corpo e causar infecções e abscessos em outros lugares.

Vegetação que encontra o seu caminho para o cérebro e fica presa lá pode causar derrame ou cegueira. Um grande fragmento de vegetação pode ficar preso em uma artéria e bloquear o fluxo sanguíneo.

Fatores de risco

Uma pessoa pode estar em maior risco de desenvolver endocardite se:

  • tem uma condição cardíaca ou doença existente
  • teve cirurgia de substituição do coração ou recebeu uma válvula cardíaca artificial
  • teve uma doença, como febre reumática, que danificou em uma válvula cardíaca
  • recebeu um marcapasso
  • receberam drogas regularmente por via intravenosa
  • estão convalescendo após uma doença bacteriana grave, como meningite ou pneumonia
  • tem um sistema imunológico que é cronicamente suprimido, por exemplo, por causa de diabetes ou HIV, ou se eles têm câncer ou estão recebendo quimioterapia

À medida que as pessoas envelhecem, suas valvas cardíacas degeneram, aumentando o risco de endocardite.

Outlook e prevenção

A endocardite não tratada é sempre fatal, mas com o tratamento precoce, envolvendo um uso agressivo de antibióticos, a maioria dos pacientes sobrevive.

No entanto, ainda pode ser fatal em pessoas idosas, pacientes com uma condição subjacente e aqueles cuja infecção envolve um tipo de bactéria resistente.

O Instituto Nacional do Coração, Pulmão e Sangue (NHLBI) encoraja aqueles que estão em risco de endocardite a realizar exames dentários regulares e a escovar os dentes regularmente.

Desde 2007, a American Heart Association (AHA) recomenda que aqueles com alto risco de endocardite recebam antibióticos antes de se submeterem a procedimentos odontológicos.

Like this post? Please share to your friends: