Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

E-cigarros vazam metais tóxicos, segundo estudo

Vários estudos recentes sugeriram que os cigarros eletrônicos podem não ser tão seguros quanto podemos pensar, e um novo estudo agora acrescenta que esses aparelhos populares vazam metais prejudiciais – alguns deles altamente tóxicos.

vapores de cigarro eletrônico

Desde o seu lançamento no mercado global, os cigarros eletrônicos (e-cigarros) têm sido aclamados, geralmente, como uma alternativa mais segura em relação aos regulares.

Estes dispositivos funcionam aquecendo um líquido aromatizado que às vezes – embora nem sempre – contém nicotina.

Em vez de fumaça, os cigarros eletrônicos liberam aerossóis, ou “vapores”, motivo pelo qual os usuários de cigarros eletrônicos costumam ser chamados de “vapers”, e o ato de “fumar” usando esse dispositivo é apelidado de “vaping”.

Apesar da crença popular de que os cigarros eletrônicos são melhores para a saúde do que os tradicionais, pesquisas recentes indicam que esses dispositivos podem trazer riscos novos e pouco compreendidos.

Tem sido sugerido que pessoas que usam e-cigatattes poderiam ter um risco maior de problemas cardiovasculares e câncer, e um estudo publicado no início deste mês descobriu que alguns sabores certos de e-cigarros são particularmente tóxicos.

Agora, uma equipe de cientistas da Escola Bloomberg de Saúde Pública Johns Hopkins em Baltimore, MD, conclui que os vapores de cigarro eletrônico também podem ser prejudiciais. A autora sênior do estudo Ana María Rule e sua equipe supõem que o perigo pode surgir do conteúdo tóxico das bobinas de aquecimento de cigarros eletrônicos.

“É importante para a FDA (Food and Drug Administration), as empresas de cigarros eletrônicos, e os próprios vapers saberem que essas serpentinas de aquecimento, como são feitas atualmente, parecem estar vazando metais tóxicos – que entram nos aerossóis que inalam. “

Ana María Rule

As descobertas dos pesquisadores agora são publicadas na revista.

Concentração ‘acima dos limites seguros’

Em um estudo anterior, Rule e seus colegas identificaram uma série de metais tóxicos – cádmio, cromo, chumbo, manganês e níquel – em líquidos de cigarro eletrônico.

A nova pesquisa levou essas descobertas e foi além, testando os cigarros eletrônicos de usuários reais para tentar entender como as pessoas expostas estavam a essas substâncias tóxicas e em que circunstâncias.

Regra e equipe trabalharam com 56 participantes que usavam e-cigarros diariamente. Os pesquisadores testaram os cigarros eletrônicos dos participantes, verificando a presença de 15 metais nos dispensadores de recarga, os líquidos vaping “carregados” nos cigarros eletrônicos e os vapores resultantes do aquecimento dos líquidos.

Os pesquisadores foram capazes de confirmar que metais tóxicos estavam presentes nos e-líquidos de dispensadores de recarga, embora em concentrações relativamente pequenas. Mas uma história completamente diferente se desenrolou no caso de soluções de enchimento de tanques que já haviam sido aquecidas pelas bobinas embutidas.

Esses e-líquidos tinham concentrações muito mais altas de metais tóxicos, o que – dizem os pesquisadores – sugere que as soluções em si não são a fonte dessas substâncias. Em vez disso, Rule e seus colegas inferem que os metais tóxicos podem vir das serpentinas de aquecimento.

Devido à contaminação do e-líquido, vestígios de metais tóxicos também foram encontrados nos aerossóis liberados pelos e-cigarros.

Os metais que os autores do estudo expressam mais preocupação são chumbo, cromo, níquel e manganês, todos os quais têm sido associados a importantes riscos para a saúde, incluindo câncer, danos cerebrais e distúrbios do sistema respiratório.

Nos aerossóis, a concentração média para o chumbo sozinho foi de cerca de 15 microgramas por quilograma, e 48 por cento das amostras de vapor testadas pela equipe tinham concentrações de chumbo que excederam o limite recomendado pela Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos.

“Estes eram apenas níveis medianos”, diz Rule. “Os níveis reais desses metais [incluindo os de níquel, cromo e manganês] variaram muito de amostra para amostra, e muitas vezes eram muito mais altos que os limites seguros”.

Fontes misteriosas de metais tóxicos

Como pesquisas anteriores confirmaram, as bobinas de aquecimento contidas nos cigarros eletrônicos são geralmente feitas de uma combinação de níquel e cromo, além de outras substâncias. Isto apoia a tese de que muitos dos metais tóxicos cujos vestígios foram encontrados em e-líquidos e aerossóis devem ter vazado dessas bobinas.

No entanto, ainda não está claro de onde o chumbo está vindo, ou como todos esses metais contaminam o e-líquido.

“Ainda não sabemos se os metais estão quimicamente lixiviados da bobina ou vaporizam quando são aquecidos”, diz Rule.

A co-autora do estudo, Angela Aherrera, também liderou uma investigação separada usando dados dos mesmos 56 participantes. Sua investigação adicional revelou que os usuários de cigarros eletrônicos aumentaram os níveis de níquel e cromo em sua urina e saliva.

Estes foram consistentes com a concentração destes metais identificados em vapores de e-cigarros.

Curiosamente, no entanto, vestígios de metais tóxicos foram encontrados em concentrações mais altas em vapores produzidos por cigarros eletrônicos cujas bobinas de aquecimento foram freqüentemente substituídas.

Isso sugere que os vazamentos provavelmente ocorrem a partir de novas bobinas de aquecimento e, talvez, menos no caso de elementos mais antigos.

Outro resultado preocupante indicou que o arsênico – uma substância altamente tóxica – foi encontrado em refil e-líquido, líquido do tanque e vapores em nada menos que 10 dos 56 conjuntos de amostras fornecidos pelos participantes do estudo. Por que o arsênico estava presente ainda precisa ser esclarecido.

“Nós estabelecemos com este estudo que há exposições a esses metais, que é o primeiro passo”, diz Rule, acrescentando que há uma “necessidade também de determinar os efeitos reais da saúde”.

Like this post? Please share to your friends: