Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Demência avanço? Jogo de treinamento cerebral ‘reduz significativamente o risco’

Um estudo recente foi saudado como um “avanço” na prevenção da demência, depois de descobrir que um exercício de treinamento cerebral pode reduzir o risco da doença em mais de um quarto.

um homem mais velho usando um laptop

O estudo – que acompanhou mais de 2.800 adultos mais velhos durante uma década – revela como a intervenção de treinamento cerebral conhecida como “treinamento de velocidade de processamento” reduziu o risco de demência dos participantes em 29%.

A intervenção foi desenvolvida pelo Dr. Karlene Ball, da Universidade do Alabama em Birmingham, e pelo Dr. Dan Roenker, da Western Kentucky University em Bowling Green, e os resultados do estudo foram publicados recentemente na revista.

A demência é um termo genérico para o declínio das funções cognitivas – como aprendizado, memória e raciocínio – que prejudica a capacidade de uma pessoa realizar tarefas cotidianas.

A forma mais comum de demência é a doença de Alzheimer, que responde por cerca de 60% a 80% de todos os casos.

Estima-se que a demência afeta cerca de 47 milhões de pessoas em todo o mundo. Até 2030, este número é projetado para subir para 75 milhões.

Uma grande quantidade de pesquisas indicou que as pessoas podem se proteger contra o declínio cognitivo e a demência através do treinamento cerebral.

Os cientistas agora sabem que o cérebro pode se adaptar à mudança em qualquer idade e que tais ajustes podem ser benéficos ou prejudiciais. Esse processo é conhecido como “neuroplasticidade”. O treinamento do cérebro visa fortalecer as conexões neurais de uma forma que mantém ou aumenta o funcionamento cognitivo.

Para investigar mais esta associação, os Drs. Ball, Roenker e colegas lançaram o Estudo Avançado de Treinamento Cognitivo em Idosos Vitais (ACTIVE), que é o maior estudo de treinamento cognitivo até hoje.

O estudo ACTIVE

Financiado em parte pelos Institutos Nacionais de Saúde (NIH), o estudo incluiu um total de 2.802 adultos dos Estados Unidos com uma idade média de 74 anos.

Os participantes foram randomizados para um dos três grupos de treinamento do cérebro ou para um grupo de controle, cujos membros não receberam treinamento cognitivo.

O primeiro grupo recebeu instruções sobre estratégias para ajudar a melhorar a memória, o segundo recebeu instruções sobre estratégias para melhorar as habilidades de raciocínio e o terceiro grupo recebeu treinamento individual sobre velocidade de processamento, desenvolvido pelos pesquisadores.

O treinamento de velocidade de processamento é uma tarefa que visa melhorar a atenção visual do usuário – ou seja, a velocidade e a precisão com que uma pessoa pode identificar e lembrar objetos na frente deles.

O treinamento de velocidade de processamento envolve um jogo de computador chamado “Decisão Dupla”, no qual o usuário é solicitado a identificar um objeto, como um carro, no centro de seu olhar, enquanto identifica um objeto em sua visão periférica, como como um sinal de estrada. À medida que o jogo avança, o usuário recebe menos tempo para identificar cada objeto, e os distratores são adicionados à tela para torná-lo mais desafiador.

Durante as primeiras 6 semanas do estudo, cada grupo de treinamento cerebral recebeu 10 sessões de treinamento, cada uma com duração de 60 a 75 minutos. Aos 11 e 35 meses, os subconjuntos de cada grupo de treinamento cerebral também receberam até quatro sessões de treinamento de “reforço”.

Todos os grupos de estudo foram submetidos a avaliações cognitivas e funcionais após as primeiras 6 semanas, assim como aos 1, 2, 3, 5 e 10 anos. A incidência de demência entre os sujeitos ao longo dos 10 anos de acompanhamento também foi avaliada.

Risco de demência reduzido em 29 por cento

Os pesquisadores descobriram que a incidência de demência foi maior entre o grupo controle, em 10,8 por cento.

Entre os participantes que completaram pelo menos 15 sessões de treinamento de memória e raciocínio, a incidência de demência foi de 9,7% e 10,1%, respectivamente.

Mas os indivíduos que completaram o treinamento de velocidade de processamento foram encontrados para ter uma incidência significativamente menor de demência, em 5,9 por cento.

A equipe calculou que o treinamento de velocidade de processamento resultou em um risco reduzido de demência de 29% em 10 anos e que cada sessão de treinamento adicional foi associada a um risco de demência 10% menor.

“Quando examinamos a dose-resposta”, observa Jerri Edwards, PhD, autor do estudo, da Universidade do Sul da Flórida, em Tampa, “descobrimos que aqueles que treinaram mais receberam mais benefícios de proteção”.

Os pesquisadores explicam que o treinamento em velocidade de processamento demonstrou benefícios significativos para a função cognitiva em 18 ensaios clínicos até o momento. Combinados com os resultados mais recentes, os pesquisadores estão confiantes de que essa forma de treinamento cerebral pode reduzir o risco de demência. A equipe diz:

“Nós mostramos que uma forma específica de treinamento cognitivo, velocidade de processamento, reduziu o risco de demência em adultos idosos com bom funcionamento inicial seguidos até 10 anos. Este é o primeiro relato de uma intervenção que reduz significativamente o risco de demência”.

Dito isto, os pesquisadores ressaltam que mais estudos são necessários para determinar por que o treinamento de velocidade de processamento é eficaz para o funcionamento cognitivo, enquanto outras formas de treinamento cerebral não são.

“Também precisamos investigar qual é a quantidade adequada de treinamento para obter os melhores resultados. O tempo de intervenção também é importante”, acrescenta Edwards.

“Dados existentes”, ele acrescenta, “indicam que o treinamento de velocidade é eficaz entre idosos com e sem comprometimento cognitivo leve, mas é importante entender que isso é preventivo para reduzir o risco de demência e não é um tratamento para a demência”.

“Nossa pesquisa contínua está examinando esta intervenção entre pessoas com doença de Parkinson, bem como outros tipos de intervenções cognitivas”, conclui Edwards.

Like this post? Please share to your friends: