Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Cirurgia de a-fib: tipos, riscos e o que esperar

A fibrilação atrial é uma condição médica grave, característica de um batimento cardíaco anormal. A resposta irregular é devida a impulsos elétricos erráticos nas câmaras superiores do coração.

A fibrilação atrial (A-fib) é uma irregularidade que pode resultar em sintomas, como palpitações no coração, dor no peito e tontura. No entanto, algumas pessoas podem não sentir nenhum sintoma.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) estimam que até 6,1 milhões de pessoas nos Estados Unidos podem ter A-fib. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), existem cerca de 33,5 milhões de pessoas vivendo com a A-fib em todo o mundo.

Existem diferentes opções de tratamento para o manejo da fibrofibra, incluindo mudanças no estilo de vida, medicamentos e outras opções não cirúrgicas. Embora esses tratamentos possam ajudar algumas pessoas, eles podem não funcionar para todos e não são uma cura. Os médicos podem considerar a cirurgia se os medicamentos de um paciente não estão funcionando e quando nada mais ajudou.

Como a A-fib é tratada?

Tratar A-fib envolve prevenir coágulos sanguíneos e diminuir o risco de derrame. Outros objetivos incluem o controle da frequência cardíaca, a restauração do ritmo cardíaco e o tratamento de distúrbios subjacentes.

mão arrancando um cigarro entre as pontas de uma bandeja de areia

As mudanças no estilo de vida são uma primeira abordagem de tratamento. As pessoas com A-fib devem parar de fumar, ficar ativas e permanecer ativas, perder peso e comer uma dieta saudável. Os pacientes também podem tomar medicamentos para prevenir coágulos sanguíneos, controlar a frequência cardíaca e restaurar o ritmo cardíaco.

O controle da frequência envolve o gerenciamento da taxa de contração por minuto dos ventrículos (duas grandes câmaras no coração que ajudam a bombear o sangue).

O coração precisa de um certo tempo para circular o sangue e, se for capaz de trabalhar em um ritmo regular, as pessoas experimentarão menos sintomas e se sentirão melhor. Restaurar o ritmo do coração permite bombear o sangue de forma eficaz por todo o corpo.

Quando os medicamentos não estão ajudando a restabelecer os ritmos e ritmos cardíacos normais, o próximo passo é a cardioversão elétrica.

A cardioversão elétrica envolve dar a uma pessoa um choque elétrico fora de sua parede torácica enquanto ela está sob anestesia em baixas doses. Como a desfibrilação, a cardioversão elétrica é projetada para redefinir o ritmo cardíaco. A única diferença é que níveis mais baixos de eletricidade são usados ​​em cardioversão elétrica do que na desfibrilação.

Se esse procedimento é bem-sucedido ou não, depende do que está causando os sintomas da fibofite A e por quanto tempo a pessoa os está tendo. A maioria das pessoas recupera o ritmo cardíaco de imediato, mas a cardioversão não é uma cura.

Se os sintomas de fib-fib retornarem, outra cardioversão será realizada. Quando a cardioversão é combinada com medicamentos, o ritmo cardíaco pode permanecer normal por mais tempo, o que pode levar até um ano ou mais.

Os riscos da cardioversão incluem queimaduras na pele, acúmulo de fluido nos pulmões e um aumento do risco de ataque cardíaco ou derrame. No entanto, as taxas de sucesso para retornar o coração a um ritmo normal durante o procedimento ou pouco depois são superiores a 90%. O potencial para o sucesso pode superar os riscos, mas as pessoas ainda devem discutir todo e qualquer risco com seus médicos.

Um médico pode recomendar cirurgia para tratar a fibroblasina quando as mudanças de estilo de vida, medicação e cardioversão não estão ajudando. As opções cirúrgicas incluem a ablação por cateter, a cirurgia de labirinto ou a inserção de um marcapasso.

Ablação por cateter

Ablação por cateter

A ablação por cateter é uma opção para as pessoas cujas medicações não são mais eficazes e para aqueles para quem a cardioversão elétrica não funcionou ou não era uma opção. Antes do procedimento, o médico fará o mapeamento elétrico, que mostra quais áreas do coração estão causando complicações em seu ritmo.

O procedimento atual envolve inserir um tubo fino e flexível, chamado cateter, nos vasos sanguíneos e guiá-lo para o coração. O objetivo da ablação por cateter é destruir os tecidos defeituosos que estão enviando sinais irregulares e causando o ritmo cardíaco irregular.

Ele faz isso de uma das três maneiras possíveis:

  • frequência de rádio
  • laser
  • congelando

Uma vez que os tecidos defeituosos tenham sido destruídos, áreas com cicatrizes serão deixadas para trás. Este tecido cicatricial não enviará mais sinais irregulares e o coração retornará ao seu ritmo normal. Em alguns casos, no entanto, A-fib retornará, e a ablação terá que ser refeita duas ou mais vezes.

A ablação por cateter é um procedimento cirúrgico minimamente invasivo e o tempo de recuperação é geralmente curto. Uma pessoa ainda precisará tomar medicamentos antiarrítmicos até que o procedimento tenha seu efeito completo.

As taxas de sucesso para manter os ritmos cardíacos normais após a ablação por cateter são de até 90%. O sucesso depende de quanto tempo um indivíduo teve A-fib e sua gravidade.

Para a maioria das pessoas, a qualidade de vida é significativamente melhorada. Um estudo de 2010 descobriu que 2 anos após o procedimento de ablação, 72% das 323 pessoas pesquisadas não tomavam mais medicamentos A-fib.

O risco de complicações com risco de vida é de cerca de 1-2%. Outros efeitos colaterais não são fatais e incluem dor leve, sangramento e hematomas.

Cirurgia de labirinto

Os cirurgiões realizarão cirurgias completas de labirinto quando os pacientes com fibrose aórtica fizerem cirurgia de coração aberto, como um desvio cardíaco ou troca de válvula. A razão de seu nome é o padrão criado durante a cirurgia.

Cirurgião

Durante o procedimento, o cirurgião fará vários cortes no coração de uma pessoa e depois os coserá. Assim como uma ablação por cateter, o tecido cicatricial resultante impedirá que os sinais elétricos do coração se cruzem e permita que eles funcionem normalmente.

Os riscos incluem derrame cerebral, rins e outros órgãos e morte. Algumas pessoas podem precisar de um marcapasso após o procedimento.

A taxa de sucesso após uma cirurgia de labirinto é de 90% e as pesquisas atuais mostram que essa taxa continua valendo.

Cirurgia Mini-labirinto é uma opção para aquelas pessoas que não são candidatas a cirurgia de coração aberto. O mini-labirinto é uma versão minimamente invasiva do labirinto cheio.

O mini-labirinto leva algumas horas e envolve o cirurgião fazendo três ou quatro incisões em cada lado do peito. O médico então inserirá instrumentos cirúrgicos, incluindo um dispositivo de ablação e um escopo para visualizar a parede torácica. A energia de ablação é então usada para criar um bloqueio nas veias pulmonares e interromper os sinais elétricos inconsistentes que interrompem o coração.

O cirurgião também removerá ou cortará um pequeno saco na câmara superior esquerda do coração, o que reduz o risco de derrame e coágulos sanguíneos.

A taxa atual de sucesso para o mini-labirinto é de 80%, e apenas 5% dos pacientes submetidos a esse procedimento precisarão de um marcapasso.

Marcapasso

Um marcapasso é um pequeno dispositivo que é implantado sob a pele de uma pessoa na parte superior do tórax, perto da clavícula. Os marcapassos não tratam realmente a A-fib, mas usam pulsos elétricos para monitorar e regular o ritmo cardíaco. Uma pessoa pode exigir um marcapasso após certos tipos de ablação ou quando o remédio para o coração faz com que o coração bata muito devagar.

Em alguns casos, os médicos podem usar a ablação por cateter e implantar um marcapasso.

Antes de um marcapasso ser implantado, o cirurgião irá danificar o tecido do nó atrioventicular (AV), que é o local onde os sinais eletrônicos do coração viajam da parte superior do coração para a parte inferior. O marcapasso transmitirá então ritmos cardíacos regulares.

Riscos e Benefícios

É muito possível que pessoas com A-fib possam ser curadas, seja por meio de cardioversão elétrica ou cirurgia. A cirurgia é geralmente uma última opção.

As pessoas com A-fib que pensam que a cirurgia é a opção certa para elas devem consultar seus médicos sobre os potenciais benefícios e riscos em ter um procedimento de ablação ou labirinto.

Like this post? Please share to your friends: