Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Drogas que reverteram a fibrose na esclerodermia se aproximam

Pesquisadores dizem ter descoberto um alvo promissor para novas drogas que poderiam reverter o processo de fibrose na esclerose sistêmica ou esclerodermia – uma doença rara que reduz a vida de muitos pacientes e para a qual não há cura ou tratamento efetivo.

Richard Neubig, professor e presidente do Departamento de Farmacologia e Toxicologia da Universidade Estadual de Michigan, e seus colegas descobriram uma via de sinalização genética que ativa a esclerodermia e mostrou que ela pode ser desativada em camundongos com a ajuda de uma pequena molécula.

Eles relatam seu estudo no.

A esclerodermia é uma doença auto-imune rara que ocorre quando o sistema imunológico produz tecido cicatricial em excesso – como se tentasse reparar os danos causados ​​ao tecido -, o que o torna mais espesso com colágeno (processo conhecido como fibrose).

Existem dois tipos de esclerodermia – esclerose localizada e sistêmica. No localizedscleroderma, a fibrose ocorre frequentemente na pele, que fica mais espessa e progressivamente menos flexível. A esclerose sistêmica ocorre com grau variável de fibrose cutânea, mas também se espalha para outros órgãos, causando o endurecimento do tecido nos pulmões, rins, intestino e coração.

As estimativas sugerem que cerca de 300.000 americanos têm esclerodermia, dos quais um terço tem a forma sistêmica.

Como muitos distúrbios auto-imunes complexos que começam na idade adulta, os modelos animais replicam algumas, mas não todas as características da doença, o que dificulta o estudo e explica a lentidão do progresso nesse campo.

O máximo que os pacientes podem esperar dos tratamentos atuais é uma redução na inflamação – não há tratamento ou cura eficazes.

Pesquisadores descobrem que a via de sinalização é o ‘interruptor principal’ para todos os esclerodermatrigadores

Mas este novo estudo poderia estar prestes a mudar tudo isso, como o Prof. Neubig, que co-liderou a pesquisa, explica:

“Esta pesquisa mostra que inibindo esta via de sinalização principal, podemos bloquear a fibrose – o espessamento do tecido que ocorre com a doença”.

Drogas que bloqueiam uma ou duas vias de sinalização conhecidas por causar a doença existem – a butlerleroderma pode ser desencadeada por qualquer uma das muitas vias, dizem os pesquisadores.

A diferença que este estudo faz é que os pesquisadores acreditam ter identificado a via de sinalização que lança o interruptor principal para todas as vias de sinalização.

A via de sinalização do núcleo é chamada de via de transcrição do gene MRTF / SRF, e os pesquisadores realizaram experimentos em cultura e camundongos para mostrar um novo inibidor de molécula pequena desta via pode mudar este interruptor principal e reverter o processo de fibrose.

Agora eles precisam traduzir esse sucesso no laboratório para mostrar que funciona em humanos.

O próximo passo é desenvolver compostos químicos que funcionem para os seres humanos

“Ao validar este interruptor central como um alvo viável de drogas, podemos agora continuar o nosso trabalho para melhorar os compostos químicos para que eles trabalhem com doses que são apropriadas para as pessoas. É definitivamente promissor”, diz o professor Neubig.

Ele acrescenta que a descoberta pode alterar significativamente a qualidade de vida dos pacientes com esclerodermia e prolongar significativamente a vida dos pacientes sistêmicos.

Os fundos para o estudo vieram de uma família de Michigan – Jon e Lisa Rye – que experimentaram em primeira mão a esclerodermia e seus efeitos. Os fundos adicionais vieram do Fundo de Cura Escleroderma, um site de financiamento coletivo criado pela família.

Em outubro de 2013, soube de outro desenvolvimento empolgante nesse campo, em que os pesquisadores impediram e reverteram a fibrose em camundongos com síndrome da pele rígida.

Like this post? Please share to your friends: