Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Deficiência de serotonina como causa de depressão – é um mito?

Um novo estudo em ratos sugere que a deficiência de serotonina pode não desempenhar um papel tão influente na depressão como se pensava anteriormente.

cápsulas de drogas azuis e amarelas

Desde o final da década de 1980, uma teoria popular afirma que os níveis crescentes da molécula de sinalização serotonina são centrais no tratamento da depressão. Esta abordagem para o tratamento da depressão é tipificada pelo antidepressivo Prozac, que funciona aumentando os níveis de serotonina.

Quando o Prozac foi lançado nos anos 80, tornou-se um tratamento popular para a depressão muito rapidamente.

No entanto, alguns especialistas acreditam que a popularidade do Prozac não é mais eficaz do que medicamentos antidepressivos anteriores – como os tricíclicos, que bloqueiam a absorção de serotonina e norepinefrina no cérebro -, mas porque tem menos efeitos colaterais do que outros antidepressivos.

Por causa do uso generalizado do Prozac, a teoria de que baixos níveis de serotonina causam depressão também aumentou em popularidade.

Mas havia provas sólidas para apoiar essa teoria? Muitos especialistas pensam que não. Como pesquisador antidepressivo Alan Frazer, presidente do departamento de farmacologia do Centro de Ciências da Saúde da Universidade do Texas, em San Antonio, disse em um artigo de 2012 sobre a teoria da serotonina:

“Eu não acho que exista algum corpo convincente de dados que alguém já tenha descoberto que a depressão está associada de forma significativa à perda de serotonina”.

Na mesma peça, o Dr. Joseph Coyle, professor de neurociência na Harvard Medical School, em Boston, MA, é citado como tendo dito: “O desequilíbrio químico é uma espécie de pensamento do século passado. É muito mais complicado do que isso. É realmente um fora de moda”. jeito de pensar.”

Fatos rápidos sobre a serotonina e a depressão

  • Tricyclics foram os primeiros antidepressivos, testados no final dos anos 1950, e iniciou a teoria de que o desequilíbrio químico causou depressão
  • Na década de 1990, Pedro Delgado, presidente do departamento de psiquiatria da Universidade do Texas, conduziu um estudo que descobriu que seres humanos com esgotamento da serotonina não os deixavam deprimidos.
  • A depressão é considerada a principal causa de incapacidade do mundo. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que mais de 350 milhões de pessoas sofrem com isso.

Agora, estudos mostram que 60-70% dos pacientes deprimidos não respondem ao Prozac ou a medicamentos similares.

Portanto, os pesquisadores por trás do novo estudo – do John D. Dingell VA Medical Center e da Wayne State University School of Medicine, ambos em Detroit, MI – queriam ver qual papel, se algum, a serotonina desempenha na depressão.

A equipe desenvolveu camundongos que não tinham capacidade de produzir serotonina e usaram uma variedade de testes para investigar se os ratos apresentavam sintomas de depressão.

Os pesquisadores descobriram que os ratos mostraram maior compulsividade e agressividade, mas não apresentaram sintomas de depressão.

Além disso, quando colocado sob estresse, não houve diferença nos comportamentos entre os ratos que não tinham serotonina e um grupo controle de camundongos normais. Uma proporção similar de camundongos normais e camundongos com falta de serotonina respondeu terapeuticamente aos medicamentos antidepressivos.

Os pesquisadores concluíram que a serotonina pode não ser um fator dominante na depressão, com o risco de a condição ser compreendida em vez de uma série de fatores diferentes. Os resultados do estudo – que são publicados na revista – poderiam “alterar dramaticamente” o desenvolvimento de futuros antidepressivos, afirmam os pesquisadores.

Like this post? Please share to your friends: