Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Como a audição funciona?

Orelhas são órgãos delicados e sensíveis. Eles detectam pequenas mudanças na pressão do ar produzidas por sons no ambiente e enviam as informações ao cérebro para processamento. O ouvido também é importante para manter o equilíbrio.

Nosso senso de audição é incrivelmente versátil – ele pode detectar o mais silencioso dos sons, ele pode determinar se um ruído veio de longe ou de perto, e pode escolher um som específico do ruído de fundo da vida.

Neste artigo, vamos explicar a anatomia do ouvido, como funciona a audição e falar sobre a perda auditiva.

Como nós ouvimos?

O ouvido pode ser dividido em três seções: o ouvido externo, médio e interno. Cada seção desempenha um papel distinto na audição.

Diagrama da anatomia do ouvido

Ouvido externo

Também chamado de pavilhão auricular, o ouvido externo é a parte visível. Seu principal trabalho é coletar tanto som da área circundante quanto possível.

Um som externo começa sua jornada aqui quando entra em uma passagem fina chamada canal auditivo.

Ouvido médio

O ouvido médio amplifica o som recebido. Ele faz isso com a ajuda do tímpano, que é uma membrana fina também conhecida como membrana timpânica.

O tímpano separa o ouvido externo do ouvido médio e ajuda a transmitir vibrações sonoras ao ouvido interno.

O som é amplificado por três pequenos ossos chamados ossículos. Os nomes dos ossículos são:

  • O martelo (ou martelo): está preso ao tímpano.
  • A bigorna (ou bigorna): Isso está ligado ao martelo.
  • O estribo (ou estribo): este, o menor osso do corpo, está preso à bigorna.

Quando as ondas sonoras atingem o tímpano, vibra. Essa vibração move os ossículos, transmitindo o som para o ouvido.

As trompas de Eustáquio são passagens finas, revestidas de muco, que ajudam a manter uma pressão estável no ouvido médio, de modo que as ondas sonoras são transmitidas corretamente. Esses tubos conectam o ouvido médio à parte posterior da garganta. Quando você “afasta” seus ouvidos, o som que você ouve é criado pelo ar sendo forçado a entrar nos tubos de Eustáquio.

Ouvido interno

Uma vez que o som foi amplificado pelos ossículos, a vibração entra na cóclea. Este é um pequeno tubo enrolado que se parece com uma concha de caracol e está localizado no ouvido interno. A cóclea está cheia de líquido. Tem uma membrana interna, chamada membrana basilar, que é coberta por células ciliadas. O som faz com que o fluido suba e desça, movendo as células capilares para cima e para baixo ao “andar na onda”.

Cada célula ciliada tem estereocílios – pequenas projeções semelhantes a pêlos – ao longo de seu topo. À medida que as células ciliadas se movem para cima e para baixo, os estereocílios batem nas estruturas acima e se inclinam. Isso abre canais iônicos, criando um sinal que é enviado ao cérebro.

Diferentes alturas – mais altas ou mais baixas – ativam os cabelos em diferentes partes da cóclea. De sua posição, o cérebro pode reunir informações sobre o tom do som.

As informações sobre o som são enviadas da cóclea ao longo do nervo auditivo ou coclear. Atinge a medula, que faz parte do tronco cerebral. O tronco cerebral é a parte do cérebro localizada mais próxima da parte de trás do pescoço.

O nervo auditivo também transporta informações do cérebro de volta à cóclea. As fibras desse nervo nos ajudam a suprimir sons que não nos interessam, permitindo que nos concentremos em apenas um som entre muitos. Por exemplo, quando conversamos em uma sala movimentada, isso nos ajuda a nos concentrar na voz de uma pessoa e a ignorar as outras.

Passo e intensidade

É útil saber o significado das palavras “pitch” e “intensidade”, porque elas são freqüentemente usadas em relação ao som.

Pitch – quão alto ou baixo é um som – também é referido como frequência e é medido em hertz (Hz). Quanto mais alto o Hz, mais agudo será o som.

Intensidade é outra palavra para intensidade e é medida em decibéis (dB).

O ouvido humano é comumente dito ouvir no intervalo de 20 a 20.000 Hz. No entanto, em condições laboratoriais perfeitas, algumas pessoas podem ouvir até 12 Hz e até 28.000 Hz. A capacidade auditiva varia significativamente de pessoa para pessoa. Ele tende a diminuir à medida que envelhecemos, especialmente para frequências mais altas.

A maioria dos sons que ouvimos no dia-a-dia estão na faixa de 250 a 6.000 Hz, mas nossos ouvidos estão mais sintonizados para ouvir sons em torno de 2.000 a 5.000 Hz.

Quanto à intensidade, os humanos podem detectar sons de 0 a 140 dB. Para dar aos números uma pequena perspectiva, um sussurro gira em torno de 25 a 30 dB e as conversas geralmente são de 45 a 60 dB. Uma motosserra é de cerca de 120 dB. O som de um jato decolando a 25 metros de distância é de cerca de 150 dB e faria com que os tímpanos se rompessem.

O papel da orelha no equilíbrio

Diagrama da orelha interna

O ouvido não é importante apenas para a audição – é vital para nosso senso de equilíbrio. Isso é chamado de nosso sistema vestibular.

Logo acima da cóclea, há três pequenos circuitos cheios de fluido chamados canais semicirculares. Um detecta o movimento para cima e para baixo, um detecta o movimento de um lado para o outro e o outro detecta a inclinação.

Os canais semicirculares contêm milhares de pêlos minúsculos e sensíveis. Quando movemos nossas cabeças, o fluido nos canais semicirculares também se move.

Conforme o fluido passa pelos cabelos, eles se curvam, transmitindo informações ao nosso cérebro sobre o tipo de movimento que está acontecendo.

O movimento deste fluido explica a tontura. Quando uma pessoa gira ao redor e pára de repente, o fluido continua se movendo por algum tempo, continuando a empurrar os cabelos. Porque os cabelos ainda estão enviando mensagens para o cérebro, o cérebro assume que a pessoa ainda está girando.

Os canais semicirculares e a cóclea são unidos pelo vestíbulo, que consiste de dois sacos, chamados utrículo e sáculo.Essas estruturas enviam as informações do cérebro sobre como a cabeça está se movendo em relação à gravidade e à aceleração. Por exemplo, o sáculo nos ajuda a detectar se estamos subindo ou descendo em um elevador e se estamos deitados ou de pé.

Perda de audição

Devido à complexidade delicada da anatomia do ouvido, a audição pode ser afetada por várias doenças, fatores de estilo de vida e lesões.

A perda auditiva é relativamente comum, afetando cerca de 2 ou 3 crianças em cada 1.000 nos Estados Unidos, assim como 15% dos adultos no país.

A perda auditiva pode ser dividida em dois tipos gerais:

Perda auditiva condutiva: É quando o som é impedido de atravessar o ouvido externo e médio. A perda auditiva condutiva pode ser causada por líquido no ouvido médio, infecção no ouvido, tumores benignos ou cera do ouvido. Este tipo de perda auditiva é frequentemente tratável.

Perda auditiva neurossensorial: É causada por danos no ouvido interno e é a forma mais comum de perda auditiva permanente. As causas incluem drogas que são tóxicas para a audição, chamadas drogas ototóxicas. O envelhecimento e algumas doenças genéticas também podem levar a esse tipo de perda.

Em alguns casos, um indivíduo terá danos no ouvido interno, bem como um problema de condução de som. Isso é chamado de perda auditiva mista. A perda auditiva também pode ser referida como bilateral, afetando ambas as orelhas, ou unilateral, afetando apenas uma orelha.

Abaixo estão alguns exemplos de maneiras pelas quais a perda auditiva pode ocorrer:

Concerto de heavy metal alto

Ruídos altos: A exposição a um único ruído incrivelmente alto, como uma explosão, pode reduzir a capacidade de audição de um indivíduo.

A exposição a ruídos razoavelmente altos durante um longo período pode reduzir a audição gradualmente. Isso pode acontecer, por exemplo, em pessoas que usam regularmente máquinas pesadas sem proteção auditiva.

Lesão: Algumas lesões, como lesões cerebrais traumáticas, podem causar perda auditiva. Essas lesões podem resultar em um buraco no tímpano ou danos no ouvido médio.

Tabagismo: O tabagismo tem sido associado a um aumento do risco de perda auditiva neurossensorial.

Otosclerose: Esta condição afeta os pequenos ossos do ouvido médio. O estribo funde-se lentamente com os outros ossículos, impedindo-os de se moverem.

Doença de Ménière: causa tontura, perda auditiva neurossensorial e zumbido nos ouvidos.

Neuroma acústico: Este tipo de tumor pode causar zumbido e dá a sensação de que o ouvido está cheio.

Colesteatoma: Este é um acúmulo anormal de células da pele no interior do ouvido. Embora raro, se não for tratado, pode danificar o ouvido interno.

Presbiacusia: descreve a perda auditiva que ocorre quando envelhecemos. Os sons podem parecer mais abafados e as conversas se tornam mais difíceis de seguir. É a causa mais comum de perda auditiva neurossensorial.

O que é cera de ouvido?

Também conhecido como cerume, a cera é secretada no canal auditivo. Ajuda a proteger a pele de secar e mantém o canal auditivo limpo.

A cera também oferece alguma proteção contra bactérias, insetos, fungos e água. Acredita-se que seja antibacteriano devido à sua ligeira acidez e à presença de lisozima, uma enzima que quebra as paredes das células bacterianas.

O maior componente de cera é derramado camadas de pele. Também contém pêlos e secreções de duas glândulas: as glândulas ceruminosas e sebáceas do canal auditivo. Outros componentes da cera são ácidos graxos, álcoois e colesterol.

Em poucas palavras

As orelhas são uma parte intricada e delicada do nosso sistema sensorial. Eles trabalham em harmonia com o cérebro para nos ajudar a entender o mundo do som ao nosso redor. Eles decodificam sons tão bem, na verdade, que muitos de nós dão o milagre de ouvir pouco pensamento.

Like this post? Please share to your friends: