Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

E-cigarros podem causar câncer e doenças cardíacas, diz estudo

Eles são geralmente comercializados como uma alternativa segura aos cigarros convencionais, mas um novo estudo sugere que os cigarros eletrônicos ainda podem causar sérios danos à saúde.

um homem segurando um cigarro eletrônico

Pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Nova York, em Nova York, descobriram que camundongos expostos ao vapor eletrônico do cigarros experimentaram danos no DNA dos pulmões, da bexiga e do coração, o que pode aumentar o risco de câncer e doenças cardíacas.

Esses danos também foram encontrados em células humanas cultivadas do pulmão e da bexiga que haviam sido expostas ao vapor de cigarros eletrônicos por um período equivalente a 10 anos.

O co-autor do estudo, Moon-shong Tang, do Departamento de Medicina Ambiental da Escola de Medicina da Universidade de Nova York, e seus colegas recentemente relataram suas descobertas no.

E-cigarros – também conhecidos como e-cigs – dispararam em popularidade nos últimos anos, particularmente entre adolescentes e jovens adultos. De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), mais de 2 milhões de estudantes do ensino fundamental e médio nos Estados Unidos relatam ter usado e-cigarros nos últimos 30 dias.

E-cigarros não são aprovados pela Food and Drug Administration (FDA) como uma ajuda para parar de fumar, depois que a Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos EUA concluiu que há “evidências insuficientes para recomendar a favor ou contra seu uso para deixar de fumar”.

No entanto, pesquisas descobriram que mais de 80% dos fumantes acreditam que os cigarros eletrônicos poderiam ajudá-los a parar, enquanto mais de 97% acreditam que os dispositivos movidos a bateria podem ajudar a reduzir o uso do tabaco convencional.

O debate sobre a segurança do cigarro eletrônico

Quando se trata de nossa saúde, o CDC acredita que os cigarros eletrônicos não são tão prejudiciais quanto os convencionais. Ainda assim, como os cigarros eletrônicos são relativamente novos para o mercado, ainda não se sabe ao certo o quanto eles são prejudiciais.

Dito isso, estamos aprendendo cada vez mais sobre os perigos potenciais do uso de cigarros eletrônicos, ou “vaping”.

Em 2017, relatou um estudo que ligou os aromas no líquido do cigarro eletrônico à função do músculo cardíaco prejudicada. Um relatório mais recente afirma que há “evidências substanciais” de que o uso de cigarros eletrônicos aumenta a frequência cardíaca e que algumas substâncias químicas no vapor podem prejudicar o DNA.

O estudo de Tang e da equipe fornece mais evidências dos danos causados ​​pelos cigarros eletrônicos, depois de descobrir que a exposição ao vapor de cigarros eletrônicos pode danificar o DNA de uma forma que poderia causar câncer e doenças cardíacas.

E-cigarro de vapor causou danos no DNA

Os pesquisadores chegaram às suas descobertas expondo 10 ratos machos ao vapor de e-cigarette – contendo 10 miligramas de nicotina, o que é comparável ao que os humanos inalam – por 3 horas por dia, 5 dias por semana, por 12 semanas.

Quando comparados com um grupo controle de camundongos que inalaram ar filtrado, eles descobriram que os camundongos expostos ao vapor do e-cigarro apresentavam danos no DNA do coração, dos pulmões e da bexiga.

Além disso, os cientistas descobriram que a exposição ao vapor do cigarro interrompeu os processos de reparo do DNA no tecido pulmonar de camundongos. Eles encontraram os mesmos resultados ao testar a exposição a longo prazo ao vapor de cigarros eletrônicos em células humanas do pulmão e da bexiga.

Em conclusão às suas descobertas, Tang e seus colegas escrevem:

“Com base nesses resultados, propomos que o ECS [fumaça de cigarro eletrônico] é carcinogênico e que os fumantes de e-cig têm um risco maior do que os não fumantes de desenvolver câncer de pulmão e bexiga e doenças cardíacas”.

Os críticos da pesquisa, no entanto, afirmam que este estudo não prova que os cigarros eletrônicos são prejudiciais à saúde.

Falando com, Peter Hajek – diretor da Unidade de Pesquisa sobre Dependência do Tabaco da Universidade Queen Mary de Londres, no Reino Unido – diz que o “estudo não mostra absolutamente nada sobre os perigos do vaping”.

Ele continua, dizendo: “Isso não mostra que o vaping provoca câncer. Este é um em uma longa linha de falsos alarmes que podem estar tirando as pessoas do fumo para o vaping, o que sem dúvida seria de grande benefício para elas”.

Parece que o júri está decidido sobre se o vaping pode ou não causar câncer e doenças cardíacas, mas uma coisa é clara: mais estudos são necessários para descobrir.

Like this post? Please share to your friends: