Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Diabetes tipo 2: Estudo explica ligação ao hormônio do sono melatonina

Pesquisadores descobriram que o aumento dos níveis do hormônio do sono melatonina reduz a capacidade das células produtoras de insulina de liberar insulina. Além disso, eles descobriram que o efeito é mais forte em pessoas que carregam uma variante genética particular que está ligada a um risco maior de diabetes tipo 2.

teste mostrando açúcar elevado no sangue

O estudo, liderado pela Universidade de Lund, na Suécia, é publicado na revista.

As descobertas marcam a culminação do trabalho que remonta a 2009, quando os pesquisadores de Lund mostraram que uma variante do gene que codifica a proteína conhecida como receptor de melatonina 1B (MTNR1B) aumenta o risco de diabetes tipo 2.

A melatonina é um hormônio que ajuda a manter nosso ciclo dia-noite, ou ritmo circadiano, regulando outros hormônios. A quantidade de melatonina no sangue varia ao longo do dia. É afetado pela luz e picos durante o período mais escuro, à noite.

A insulina é um hormônio que regula os níveis de açúcar no sangue. É produzido e liberado pelas células beta do pâncreas, em resposta a picos de açúcar no sangue, como durante a digestão.

No diabetes tipo 2, que é responsável por quase 90% do diabetes, o corpo não produz insulina suficiente, ou as células se tornam menos eficazes em responder a ela, o que aumenta a demanda das células beta para produzir mais. Ambos resultam em níveis aumentados de açúcar no sangue, o que acaba causando sérios danos aos órgãos.

No novo estudo, os pesquisadores trabalharam com células beta cultivadas em laboratório e ratos para mostrar que as células produtoras de insulina respondem ao aumento dos níveis de melatonina, reduzindo a quantidade de insulina que eles liberam. Estes sinais são transmitidos através das proteínas receptoras de melatonina MTNR1B nas suas superfícies celulares.

Os pesquisadores também mostraram que camundongos com receptores MTNR1B destruídos produziram mais insulina.

Redução de insulina melatonina mais forte em portadores de genes de risco

Finalmente, a equipe demonstrou que uma variante genética transportada por cerca de um terço da população aumenta a quantidade de proteína MTNR1B na superfície das células produtoras de insulina. Isso torna as células mais sensíveis aos efeitos da melatonina, o que resulta em menos insulina.

Para esta última parte do estudo, a equipe recrutou 23 portadores saudáveis ​​da variante do gene e 22 não-portadores saudáveis. Todos os participantes tinham mais ou menos a mesma idade, tinham o mesmo índice de massa corporal (IMC) e não apresentavam diferenças na história familiar de diabetes.

Durante 3 meses, os participantes tomaram 4 miligramas de melatonina antes de se deitarem à noite. Os pesquisadores compararam os níveis de açúcar no sangue e insulina no início e no final do período de tratamento.

Após 3 meses de tratamento com melatonina, todos os participantes apresentaram níveis mais elevados de açúcar no sangue. No entanto, estes foram especialmente maiores nos portadores do gene de risco, que também mostraram níveis mais baixos de secreção de insulina.

Os pesquisadores observam que as pessoas que trabalham durante a noite são mais propensas a doenças metabólicas, como diabetes tipo 2.

O pesquisador sênior Hindrik Mulder, professor especializado em metabolismo molecular no Centro de Diabetes de Lund, diz que suas descobertas podem explicar por que o risco de desenvolver diabetes tipo 2 é maior em pessoas que trabalham durante a noite ou que têm distúrbios do sono.

Ele também sugere que o efeito aparentemente mais forte da melatonina em pessoas que carregam o gene de risco poderia explicar por que eles também estão em risco aumentado de desenvolver diabetes tipo 2.

“É, portanto, talvez menos adequado para os portadores do gene de risco trabalhar nos turnos da noite para o dia, pois o nível de melatonina provavelmente aumentará ao mesmo tempo em que os efeitos do aumento aumentam. Ainda não há suporte científico para essa teoria, mas deveria ser estudado no futuro, com base em nossas novas descobertas “.

Prof. Hindrik Mulder

Os pesquisadores observam que o deles é um dos primeiros estudos desse tipo na pesquisa sobre diabetes tipo 2, em que os participantes foram recrutados com base em sua composição genética.

Saiba como os compostos de frutas podem ajudar a tratar o diabetes tipo 2.

Like this post? Please share to your friends: