Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Como vencer a psoríase em seu próprio jogo

Os cientistas agora derivaram um composto das próprias células do sistema imunológico do corpo e o usaram para tratar com sucesso a psoríase em camundongos. A maneira como o composto funciona com o sistema imunológico do corpo o torna um candidato em potencial para o tratamento de outros distúrbios auto-imunes, como a artrite reumatóide e a esclerose múltipla.

braço coçar sênior

A psoríase é uma doença autoimune na qual o sistema imunológico do corpo não reconhece seu próprio tecido e começa a atacá-lo.

Isso acelera o ciclo de crescimento das células da pele, o que faz com que elas se acumulem em excesso sobre a superfície da pele.

Nos Estados Unidos, cerca de 6,7 milhões de adultos têm essa condição, para a qual ainda não há cura.

Mas novas pesquisas oferecem esperança, como os cientistas da Escola de Medicina da Universidade de Washington em St. Louis, Missouri, revelam uma nova maneira de usar a imunidade do corpo para combater a psoríase.

Os pesquisadores – liderados por Maxim Artyomov, professor assistente de patologia e imunologia da universidade – descobriram que um composto bloqueia uma via inflamatória que está envolvida em muitos outros distúrbios autoimunes.

Os resultados foram publicados na revista.

Itaconate e o ‘lado escuro’ da IL-17

Em pesquisas anteriores, uma equipe liderada pelo mesmo Artyomov mostrou que as células imunes inflamatórias chamadas macrófagos produzem quantidades significativas de itaconatos quando detectam bactérias.

Eles também mostraram que, interessantemente, o itaconato tem um efeito antiinflamatório quando esses macrófagos são ativados.

Para iluminar os mecanismos por trás dessa observação, eles trataram macrófagos de ratos e humanos com itaconato de dimetila, que é uma versão do itaconato que facilita a permeação através da membrana das células.

Eles revelaram que o itaconato de dimetila inibe uma via inflamatória chamada IL-17. Este caminho é fundamental na capacidade do nosso corpo de combater patógenos, mas seu “lado negro” é que ele facilita a destruição autoimune em condições como a esclerose múltipla (MS), psoríase e artrite reumatóide.

Neste caso, especificamente, o novo composto inibiu as citocinas IL-17 diminuindo uma proteína chamada IkappaBzeta.

Estudos anteriores sugeriram que as variações genéticas de IkappaBzeta podem aumentar o risco de psoríase, portanto, os pesquisadores levantaram a hipótese de que a redução dessa proteína com itaconate traria psoríase.

Os poderes ocultos de uma pequena molécula

Para testar essa hipótese, os cientistas induziram sintomas semelhantes aos da psoríase nos ouvidos dos roedores. Eles então trataram os ratos com itaconato de dimetilo diariamente durante uma semana. Outro grupo de ratos recebeu apenas um placebo.

Após uma semana, os camundongos que receberam a intervenção tinham ouvidos normais e saudáveis, enquanto os ratos do placebo apresentaram sinais de agravamento da psoríase.

“Estamos aproveitando o poder antiinflamatório do próprio corpo e mostrando que ele pode ajudar em situações reais quando o seu próprio sistema imunológico está machucando você”, diz Artyomov.

Ele e seus colegas já começaram a examinar o efeito do itaconato em um modelo de camundongo com esclerose múltipla.

“Desde que associamos pela primeira vez a ativação celular inflamatória em 2016, tem nos surpreendido”, diz Artyomov. “Todos pensavam que, se produzido por células inflamatórias, deveria combater a infecção, mas não – é anti-inflamatório”.

“Agora sabemos que os compostos de itaconatos podem ajudar com doenças auto-imunes, especificamente na psoríase e potencialmente na esclerose múltipla. Esta pequena molécula está se tornando realmente poderosa.”

Maxim Artyomov

Like this post? Please share to your friends: