Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Como o sexo afeta seu cérebro?

Fazer sexo pode dar sabor a nossas noites e dias, com prazer e excitação, aliviando o estresse e a preocupação. E, claro, o sexo tem sido fundamental para garantir que a raça humana viva. Neste artigo, perguntamos: “Como o sexo afeta o que acontece no cérebro?”

casal fazendo sexo

As relações sexuais são conhecidas por impactar a maneira em que o resto do nosso corpo funciona.

Estudos recentes mostraram que isso pode afetar o quanto comemos e o funcionamento do coração.

Como temos relatado, o sexo tem sido citado como um método eficaz de queimar calorias, com os cientistas observando que o apetite é reduzido no rescaldo.

Além disso, um estudo publicado em 2016 descobriu que as mulheres que têm sexo satisfatório mais tarde na vida podem estar melhor protegidas contra o risco de pressão alta.

Muitos dos efeitos do sexo no corpo estão de fato ligados ao modo como esse passatempo influencia a atividade cerebral e a liberação de hormônios no sistema nervoso central.

Aqui, explicamos o que acontece no cérebro quando somos sexualmente estimulados e observamos como essa atividade pode levar a mudanças no humor, no metabolismo e na percepção da dor.

Atividade cerebral e estimulação sexual

Tanto para homens quanto para mulheres, a estimulação e a satisfação sexual demonstraram aumentar a atividade das redes cerebrais relacionadas à dor e aos estados emocionais, bem como ao sistema de recompensa.

Isso levou alguns pesquisadores a comparar o sexo com outros estimulantes, dos quais esperamos um instante “alto”, como drogas e álcool.

Estimulação cerebral e peniana

Um estudo de 2005 realizado por pesquisadores do Centro Médico da Universidade de Groningen, na Holanda, usou tomografia por emissão de pósitrons para monitorar o fluxo sanguíneo cerebral de participantes do sexo masculino, enquanto seus genitais estavam sendo estimulados por suas parceiras.

Os exames demonstraram que a estimulação do pênis ereto aumentava o fluxo sanguíneo na ínsula posterior e no córtex somatossensorial secundário no hemisfério direito do cérebro, enquanto diminuía na amígdala direita.

A ínsula é uma parte do cérebro que foi ligada ao processamento de emoções, bem como a sensações de dor e calor. Similarmente, pensa-se que o córtex somatossensorial secundário desempenha um papel importante na codificação de sensações de dor.

Quanto à amígdala, sabe-se que está envolvida na regulação das emoções, e as desregulações de sua atividade estão ligadas ao desenvolvimento de transtornos de ansiedade.

Um estudo mais antigo da mesma universidade – que se concentrou em regiões do cérebro que foram ativadas no momento da ejaculação – descobriu que houve um aumento no fluxo sanguíneo para o cerebelo, que também desempenha um papel fundamental no processamento de emoções.

Os pesquisadores compararam a ativação do cerebelo durante a ejaculação à correria de prazer causada por outras atividades que estimulam o sistema de recompensa do cérebro.

“Nossos resultados correspondem a relatos de ativação do cerebelo durante a corrida da heroína, excitação sexual, ouvir música prazerosa e recompensa monetária”.

O cérebro e o orgasmo feminino

Em um estudo sobre o orgasmo feminino que foi realizado no ano passado, cientistas da Universidade Rutgers, em Newark, NJ, monitoraram a atividade cerebral de 10 mulheres participantes à medida que elas atingiam o pico de seu prazer – seja por autoestimulação ou por serem estimuladas parceiros.

As regiões que foram “significativamente ativadas” durante o orgasmo, segundo a equipe, incluíam parte do córtex pré-frontal, o córtex orbitofrontal, a ínsula, o giro cingulado e o cerebelo.

Essas regiões cerebrais estão variadamente envolvidas no processamento de emoções e sensações de dor, bem como na regulação de alguns processos metabólicos e tomada de decisão.

Outro estudo anteriormente abordado sugere que a estimulação rítmica e prazerosa associada ao orgasmo coloca o cérebro em estado de transe. O autor do estudo Adam Safron compara o efeito dos orgasmos femininos no cérebro àqueles induzidos por dançar ou ouvir música.

“A música e a dança podem ser as únicas coisas que se aproximam da interação sexual em seu poder de introduzir ritmos neurais e produzir absorção e transe sensorial”, escreve ele.

“Isto é,” acrescenta, “as razões pelas quais desfrutamos experiências sexuais podem se sobrepor fortemente às razões pelas quais desfrutamos experiência musical, tanto em termos de entranhamento próximo (isto é, de estímulo neural e indução de estados semelhantes ao transe) quanto de supremacia (ie escolha de parceiros e ligação) níveis de causalidade “.

Sexo e atividade hormonal

Então, o que isso tudo significa? Em essência, isso significa que o sexo pode afetar nosso humor – normalmente para melhor, mas às vezes para o pior.

casal se beijando na cama

Ter sexo foi repetidamente associado a um melhor humor e relaxamento psicológico e fisiológico.

A razão por trás disso é que podemos sentir que o estresse nos afeta menos depois de uma sessão entre as folhas é devido a uma região do cérebro chamada hipotálamo.

O hipotálamo determina a liberação de um hormônio chamado ocitocina.

Níveis mais altos de ocitocina podem nos fazer sentir mais relaxados, já que estudos observaram que ela pode compensar os efeitos do cortisol, o hormônio ligado a um aumento do estresse.

A ocitocina não apenas nos torna mais calmos, mas também diminui nossa sensação de dor. Um estudo de 2013 descobriu que este hormônio poderia aliviar dores de cabeça em indivíduos que vivem com eles como uma condição crônica.

Outro estudo de 2013 sugeriu que um conjunto diferente de hormônios liberados durante a relação sexual – denominados endorfinas – também pode aliviar a dor associada à cefaleia em salvas.

O sexo também pode nos deixar pra baixo?

A resposta para isso, infelizmente, é “sim”. Enquanto o sexo é geralmente aclamado como um ótimo remédio natural para o blues, um pequeno segmento da população realmente relata um instante para baixo, em vez de um instante, depois de se engajar nessa atividade.

Essa condição é conhecida como “disforia pós-coital” e suas causas permanecem em grande parte desconhecidas. Um estudo realizado em 2010 entrevistou 222 universitárias para entender melhor seus efeitos.

Destes participantes, 32,9 por cento disseram que tinham experimentado humor negativo após o sexo.

A equipe observou que uma prevalência vitalícia dessa condição poderia estar relacionada a eventos traumáticos ocorridos no passado. Na maioria dos casos, no entanto, suas causas permanecem incertas e uma predisposição biológica não pode ser eliminada.

“Isso chama a atenção para a natureza única da [disforia pós-coital], onde a melancolia é limitada apenas ao período após a relação sexual e o indivíduo não consegue explicar por que a disforia ocorre”, escrevem os autores.

Sexo pode levar a melhor sono

Estudos mostraram que a relação sexual também pode melhorar o sono. Depois de um orgasmo, o corpo também libera níveis mais altos de um hormônio chamado prolactina, que é conhecido por desempenhar um papel fundamental no sono.

Pesquisadores da Universidade Central de Queensland, na Austrália, também criaram a hipótese de que a liberação de ocitocina durante o sexo pode agir como um sedativo, levando a uma melhor noite de sono.

No caso dos homens, constatou-se que a ejaculação reduz a atividade no córtex pré-frontal, que é uma região do cérebro que se beneficia particularmente de uma boa noite de sono.

No sono, o córtex pré-frontal exibe a atividade de ondas cerebrais mais lenta em comparação com outras regiões do cérebro, o que suporta a execução adequada de funções cognitivas durante o dia.

Pesquisadores dizem que o sexo pode levar a um melhor funcionamento cognitivo na velhice, protegendo as pessoas da perda de memória e outras deficiências cognitivas. Estudos mostraram que “homens mais velhos que são sexualmente […] ativos têm níveis aumentados de função cognitiva geral”.

Para as mulheres, ser sexualmente ativo mais tarde parece sustentar especificamente a lembrança da memória. Esses efeitos podem ser devidos à ação de hormônios como a testosterona e a ocitocina, que são influenciados pela relação sexual.

Então, da próxima vez que você estiver prestes a escorregar entre os lençóis com aquela pessoa especial, saiba que esse momento de paixão irá desencadear todo um show de fogos de artifício neurais, lançando um coquetel hormonal especial que, na melhor das hipóteses, cobrará todo um conjunto de baterias biológicas.

Like this post? Please share to your friends: