Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Como a maconha causa perda de memória

Os pesquisadores há muito sugerem que a maconha pode causar perda de memória. Agora, um novo estudo fornece uma visão sobre esta associação, revelando como os canabinóides na droga ativam os receptores nas mitocôndrias do centro de memória do cérebro para causar amnésia.

[Ilustração do cérebro humano com um pedaço de quebra-cabeça faltando]

A líder do estudo, a Dra. Giovanni Marsicano, da Universidade de Bordeaux, na França, acredita que suas descobertas – publicadas na revista – podem levar ao desenvolvimento de novas terapias voltadas aos receptores canabinóides, sem o efeito colateral da perda de memória.

Os canabinoides são substâncias químicas presentes na maconha, assim como formas sintéticas da droga.

De acordo com o Instituto Nacional sobre Abuso de Drogas (NIDA), existem mais de 100 canabinóides na maconha, incluindo o principal composto psicoativo delta-9-tetrahidrocanabinol (THC).

Esses canabinóides são similares em estrutura aos canabinóides que ocorrem naturalmente no organismo, como a anandamida. Os canabinóides que ocorrem naturalmente funcionam como neurotransmissores; eles enviam sinais entre as células nervosas, ou neurônios, afetando várias regiões do cérebro, incluindo os responsáveis ​​pela emoção, movimento, coordenação, percepção sensorial, memória e pensamento.

Como o THC e outros canabinóides presentes na maconha e nas formas sintéticas são similares aos canabinóides que ocorrem naturalmente, eles são capazes de se ligar aos receptores canabinóides situados nos neurônios e ativar certas regiões cerebrais.

Como resultado, os canabinóides podem alterar o funcionamento normal do cérebro, causando vários efeitos mentais e físicos negativos. Um desses efeitos pode ser a perda de memória; Pesquisadores mostraram que o THC pode afetar a função do hipocampo – a região do cérebro responsável pela formação de memórias.

No novo estudo, o Dr. Marsicano e equipe exploraram ainda mais a relação entre canabinóides e perda de memória.

Receptores CB1 canabinóides nas mitocôndrias regulam os processos de memória

Nos últimos anos, os pesquisadores descobriram que um receptor canabinóide chamado CB1 está localizado nas mitocôndrias das células nervosas. As mitocôndrias são chamadas de “usinas de força” das células, pois convertem o açúcar, a gordura e as proteínas que obtemos dos alimentos em energia que as células precisam para funcionar.

Para seu estudo, o Dr. Marsicano e colegas usaram uma variedade de métodos inovadores para descobrir que existem receptores CB1 dentro das mitocôndrias dos neurônios do hipocampo, e os canabinóides os ativam para causar perda de memória.

Em uma investigação mais aprofundada, os pesquisadores descobriram que a perda de memória desencadeada pelos canabinóides se deve à ativação direta dos receptores CB1 nas mitocôndrias, o que altera a atividade mitocondrial. A ativação do CB1 bloqueia a cascata de sinalização dos canabinóides nas mitocôndrias e também reduz a respiração celular – um processo que permite a conversão de nutrientes em energia.

Em termos simples, o estudo mostra que os receptores canabinóides CB1 nas mitocôndrias controlam os processos de memória, ajustando o metabolismo energético das mitocôndrias.

Confirmando suas descobertas, a equipe descobriu que a eliminação genética do receptor CB1 das mitocôndrias no hipocampo previne a perda de memória. Também reduz o movimento das mitocôndrias e a inibição da sinalização neuronal causada pelos canabinóides.

‘Intervenção seletiva’ nos receptores CB1 pode levar a novas terapias

Os canabinóides demonstraram benefícios potenciais para uma série de condições de saúde, incluindo dor, náuseas e vômitos e distúrbios neurológicos. No entanto, os pesquisadores observam que o uso de canabinóides terapêuticos tem sido dificultado pelos efeitos colaterais que eles apresentam, como a perda de memória.

O Dr. Marsicano e sua equipe acreditam que suas descobertas poderiam impulsionar o desenvolvimento de novas terapias mais seguras que visem os receptores canabinóides.

“[…] uma intervenção seletiva em receptores canabinóides CB1 específicos localizados no cérebro em certos compartimentos específicos de neurônios poderia ser de interesse com vista ao desenvolvimento de novas ferramentas terapêuticas baseadas nos canabinóides mais eficazes e seguros no tratamento de certas doenças cerebrais “

Co-autor do estudo Dr. Pedro Grandes, Universidade do País Basco, Espanha

Leia sobre um estudo que descobriu a imagem mais clara até o momento do receptor CB1.

Like this post? Please share to your friends: