Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Drogas contra a malária podem ajudar a combater o câncer

A cloroquina e a hidroxicloroquina são drogas usadas no tratamento da malária, mas uma nova revisão sugere que elas podem ter outra finalidade: tratar o câncer.

células cancerígenas em divisão

A pesquisa – que revisou mais de 190 estudos que investigam como a cloroquina (CQ) e a hidroxicloroquina (HCQ) afetam as células cancerígenas – descreve como as drogas para malária podem aumentar a sensibilidade do tumor aos tratamentos contra o câncer existentes.

Com base em suas descobertas, a primeira autora do estudo, Ciska Verbaanderd, da Universidade de Leuven, na Bélgica, e seus colegas dizem que as drogas “merecem mais investigações clínicas em vários tipos de câncer”.

A revisão foi publicada recentemente na revista.

Embora os Estados Unidos tenham sofrido uma queda nas taxas de mortalidade por câncer nos últimos anos, a doença continua sendo um fardo significativo para a saúde pública. No ano passado, houve mais de 1,6 milhão de novos casos de câncer diagnosticados nos EUA e mais de 595.000 mortes por câncer.

Dado que o câncer está se tornando cada vez mais resistente às terapias existentes, há uma necessidade desesperada de descobrir novas formas de combater a doença.

Verbaanderd e seus colegas acreditam que as drogas CQ e HCQ poderiam ajudar nessa luta.

CQ e HCQ como terapias contra o câncer

CQ e HCQ são medicamentos usados ​​para prevenir e tratar a malária. Eles também podem ser usados ​​no tratamento de lúpus e artrite reumatóide. Uma grande quantidade de pesquisas, no entanto, sugeriu que essas drogas também podem ter propriedades anticancerígenas.

Para sua revisão, Verbaanderd e colaboradores analisaram os resultados de mais de 190 estudos em animais e humanos que avaliaram os efeitos de CQ e HCQ em diferentes tipos de câncer.

De acordo com os pesquisadores, o objetivo de sua revisão foi “informar mais pesquisas e ensaios sobre a reaproveitamento de CQ e HCQ como agentes anti-câncer”.

A equipe descobriu evidências para sugerir que CQ e HCQ podem ser eficazes para o tratamento de vários tipos de câncer, incluindo glioblastoma – que é um câncer cerebral mortal – câncer de pulmão e câncer de pâncreas.

“CQ e HCQ foram estudados em vários modelos pré-clínicos de câncer”, escrevem os autores, “e demonstraram atividade em várias vias de suporte do câncer e em combinação com uma ampla gama de outras terapias”.

“[…] A maioria desses estudos relatou uma eficácia terapêutica melhorada em comparação com a monoterapia com os medicamentos antineoplásicos existentes”, acrescentam.

A revisão também indica que ambas as drogas são “seguras e toleráveis” como uma terapia anti-câncer, embora a evidência atual sugira que o HCQ possa apresentar menos efeitos colaterais.

Como CQ e HCQ podem combater o câncer?

De acordo com a equipe, sua revisão destaca vários mecanismos pelos quais CQ e HCQ podem ajudar no tratamento do câncer.

Em primeiro lugar, há evidências que sugerem que as drogas podem inibir a autofagia, que é o processo pelo qual as células devoram seus próprios componentes danificados ou desnecessários.

“Propriedades autofágicas, como a reciclagem de nutrientes, podem apoiar a sobrevivência das células cancerígenas”, observam os autores. “Além disso, os principais reguladores do crescimento celular podem ser degradados e a resposta ao dano ao DNA pode ser suprimida através do aumento da autofagia.”

“Portanto, a inibição da autofagia pode ser uma estratégia anticancerígena interessante quando as células cancerígenas começam dependendo da autofagia para sobreviver”.

A revisão também revelou que CQ e HCQ podem bloquear a via de sinalização CXCL12 / CXCR4, que pesquisas anteriores associaram à progressão do câncer.

Além disso, há evidências de que a CQ pode estabilizar uma proteína chamada p53, que é um supressor de tumor conhecido, e também pode ajudar a normalizar a disfunção dos vasos sanguíneos nos tumores.

“Os benefícios da normalização dos vasos incluem uma diminuição na hipóxia do tumor, redução da intravasão e metástase de células cancerígenas e um aumento na resposta e administração de medicamentos quimioterapêuticos”, explicam os autores.

Drogas podem oferecer “benefício clínico significativo”

No geral, Verbaanderd e seus colegas acreditam que seu estudo destacou os benefícios potenciais de CQ e HCQ como um tratamento para o câncer, bem como os mecanismos por trás de suas propriedades anti-câncer.

“Os resultados da revisão nos levam a acreditar que essas drogas antimaláricas poderiam oferecer benefícios clínicos significativos para certos pacientes com câncer, especialmente em combinação com tratamentos padrão anti-câncer. Isso deve ser confirmado por resultados clínicos adicionais”.

Ciska Verbaanderd

A equipe observa que há 30 ensaios clínicos atualmente investigando os efeitos de CQ e HCQ contra vários tipos de câncer.

Com base em sua revisão, os pesquisadores concluem que esses ensaios devem se concentrar na eficácia desses medicamentos, bem como as melhores doses e métodos de administração.

Like this post? Please share to your friends: