Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Como a depressão a longo prazo altera o cérebro

A depressão tornou-se um problema de saúde mental comum. Para alguns, essa condição persiste por muitos anos, e os cientistas agora se esforçam para entender como isso pode afetar o cérebro e como os tratamentos devem ser ajustados para lidar com essas mudanças.

mulher deprimida

De acordo com dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), nos Estados Unidos, 8,1% das pessoas com mais de 20 anos têm depressão em um período de duas semanas.

Para algumas pessoas, a depressão pode ser apenas episódica e superada em questão de semanas ou meses.

No entanto, para outras pessoas diagnosticadas com depressão maior, a condição pode persistir por anos, afetando seu estilo de vida e qualidade de vida.

Olhando para os casos em que a depressão maior dura mais de uma década, pesquisadores do Centro de Dependência e Saúde Mental (CAMH) em Ontário, Canadá, queriam investigar se viver com essa condição por tanto tempo teria um impacto significativo no cérebro, e se sim, como.

O Dr. Jeff Meyer, do CAMH, liderou um estudo com foco nessa questão. Ele e sua equipe compararam os exames cerebrais de pessoas que viveram com depressão não tratada por 10 anos ou mais com aquelas de pessoas com um histórico mais curto de depressão.

Os resultados – publicados na semana passada, sugerem que os especialistas podem querer mudar sua abordagem para tratar a depressão de longo prazo à medida que ela progride para acompanhar seu crescente impacto neurológico.

Depressão pode ser progressiva

O Dr. Meyer e a equipe trabalharam com 80 pessoas com idades entre 18 e 75 anos. Destes, 25 viviam com depressão há mais de 10 anos, 25 tinham a condição há menos de uma década e 30 eram livres de depressão. Esta coorte final compôs o grupo de controle.

Em um estudo de 2015, Meyer e seus colegas viram que, durante episódios de depressão maior, o cérebro das pessoas exibia marcadores de inflamação.

Com base nesse conhecimento, no novo estudo, ele queria explorar se a inflamação do cérebro piorou ao longo do tempo em pessoas com depressão de longa duração.

Os cientistas determinaram a gravidade da neuroinflamação usando um tipo de tomografia cerebral conhecida como tomografia por emissão de pósitrons (PET). Isso permitiu monitorar a atividade da microglia, um tipo de célula encontrada no sistema nervoso central, que está associada à resposta inflamatória à lesão.

A microglia ativa produz proteína translocadora (TSPO), que é um importante marcador de inflamação.

Através dos exames PET, o Dr. Meyer e a equipe descobriram que a concentração de TSPO era de 29% a 33% maior nos cérebros de pessoas que viviam com depressão por mais de uma década.

Esses marcadores de inflamação foram vistos em três regiões do cérebro em particular: o córtex pré-frontal, o córtex cingulado anterior e a ínsula.

Consistente com as descobertas anteriores, os cérebros daqueles que viveram com depressão não tratada por períodos mais curtos de tempo ainda tinham concentrações mais altas de TSPO do que os cérebros de controles saudáveis.

Estudos mais focados são necessários

De acordo com os pesquisadores, esses resultados sugerem que a depressão de longo prazo deve ser tratada como um estágio diferente da mesma condição, pois pode exigir uma abordagem terapêutica diferente da depressão em suas fases iniciais.

Isso, eles acrescentam, é semelhante à estratégia aplicada no caso de doenças neurodegenerativas, que também são caracterizadas por inflamação cerebral elevada.

“Maior inflamação no cérebro é uma resposta comum com doenças cerebrais degenerativas à medida que progridem, como na doença de Alzheimer e na doença de Parkinson”, observa Meyer.

Se a depressão, embora não seja uma doença neurodegenerativa, é semelhante a essas condições – isto é, caracterizada por uma resposta inflamatória cada vez mais séria no cérebro – então pode ser adequado tratá-la com drogas antiinflamatórias, sugere o Dr. Meyer.

Portanto, ele argumenta que mais estudos devem investigar a possibilidade de redirecionamento de medicação como terapia para depressão.

Outra questão que deve ser respondida, conclui, é a melhor terapia para pessoas com depressão maior a longo prazo, já que essa população específica não costuma se beneficiar de estudos dedicados.

Like this post? Please share to your friends: