Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Depressão pós-parto: o que você precisa saber?

A depressão pós-parto ocorre logo após o parto. É um tipo de depressão clínica. Os sintomas incluem tristeza, mudanças nos padrões de sono e alimentação, baixa energia, ansiedade e irritabilidade.

A depressão pós-parto – ou pós-natal – (DPP) é um tipo de depressão que afeta algumas mulheres depois de ter um bebê.

Normalmente, desenvolve-se dentro de 4-6 semanas após o parto, mas às vezes pode levar vários meses para aparecer.

A causa exata não é clara, mas alguns fatores de risco foram associados a ela. Normalmente, não há razão clara. No entanto, não há absolutamente nenhuma ligação entre depressão pós-parto e não amar o bebê.

PPD é uma doença clínica e não uma fraqueza de caráter. Qualquer pessoa com sintomas deve consultar seu médico imediatamente.

O tratamento eficaz é possível com a ajuda de grupos de apoio e aconselhamento, e às vezes medicação.

O PPD também pode afetar os pais. Um estudo descobriu que cerca de 10% dos pais sofrem de depressão pós-parto ou pré-natal. As taxas mais altas são de 3 a 6 meses após o parto.

Sintomas

[Depressão pós-parto]

A depressão pós-parto pode afetar as mães de várias maneiras diferentes. Abaixo estão alguns sinais e sintomas comuns:

  • uma sensação de estar sobrecarregado
  • uma sensação de estar preso
  • um sentimento de que é impossível lidar
  • mau humor que dura mais de uma semana
  • uma sensação de ser rejeitado
  • chorando muito
  • sentindo culpado
  • irritabilidade frequente
  • dores de cabeça, dores de estômago, visão turva – sinais de tensão
  • falta de apetite
  • perda de libido
  • ataques de pânico
  • fadiga persistente
  • problemas de concentração ou foco nas coisas
  • motivação reduzida
  • problemas para dormir
  • a mãe não tem interesse em si mesma
  • um sentimento de inadequação
  • inexplicável falta de interesse no novo bebê
  • falta de vontade de encontrar ou manter contato com amigos

Depressão pós-parto não é o mesmo que baby blues, que afeta muitas mulheres por alguns dias após o parto. No entanto, se a capacidade da mulher de lidar com o seu dia-a-dia é significativamente prejudicada, é mais provável que ela tenha depressão pós-parto.

Uma proporção significativa de mães com depressão pós-parto não diz às pessoas como elas se sentem. Parceiros, familiares e amigos que são capazes de perceber os sinais de depressão pós-parto em um estágio inicial devem incentivá-los a obter ajuda médica o mais rápido possível.

Pensamentos assustadores – algumas mães com depressão pós-parto podem ter pensamentos sobre prejudicar seu filho. A mãe também pode pensar em acabar com sua vida ou se machucar. A mãe e / ou o bebê são muito raramente prejudicados; mas, tendo esses pensamentos é assustador e angustiante.

Causas

Especialistas acreditam que a depressão pós-parto é provavelmente o resultado de múltiplos fatores. No entanto, suas causas exatas ainda não são conhecidas.

A depressão é geralmente causada por eventos emocionais e estressantes ou por algum fator biológico que leva a um desequilíbrio de substâncias químicas cerebrais (neurotransmissores), ou ambos.

Os seguintes fatores podem contribuir para o PPD:

  • Depressão se desenvolve durante a gravidez.
  • Excessiva preocupação com o bebê e as responsabilidades de ser pai ou mãe.
  • Trabalho de parto e parto complicados ou difíceis.
  • Falta de apoio familiar.
  • Preocupações com relacionamentos.
  • Dificuldades financeiras.
  • Solidão, não ter amigos próximos e familiares por perto.
  • Uma história de problemas de saúde mental, como depressão ou uma depressão pós-parto anterior.
  • Conseqüências para a saúde após o parto, como incontinência urinária, anemia, alterações na pressão arterial e alterações no metabolismo.
  • Alterações hormonais – após o parto, os níveis de estrogênio e progesterona (hormônios) podem cair consideravelmente, assim como outros hormônios produzidos pela glândula tireóide.
  • Falta de sono após o nascimento.

As dificuldades de amamentar – novas mães com dificuldades de amamentar nas primeiras 2 semanas após o nascimento do bebê têm um risco maior de depressão pós-parto 2 meses depois, de acordo com um estudo realizado na Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill.

Uma pessoa com histórico familiar de depressão tem um risco maior de desenvolvê-la por conta própria. No entanto, ninguém sabe por que isso ocorre.

As mulheres que têm transtorno bipolar têm um risco maior de desenvolver depressão pós-parto em comparação com outras mães.

Diagnóstico

Um médico pode pedir ao paciente para preencher um questionário de rastreamento da depressão. O objetivo aqui é descartar baby blues.

O médico perguntará com frequência se o paciente se sentiu deprimido ou sem esperança durante o último mês; ou se eles tomam pouco ou nenhum prazer em atividades que normalmente os fazem felizes.

O médico também pode perguntar se o paciente tem:

  • problemas para dormir
  • problemas de tomada de decisões e de concentração
  • problemas de autoconfiança
  • mudanças no apetite – isso pode ser uma falta de apetite ou comer mais do que o habitual (comer conforto)
  • ansiedade
  • fadiga, indiferença, relutância em se envolver em qualquer atividade física
  • sentimentos de culpa
  • tornar-se autocrítico
  • pensamentos suicidas

Um paciente que responde “sim” a três das perguntas acima provavelmente tem depressão leve. Nos casos de depressão leve, a mãe ainda é capaz de realizar suas atividades normais. Quanto mais respostas “sim” houver, maior a gravidade da depressão.

Se a mãe responde “sim” à questão de prejudicar a si mesma ou ao bebê, ela é automaticamente considerada depressão grave.

Algumas mães sem companheiro ou parentes próximos para ajudar podem não querer responder a essas perguntas abertamente porque temem ser diagnosticadas com depressão pós-parto e receberão o bebê delas.

É muito improvável que isso aconteça. Um bebê só é levado em situações muito excepcionais.Mesmo em casos muito graves em que a mãe tem que ser hospitalizada em uma clínica de saúde mental, ela geralmente terá seu bebê ao lado dela.

Uma mãe com depressão moderada achará atividades normais difíceis de fazer – mas com a ajuda certa provavelmente irá lidar. Se ela tiver depressão grave, ela não poderá funcionar e precisará de ajuda extensiva de uma equipe dedicada de saúde mental.

O médico também pode solicitar alguns testes diagnósticos, como exames de sangue, para determinar se há algum problema hormonal, como aqueles causados ​​por uma hipoatividade da tireóide, ou anemia.

Tratamento

[Mulher pós-parto depressão com bebê na cadeira]

As mães que se perguntam se podem ter sintomas de depressão pós-parto devem entrar em contato com seu médico. Embora a recuperação possa, às vezes, levar vários meses e, em alguns casos, até mais, é tratável.

O passo mais importante da mãe no caminho para o tratamento e a recuperação é reconhecer o problema. O apoio de familiares, parceiros e amigos íntimos pode ter um grande impacto em uma recuperação mais rápida.

Especialistas dizem que é melhor para a mãe expressar como ela se sente para as pessoas em quem ela pode confiar, ao invés de engarrafar tudo por dentro. Existe o risco de que parceiros ou outros entes queridos se sintam excluídos, o que pode complicar as coisas.

Os grupos de autoajuda são benéficos porque a mãe não só terá acesso a dados úteis, como também conhecerá outras mães que compartilham problemas e sintomas semelhantes. Isso pode ajudá-la a se sentir menos isolada.

Drogas

Na depressão pós-parto moderada ou grave, o médico pode prescrever um antidepressivo. Isso ajuda a equilibrar as substâncias químicas no cérebro que afetam o humor.

Os antidepressivos podem ajudar com irritabilidade, desesperança, sensação de incapacidade de lidar, concentração e insônia. Esses medicamentos tendem a ter bons resultados e ajudam a mãe a lidar melhor com o bebê, mas podem levar algumas semanas para entrar em ação.

Os antidepressivos podem ser transmitidos aos bebês através do leite materno. Ninguém sabe quais são os riscos a longo prazo para o bebê. De acordo com alguns estudos pequenos, os ADTs (antidepressivos tricíclicos), como a imipramina e a nortriptilina, são provavelmente os mais seguros para tomar enquanto amamenta um bebê. Se a mãe tem um histórico de doença cardíaca, epilepsia ou depressão grave com pensamentos suicidas freqüentes, ela não deve ser prescrita para ADTs.

Aqueles que não podem tomar ADTs podem receber prescrição de ISRS (inibidor seletivo de recaptação de serotonina), como a paroxetina ou a sertralina. A quantidade de paroxetina ou sertralina que eventualmente entra no leite materno é mínima.

A mãe deve discutir as opções de alimentação com seu médico para que a escolha do tratamento correto, que pode incluir um antidepressivo, seja uma decisão de escolha informada.

Tranquilizantes podem ser prescritos em casos de psicose pós-natal, em que a mãe pode ter alucinações, pensamentos suicidas e comportamento irracional. No entanto, em tais casos, os medicamentos devem ser usados ​​por um curto período de tempo. Os efeitos colaterais incluem:

  • perda de equilíbrio
  • perda de memória
  • tontura
  • sonolência
  • confusão

Terapias de fala

Estudos descobriram que a TCC (terapia cognitivo-comportamental) pode ser bem-sucedida em casos moderados de DPP.

A terapia cognitiva também é eficaz para algumas pessoas – esse tipo de terapia baseia-se no princípio de que os pensamentos de uma pessoa podem desencadear a depressão. A paciente é mostrada (ensinada) como seus pensamentos podem ter um impacto prejudicial em seu estado mental. O objetivo é alterar os padrões de pensamento do paciente para que eles se tornem mais positivos. Para aqueles com depressão severa, onde a motivação é baixa, as terapias da fala sozinhas são muito menos eficazes. A maioria dos estudos concorda que os melhores resultados vêm de uma combinação de terapias da fala com medicação.

Terapia eletroconvulsiva

Se os sintomas da mãe forem muito graves e não responderem a outro tratamento, ela poderá se beneficiar da terapia eletroconvulsiva (ECT). No entanto, este é sempre um tratamento de último recurso – quando todas as outras opções, como medicamentos e terapias de fala, falharam.

A ECT é aplicada sob anestesia geral e com relaxantes musculares. A ECT é geralmente muito eficaz em casos de depressão muito grave; no entanto, os benefícios podem durar pouco.

Os efeitos colaterais incluem dores de cabeça e perda de memória (geralmente a curto prazo, mas nem sempre).

Tratar depressão pós-parto grave

Um paciente com depressão pós-parto grave pode ser encaminhado a uma equipe de especialistas, incluindo psiquiatras, psicólogos, terapeutas ocupacionais e enfermeiras especializadas. Se o (s) médico (s) sentir que a paciente está em risco de ferir a si mesma ou ao seu filho, ela pode ser hospitalizada em uma clínica de saúde mental.

Em alguns casos, o bebê pode ser cuidado pelo parceiro ou por um membro da família enquanto a mãe está sendo tratada.

Dicas de estilo de vida

Quanto mais um médico sabe durante ou antes de uma gravidez sobre a história médica e familiar do paciente, maiores são as chances de prevenir a depressão pós-parto.

De acordo com o Serviço Nacional de Saúde (Reino Unido), o seguinte pode ajudar:

Fique fisicamente apto – faça exercícios regulares. Muitas mulheres relataram benefícios do exercício. No entanto, um estudo publicado encontrou apenas um efeito moderado do exercício na redução dos sintomas de depressão pós-parto; embora alguma diferença tenha sido notada, não foi estatisticamente significativa.

Outras dicas:

  • Siga uma dieta saudável e equilibrada.
  • Descanse – obtenha pelo menos 7-8 horas de sono de boa qualidade a cada noite.
  • Manter os níveis de açúcar no sangue, comendo com freqüência.
  • Faça listas – seja organizado para evitar correria e ficar frustrado por não conseguir muito.
  • Seja aberto – converse com amigos próximos, parceiros e familiares sobre como você se sente e sobre o que está preocupado.
  • Entre em contato com grupos de ajuda locais.

Lembre-se que a depressão pós-parto afeta milhões de mulheres todos os anos. Não é sua culpa.

Estatisticas

Pesquisadores da Northwestern Medicine relataram no JAMA Psychiatry que a depressão pós-parto afeta aproximadamente 1 em cada 7 novas mães.

Em seu estudo, envolvendo mais de 10.000 mães, eles também descobriram que cerca de 22% deles estavam deprimidos quando foram acompanhados 12 meses após o parto.

A equipe também descobriu que:

  • Mais de 19% das mulheres que foram examinadas para depressão consideraram se machucar.
  • Uma proporção considerável de mães que haviam sido diagnosticadas com depressão pós-parto já havia tido outro tipo de depressão ou transtorno de ansiedade.

Um estudo canadense descobriu que a depressão pós-parto é muito mais comum em áreas urbanas. Eles descobriram um risco de 10 por cento de depressão pós-parto entre as mulheres que vivem em áreas urbanas, em comparação com um risco de 6 por cento para aqueles em áreas rurais.

Like this post? Please share to your friends: