Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Depressão versus tristeza: como distinguir a diferença

Milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de depressão em um momento ou outro em suas vidas.

A Associação de Ansiedade e Depressão da América (ADAA) observa que a depressão é uma das doenças de saúde mental mais comuns nos Estados Unidos.

A tristeza é parte integrante da depressão, mas não é a mesma coisa. É importante conhecer e compreender as diferenças, pois confundi-las pode levar a um tratamento inadequado.

O que é tristeza?

mulher infeliz com sacos de compras

A tristeza é uma emoção humana normal que todos experimentam em algum momento.

Uma série de eventos pode deixar as pessoas tristes ou infelizes, como a perda ou a ausência de um ente querido, o divórcio, a perda de emprego ou renda, problemas financeiros, problemas em casa ou ansiedade social.

Falhar em um exame, não conseguir um emprego ou outros eventos decepcionantes também pode causar tristeza.

No entanto, uma pessoa que está triste geralmente pode encontrar algum alívio de chorar, desabafar ou falar de frustrações. Isso ocorre porque é mais provável que a tristeza esteja vinculada a um gatilho específico.

A tristeza geralmente passa com o tempo. Se não passar, ou se a pessoa se tornar incapaz de funcionar normalmente, isso pode ser um sinal de depressão. Se os sintomas piorarem ou durarem mais de 2 semanas, a pessoa deve falar com o seu médico.

O que é depressão?

A depressão é um transtorno mental que afeta todas as partes dos sentimentos e percepções de uma pessoa. Afeta comportamentos e atitudes e pode afetar pessoas de qualquer sexo ou idade.

Em 2015, cerca de 16,1 milhões de pessoas com 18 anos ou mais nos EUA haviam passado por pelo menos um episódio depressivo importante no último ano. Isso representou 6,7% de todos os adultos americanos.

Os sintomas incluem sentimentos de desânimo, tristeza, desespero, falta de motivação e perda de interesse em atividades que normalmente são agradáveis. Em casos graves, a pessoa pode pensar ou tentar suicídio.

A pessoa não pode mais sentir vontade de passar tempo com a família ou amigos. Eles podem parar de perseguir seus hobbies e se sentirem incapazes de ir ao trabalho ou à escola.

Os hábitos diários podem mudar inesperadamente e sem razão. Uma pessoa com depressão pode achar difícil continuar fazendo as coisas que normalmente gosta.

Se esses sentimentos de dúvida durarem mais de 2 semanas, um profissional de saúde pode diagnosticar a pessoa com transtorno depressivo maior (MDD).

Sinais e sintomas de MDD incluem:

  • Humor deprimido diário com sinais notáveis ​​de desesperança, tristeza e perda de interesse
  • Perda diária de interesse em atividades normais por um longo período de tempo
  • Perda de peso significativa ou ganho sem tentar – pode haver uma mudança de 5% no peso corporal
  • Insônia, insônia ou aumento da quantidade de sono que afeta os horários normais
  • Cansaço e baixa energia
  • Sentimentos de inutilidade, excesso ou culpa em uma base diária
  • Incapacidade de se concentrar ou tomar decisões
  • Pensamentos recorrentes de morte, pensamentos suicidas ou tentativas ou planos de suicídio

Uma pessoa que experimenta qualquer um desses cinco sintomas por mais de duas semanas é considerada um problema mais sério do que a tristeza.

Para um diagnóstico de TDM, o médico deve relacionar os sintomas apenas com depressão e não com outro diagnóstico médico, como abuso ou deficiência de substâncias.

Ao contrário da tristeza, a depressão pode deixar uma pessoa lutando para expressar seus sentimentos. Se a pessoa tenta liberar o estresse, os sentimentos dominadores e os pensamentos negativos podem impedi-los de se erguerem novamente.

Tratamento para depressão

um terapeuta toma notas com um paciente

Se uma pessoa tem sintomas de depressão por mais de duas semanas, deve procurar ajuda profissional.

Um médico pode ajudar a determinar o nível de ajuda necessário ao indivíduo.

Após o diagnóstico, os possíveis tratamentos incluem medicação, aconselhamento e terapia cognitivo-comportamental (TCC).

Medicamentos

Medicamentos incluem um tipo de antidepressivo conhecido como inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRSs). Estes trabalham aumentando os níveis de serotonina no cérebro. A serotonina é um mensageiro químico que ajuda a afetar o humor e o comportamento social. Exemplos de ISRS incluem citalopram, escitalopram, fluoxetina e sertralina.

De acordo com a Clínica Mayo, essas drogas podem aliviar os sintomas da depressão, embora tenham um risco de efeitos colaterais adversos.

Por exemplo, quando as pessoas usam antidepressivos pela primeira vez, existe o risco de que seus sintomas piorem antes de melhorar. Os membros da família devem monitorar o paciente de perto e procurar atendimento médico se estiverem preocupados.

A Food and Drug Administration (FDA) dos EUA expressou preocupação de que alguns SSRIs possam causar sérios efeitos colaterais em pessoas mais jovens e defeitos de nascimento se forem tomados durante a gravidez. Como resultado disso, as drogas carregam um aviso de caixa preta, que é um aviso importante no folheto que descreve os possíveis perigos das drogas.

Ao prescrever essas drogas, os médicos devem equilibrar cuidadosamente os prós e contras de uso.

Psicoterapia e Aconselhamento

A psicoterapia envolve conversar com um profissional treinado. Isso pode ajudar a descobrir os problemas subjacentes à condição.

Pode ser usado sozinho ou junto com antidepressivos. Um terapeuta pode ajudar a identificar áreas problemáticas, ensinar mecanismos de enfrentamento e educar um paciente sobre sua condição.

Uma pessoa com depressão grave pode ser admitida no hospital se estiver em perigo imediato ou se não puder cuidar de si mesma.

Ambulatório pode ajudar com cuidados de longa duração.

Like this post? Please share to your friends: