Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Como a estévia pode ajudar a controlar o açúcar no sangue

Um número crescente de pessoas está optando por alternativas mais saudáveis ​​para o açúcar, e a estévia tornou-se uma escolha popular, particularmente entre pessoas com diabetes. Estudos têm sugerido que o adoçante natural, sem calorias, pode ajudar a controlar os níveis de açúcar no sangue, embora exatamente como isso possa ser alcançado – até agora.

[Folha de estévia e uma colher de chá de stevia]

Pesquisadores do Reino Unido e da Bélgica descobriram que a estévia ativa uma proteína chamada TRPM5, que está associada à percepção do paladar. Esta proteína também desempenha um papel na liberação do hormônio insulina depois de comer.

O coautor do estudo, Koenraad Philippaert, do Departamento de Medicina Celular e Molecular de KU Leuven, na Bélgica, e seus colegas dizem que suas descobertas podem abrir as portas para novos tratamentos para o diabetes tipo 2.

Os pesquisadores relataram recentemente seus resultados na revista.

A estévia é um adoçante derivado das folhas da planta – comumente conhecida como folha-doce – que é nativa da América do Sul.

A estévia é cerca de 200 a 400 vezes mais doce que o açúcar de mesa, e é frequentemente usada como um substituto do açúcar na dieta de refrigerantes, doces, iogurtes, sobremesas e outros alimentos e bebidas.

Stevia alveja proteína responsável pelo gosto doce, secreção de insulina

O adoçante à base de plantas é geralmente considerado seguro para pessoas com diabetes com moderação, e pesquisas anteriores indicaram que a estévia pode até mesmo ajudar a controlar os níveis de açúcar no sangue.

Os mecanismos subjacentes ao efeito positivo da estévia nos níveis de açúcar no sangue, no entanto, não foram bem compreendidos. O novo estudo de Philippaert e seus colegas teve como objetivo lançar alguma luz.

Em experimentos envolvendo culturas de células, os pesquisadores descobriram que a estévia ativa o TRPM5, que é uma proteína importante para a percepção dos sabores doce, amargo e umami.

“A sensação de gosto fica ainda mais forte com o esteviol, um componente de estévia, que estimula o TRPM5. Isso explica o sabor extremamente doce da estévia e seu sabor amargo”, observa Philippaert.

Além disso, o TRPM5 induz as células beta do pâncreas a liberar insulina após a ingestão de alimentos. Isso ajuda a regular os níveis de açúcar no sangue e previne o desenvolvimento de diabetes tipo 2.

Diabetes tipo 2 é uma condição em que o pâncreas não produz insulina suficiente, ou o corpo é incapaz de usar eficazmente o hormônio. Uma dieta não saudável é uma causa comum de diabetes tipo 2.

A estévia não previne diabetes em camundongos sem TRPM5

Para confirmar o papel da estévia na estimulação do TRPM5, os pesquisadores realizaram experimentos em camundongos.

Os ratos foram alimentados com uma dieta rica em gordura durante um longo período, a fim de estimular o desenvolvimento de diabetes tipo 2.

No entanto, quando a dieta rica em gordura foi suplementada com uma dose diária de esteviosídeo – um componente ativo da estévia – os pesquisadores descobriram que os roedores não desenvolveram diabetes tipo 2. Este não foi o caso de ratos que não tinham a proteína TRPM5.

“Isso indica que a proteção contra níveis anormalmente altos de açúcar no sangue e diabetes é devida à estimulação do TRPM5 com componentes da estévia”, diz Rudi Vennekens, co-autor do estudo, também do Departamento de Medicina Celular e Molecular de KU Leuven.

Os pesquisadores dizem que suas descobertas podem levar a novas estratégias para tratar ou mesmo prevenir o diabetes tipo 2, apesar de alertarem que mais pesquisas são necessárias antes que isso se torne uma realidade.

“Esta é uma pesquisa fundamental, e ainda há um longo caminho a percorrer antes que possamos pensar em novos tratamentos para o diabetes”, diz Philippaert. “Por um lado, as dosagens que os ratos receberam são muito maiores do que a quantidade de esteviosídeo encontrada em bebidas e outros produtos para consumo humano”.

“Mais pesquisas são necessárias para mostrar se nossas descobertas se aplicam prontamente aos seres humanos. Tudo isso significa que novos tratamentos para diabetes não serão para um futuro próximo.”

Aprenda como comer frutas frescas pode ajudar a prevenir o diabetes.

Like this post? Please share to your friends: