Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Descoberta do câncer: abordagem inovadora pode ‘passar fome’ nos tumores até a morte

Os pesquisadores estão agora desenvolvendo um novo método para matar o câncer de forma mais eficaz. Sua estratégia “morre de fome” os tumores, privando-os do principal nutriente de que necessitam para crescer e se espalhar.

ilustração do conceito de médico no laboratório

A glutamina é um aminoácido que é abundantemente encontrado em nossos corpos, especialmente no sangue e no tecido ósseo. Seu principal papel é sustentar a síntese de proteínas nas células.

Infelizmente, porém, a glutamina também é um nutriente essencial para muitos tipos de tumores cancerígenos, que tendem a “consumir” mais deste aminoácido porque suas células se dividem mais rapidamente.

É por isso que a pesquisa tem investigado a possibilidade de bloquear o acesso das células cancerosas à glutamina como uma nova abordagem terapêutica no tratamento do câncer.

Charles Manning e vários outros pesquisadores do Vanderbilt Center for Molecular Probes da Vanderbilt University, em Nashville, Tennessee, conseguiram, em um movimento inovador, impedir o crescimento de um tumor cancerígeno.

Para isso, eles usaram um composto experimental chamado V-9302 para bloquear a absorção ou absorção de glutamina pelas células cancerígenas. As descobertas dos pesquisadores foram publicadas esta semana na revista

“Células cancerosas exibem demandas metabólicas únicas que as distinguem biologicamente de células saudáveis. A especificidade metabólica das células cancerígenas nos oferece ricas oportunidades para explorar a química, o radioquímica e a imagem molecular para descobrir novos diagnósticos de câncer, assim como terapias potenciais”.

Charles Manning

Novo composto inibe portador de glutamina

Os pesquisadores explicam que a glutamina é transportada através do corpo e “alimentada” para as células cancerígenas através do transportador de aminoácidos ASCT2, um tipo de proteína.

“Níveis elevados de ASCT2 têm sido associados à baixa sobrevida em muitos cânceres humanos, incluindo pulmão, mama e cólon”, observam os pesquisadores em sua introdução.

No entanto, estudos que conseguiram silenciar o gene que codifica o gene ASCT2 – SLC1A5 – conseguiram diminuir o crescimento de tumores cancerígenos.

Estimulados por esse conhecimento, Manning e seus colegas decidiram projetar um inibidor de ASCT2 especialmente forte, o composto V-9302. Os pesquisadores testaram o composto em células de câncer cultivadas em camundongos, bem como usando linhas de células de câncer desenvolvidas em laboratório, in vitro.

O inibidor do transportador de aminoácidos conseguiu diminuir o crescimento das células cancerígenas e prejudicar sua capacidade de se espalhar “aumentando” o estresse oxidativo das células cancerígenas, levando à sua eventual morte.

“Estes resultados não apenas ilustram a natureza promissora do composto principal V-9302, mas também apoiam o conceito de que antagonizar o metabolismo da glutamina no nível do transportador representa uma abordagem potencialmente viável na medicina de precisão no câncer”, concluem os pesquisadores em seu artigo.

Inovações em imagens de PET no horizonte

Ao mesmo tempo, os autores observam que, para tratar pacientes com tumores que dependem da glutamina para crescer e se espalhar, no futuro, “esta nova classe de inibidores exigirá biomarcadores validados”.

Isso significa que os pesquisadores precisarão desenvolver uma maneira de saber com que eficácia o inibidor está agindo na proteína, ou quão pouco da glutamina atinge as células cancerígenas eventualmente. Isso ocorre porque a produção de ACST2 e sua atividade provavelmente são diferentes para cada indivíduo.

Para resolver esse problema, Manning e sua equipe sugerem o uso de marcadores de tomografia por emissão de pósitrons (PET) que identificarão tumores cancerígenos detectando qualquer aumento na taxa de metabolismo da glutamina, que será maior em comparação com células normais saudáveis ​​no corpo.

O Centro Vanderbilt de Sondas Moleculares está hospedando cinco ensaios clínicos projetados para testar a eficácia do 18F-FSPG, um novo radiofármaco – ou seja, um medicamento radioativo usado em exames de PET – no rastreamento de vários tipos de câncer, incluindo pulmão, fígado, ovário e câncer de cólon.

Manning e equipe também estão realizando testes em 11C-Glutamine, um marcador metabólico para a glutamina. Além disso, os pesquisadores podem usar um marcador molecular para confirmar se o inibidor de proteína realmente atinge seu alvo.

“Não seria provocativo”, pergunta Manning, “se pudéssemos fazer um rastreador de imagens de PET com base em uma determinada droga que poderia nos ajudar a prever quais tumores irão acumular a droga e, portanto, ser clinicamente vulneráveis ​​a ela?”

“Esta é a essência da medicina de câncer de precisão” visualizada “”, ele se entusiasma.

Like this post? Please share to your friends: