Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Digestão: Como os alimentos são decompostos

Para sobreviver, precisamos tomar nutrientes dos alimentos que comemos. Isto é conseguido pela digestão, um processo complicado que ocorre em nosso intestino.

Embora os alimentos contenham todos os nutrientes de que precisamos para uma boa saúde, eles estão presos em compostos grandes e complexos. Para que possam ser usados ​​pelo corpo, eles devem primeiro ser divididos em partes menores pelo processo de digestão.

Neste artigo, explicamos como a comida é convertida nos blocos de construção da vida e, claro, cocô.

O que é digestão?

Diagrama do sistema digestivo

Em suma, a digestão envolve quebrar grandes moléculas de alimentos em moléculas solúveis em água que podem ser passadas para o sangue e transportadas para os órgãos do corpo.

Por exemplo, os carboidratos são decompostos em glicose, proteínas em aminoácidos e gorduras em ácidos graxos e glicerol.

O sistema digestivo envolve órgãos “ocos” e órgãos “sólidos”.

A comida viaja através dos órgãos ocos – boca, esôfago, estômago, intestino delgado, intestino grosso e ânus.

Os órgãos sólidos – pâncreas, fígado e vesícula biliar – adicionam vários produtos à mistura.

Além dos órgãos sólidos e ocos, os sistemas nervoso e circulatório também são importantes na digestão, assim como as bactérias que vivem no intestino.

A digestão é geralmente dividida em dois tipos:

  1. Digestão mecânica – a comida é fisicamente quebrada em partes menores. Por exemplo, mastigando.
  2. Digestão química – os alimentos são decompostos por ácidos e enzimas em suas unidades básicas.

A jornada da digestão

Nos seres humanos, o trato gastrointestinal (também chamado de canal alimentar) tem cerca de 8 metros de comprimento. Um escritor descreve-o como “o canal mais importante e menos adorável da Terra”. Abaixo, descrevemos a jornada de um bocado de comida:

A boca

A digestão começa antes mesmo de a comida entrar na boca. O cheiro, ou mesmo o pensamento de comida, inicia a produção de saliva pelas glândulas salivares. Uma vez que a comida esteja dentro da boca, ela é umedecida pela saliva, e os dentes e a língua iniciam o processo de digestão mecânica.

A saliva contém uma enzima chamada amilase salivar, que decompõe o amido. A saliva também contém muco que ajuda a facilitar a passagem de alimentos pelo sistema digestivo.

Uma vez que a mastigação (mastigação) e a digestão da amilase estejam completas, a comida terá se tornado uma pequena gota redonda, que é conhecida como bolus. Depois de engolir, o bolus entra no esôfago e é movido para o estômago através de um processo chamado peristaltismo.

Peristaltismo

Peristaltismo é a contração lenta dos músculos lisos ao redor dos tubos do sistema digestivo. Ondas lentas de contração correm ao longo do intestino, empurrando o bolus na direção certa – longe da boca e em direção ao ânus.

O estômago

O bolus entra no estômago através de uma válvula muscular no topo chamada esfíncter cardíaco. Este esfíncter controla a quantidade de comida que entra no estômago e quando.

O estômago contém suco gástrico, que contém principalmente:

  • Ácido clorídrico – um ácido que é forte o suficiente para dissolver lâminas de barbear.
  • Pepsina – uma enzima que decompõe as proteínas.

Ambas as substâncias químicas podem prejudicar o revestimento do estômago, produzindo uma camada viscosa para se proteger de danos.

No estômago, o peristaltismo continua, o que ajuda a misturar a comida com os sucos gástricos. Não muitos compostos são absorvidos no sangue do estômago; exceções incluem água, álcool e antiinflamatórios não esteroidais (AINEs).

Depois de 1 a 2 horas no estômago, a comida é uma pasta grossa, conhecida como quimo. Deixa o estômago através do esfíncter pilórico na parte inferior do estômago.

O intestino delgado

O duodeno é a primeira seção do intestino delgado. Aqui, o quimo se mistura com enzimas do pâncreas, bile do fígado e suco intestinal:

Bile – produzido pelo fígado, ajuda a quebrar as gorduras e é armazenado na vesícula biliar.

Suco pancreático – contém um coquetel de enzimas, incluindo tripsinogênio, elastase e amilase.

Suco intestinal – este fluido ativa algumas das enzimas do suco pancreático. Também contém outras enzimas, muco e hormônios.

A comida continua sua jornada através das partes remanescentes do intestino delgado – o jejuno e o íleo – sendo gradualmente digerida enquanto vai. Uma vez totalmente quebrado, é absorvido pelo sangue.

Nos seres humanos, a grande maioria dos nutrientes é absorvida no intestino delgado.

Pequenas projeções semelhantes a dedos chamadas vilosidades se destacam das paredes do duodeno e aumentam sua área de superfície. Villi maximiza a quantidade de nutrientes que podem ser absorvidos. A área da superfície é ainda aumentada pelas microvilosidades, que são projeções ainda menores que provêm das células do epitélio do intestino (revestimento).

O intestino grosso

Diagrama de intestinos

Também chamado de cólon e intestino grosso, o intestino grosso tem 1,5 metros (5 pés) de comprimento. Embora seja mais curto que o intestino delgado, é mais espesso em diâmetro.

No intestino grosso, a água e os minerais são absorvidos pelo sangue.

A comida viaja por essa região muito mais devagar para permitir a fermentação pelas bactérias intestinais.

O intestino grosso absorve qualquer produto produzido pela atividade bacteriana, como vitamina K, vitamina B12, tiamina e riboflavina.

O intestino grosso é dividido em seções:

O cólon ascendente – isso inclui o ceco (uma bolsa que se une ao íleo) e o apêndice (outra pequena bolsa. Sua função não é clara, mas pode desempenhar um papel na manutenção das bactérias do intestino).

O cólon transverso – essa seção curva o abdômen.

O cólon descendente – esta seção tem uma população densa de bactérias intestinais e é usada para armazenar fezes.

O cólon sigmóide (em forma de S) – tem paredes musculares que ajudam a empurrar as fezes para o reto.

O reto

Qualquer sobra de resíduos que o corpo não possa usar é movido para o reto e excretado pelo ânus durante a defecação. Isso pode ocorrer várias vezes em um único dia ou uma vez a cada poucos dias.

Os receptores de estiramento na parede do reto detectam quando a câmara está cheia e estimulam o desejo de defecar. Se a defecação é atrasada, as fezes podem ser transferidas de volta para o cólon, onde a água é absorvida de volta para o corpo. Se a defecação for adiada por um período prolongado, mais água é removida, as fezes tornam-se duras e o indivíduo pode ficar constipado.

Como os nutrientes são decompostos

Diferentes componentes da dieta são divididos de várias maneiras:

Proteína – digerida por três enzimas chamadas pepsina (no estômago), tripsina e quimotripsina (no duodeno, secretadas pelo pâncreas).

Lipase gordurosa começa a digestão de gordura na boca. No entanto, a maior parte da gordura é decomposta no intestino delgado pela lipase pancreática. Bile também ajuda no processo de quebrar as gorduras.

Carboidrato – a amilase salivar e pancreática decompõe os amidos em unidades individuais de glicose. A lactase quebra a lactose, o açúcar no leite. A sucrase decompõe a sacarose (açúcar de mesa ou açúcar de cana).

DNA e RNA – dividido por desoxirribonuclease (DNase) e ribonuclease (RNase) produzido pelo pâncreas.

Digestão não destrutiva

Ilustração do intestino

Certas moléculas essenciais e complexas seriam arruinadas se misturadas com sucos digestivos no estômago.

Por exemplo, a vitamina B12 é muito sensível ao ácido e, se foi decomposta em suas partes, não poderia cumprir seu papel no corpo.

Nestes casos, a digestão não destrutiva ocorre. Para a vitamina B12, uma substância química na saliva chamada haptocorrina se liga e protege a molécula.

No duodeno, o vínculo é dividido e B12 se liga ao fator intrínseco. Então, uma vez no íleo, receptores especiais levam as duas moléculas ligadas ao sangue.

Controle hormonal da digestão

A digestão é um processo complexo que requer diferentes órgãos para fazer movimentos no momento certo. Por exemplo, as enzimas certas precisam ser esguichadas no lugar certo, na hora certa e nas quantidades certas. Para ajudar a organizar este sistema, uma variedade de hormônios está envolvida, incluindo:

Gastrina – liberada no estômago, esse hormônio estimula a produção de ácido clorídrico e pepsinogênio (uma forma inativa de pepsina). A gastrina é produzida em resposta à chegada de alimentos no estômago. Os níveis de pH ácido reduzem os níveis de gastrina.

Secretina – estimula a secreção de bicarbonato para neutralizar o ácido no duodeno.

Colecistocinina (CCK) – também encontrada no duodeno, esse hormônio estimula o pâncreas a liberar enzimas e a vesícula biliar para liberar a bile.

Peptídeo inibitório gástrico – diminui a agitação do estômago e reduz a velocidade que o alimento esvazia do estômago. Também desencadeia a secreção de insulina.

Motilin – estimula a produção de pepsina e acelera o peristaltismo.

O que é cocô?

Dependendo do indivíduo e do tipo de comida que ingeriram, a digestão – da boca ao banheiro – leva de 24 a 72 horas.

Cocô ou fezes são restos de comida que não podem ser absorvidos pelo intestino delgado que foi apodrecido por bactérias no intestino grosso. Ele contém bactérias e algumas pequenas quantidades de resíduos metabólicos, como bile e bilirrubina (do colapso do sangue).

As fezes podem variar muito de cor (leia mais sobre o que as várias cores de fezes significam aqui) e podem ser consistências diferentes, de aguado a sólido.

Em poucas palavras

A digestão é tão complexa quanto importante. Transferir alimentos para componentes úteis envolve múltiplos órgãos e sistemas, uma variedade de produtos químicos e coordenação impressionante. A estrada do hambúrguer ao cocô é longa e sinuosa.

Like this post? Please share to your friends: