Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Cinco procedimentos cirúrgicos estranhos e maravilhosos

Em 1967, o primeiro transplante de coração humano foi realizado. Quase meio século depois, o procedimento salva a vida de cerca de 5.000 pessoas em todo o mundo a cada ano. Este é apenas um exemplo dos milhares de procedimentos cirúrgicos que estão transformando a vida das pessoas todos os dias.

[Equipe médica realizando cirurgia]

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), houve cerca de 312,9 milhões de operações realizadas em todo o mundo em 2012, aumentando de 226,4 milhões em 2004.

Nos Estados Unidos, os procedimentos cirúrgicos mais comuns incluem apendicectomia, cesariana, cirurgia de catarata, mastectomia e cirurgia de revascularização miocárdica.

Escusado será dizer que cada uma dessas cirurgias pode melhorar ou salvar a vida de uma pessoa, mas existem alguns procedimentos que são tão complexos e incomuns que realmente trazem para casa o quanto a cirurgia progrediu desde o primeiro transplante de coração.

Neste artigo, vamos dar uma olhada em cinco dos procedimentos cirúrgicos mais bizarros e incríveis até o momento.

1) Rotationplasty: Transformando um tornozelo em um joelho

Rotationplasty é uma forma extraordinária de cirurgia reconstrutiva que permite que o tornozelo seja usado como uma articulação do joelho.

O procedimento envolve a remoção cirúrgica do fundo do fêmur, do joelho e da parte superior da tíbia. A parte inferior da perna é então girada 180 graus e presa à coxa.

Simplificando, o pé é preso ao joelho para trás. Uma vez que a prótese é ajustada, o tornozelo do pé funciona como um joelho.

Rotationplasty é mais comumente realizado em crianças que têm tumores ósseos malignos – como osteossarcoma ou sarcoma de Ewing – perto do joelho que não responderam a outros tratamentos.

O principal objetivo da gistoplastia é remover completamente o tumor, mas de uma forma que permita que a criança tenha um estilo de vida ativo, o que não seria possível com a amputação completa.

Um exemplo surpreendente do sucesso do procedimento envolve Gabi Shull, de 14 anos, do Missouri.

No vídeo abaixo, Gabi explica como a rotação plástica mudou sua vida:

Na idade de 9 anos, Gabi foi diagnosticado com osteossarcoma do joelho. O tumor estava inoperável, e após 12 semanas de quimioterapia, Gabi e seus pais decidiram pela plasticoplastia como a melhor opção de tratamento.

“Nós conversamos sobre isso com a Gabi e começamos a ver vídeos de patinação infantil, escalada, esqui aquático depois de uma rotação rotativa”, disse a mãe de Gabi, Debbie, no início deste ano.

“Aprendemos que não há absolutamente nenhum cons para a rotomixagem, exceto a aparência e se você pode superar isso e se concentrar na sua qualidade de vida, então você ganhou tudo e não perdeu nada”, acrescentou.

Apenas 1 ano após o procedimento, Gabi foi capaz de andar novamente, e 2 anos depois, ela é uma dançarina competitiva. “A cirurgia me permitiu fazer muito mais do que eu esperava e nunca mais voltaria e mudaria”, disse ela.

2) Osteo-odonto-ceratoprótese: restaurar a visão com um dente

Muitas vezes referida como cirurgia “dente-em-olho”, a osteo-odontoqueratoprótese (OOKP) é apenas isso – usar um dente para restaurar a visão do paciente.

Descrita pela primeira vez no início dos anos 1960 pelo Prof. Benedetto Strampelli, do Hospital San Camillo na Itália, a OOKP pode ser usada para pacientes cuja cegueira é causada por danos irreversíveis à córnea – a camada externa do olho – e para quem outros métodos de tratamento falhou.

[Olho de uma mulher]

O procedimento envolve a remoção do dente canino ou pré-molar de um paciente e do osso circundante; a técnica usa o próprio dente do paciente, pois é improvável que o corpo o rejeite. Um buraco é então perfurado no dente e uma lente plástica é inserida.

A estrutura do dente da lente é então implantada na bochecha do paciente, onde crescem novos vasos sanguíneos ao longo de alguns meses. A estrutura é então removida da bochecha e implantada no olho. A luz é capaz de viajar através da lente, restaurando a visão do paciente.

Em 2013, relatou um homem britânico que recuperou sua visão depois de passar por OOKP.

Em 1999, Ian Tibbetts perdeu completamente a visão por meio de problemas oculares, primeiro desencadeados por um acidente de trabalho, em que um pedaço de sucata atingiu seu olho direito e danificou sua córnea.

Em dezembro de 2012, Ian foi submetido ao OOKP no Sussex Eye Hospital – o único hospital no Reino Unido que realizou o procedimento – e pôde ver seus filhos claramente pela primeira vez.

“Eu tenho a minha independência de volta agora e posso começar a cuidar das crianças enquanto minha esposa está no trabalho. Antes, as crianças eram apenas formas. Eu não conseguia entendê-las”, disse Ian. “Eu tinha uma imagem na minha cabeça de como eles eram, mas eles eram melhores. Eu dei a eles um grande abraço e um beijo.”

3) Hemisferectomia: Removendo metade do cérebro para tratar convulsões

O cérebro é o órgão mais complexo do corpo humano, contendo bilhões de células nervosas que atuam como o centro de comando das funções físicas e psicológicas.

Com isso em mente, parece inacreditável que a remoção de metade do cérebro possa ser um procedimento cirúrgico viável e eficaz para certas condições neurológicas, mas, em alguns casos, é. Tal procedimento é conhecido como hemisferectomia.

A hemisferectomia envolve a remoção parcial ou total ou desconexão de um dos dois hemisférios do cérebro. É considerado um procedimento radical, que pode levar até 12 horas para ser concluído.

[O cérebro humano]

O procedimento é geralmente realizado em indivíduos com distúrbios neurológicos que causam convulsões em um lado do cérebro.

Tais distúrbios incluem epilepsia grave, acidente vascular cerebral perinatal, hemimegalencefalia (onde um lado do cérebro é maior que o outro), doença de Sturge-Weber-Dimitri (caracterizada por marcas faciais, glaucoma e convulsões), e encefalite de Rasmussen (inflamação do cérebro). córtex).

Segundo a The Hemispherectomy Foundation, a hemisferectomia é mais eficaz entre as crianças, pois a metade restante do cérebro pode compensar algumas das funções perdidas pela remoção da outra metade.

Os pacientes que se submetem à hemisferectomia terão alguma paralisia do lado do corpo oposto ao hemisfério removido, e normalmente perdem a sensação ou a função nas mãos e nos dedos.

No entanto, em muitos casos, os benefícios da cirurgia superam os riscos e efeitos colaterais.

Um exemplo de hemisferectomia bem-sucedida envolve uma menina de 17 anos chamada Karley Miller, da Austrália, que foi submetida ao procedimento para interromper as convulsões diárias causadas pela epilepsia. Sua decisão de ter a operação radical foi motivada por uma convulsão que durou 9 horas e meia.

“Eu não poderia ir a lugar algum sem a mãe estar a poucos passos atrás, eu não poderia nem tomar um banho com a porta trancada no caso de eu ter uma convulsão e ninguém poderia chegar até mim”, disse Karley no início deste ano.

Enquanto Karley experimentou alguns efeitos colaterais da hemisferectomia, ela não tem mais convulsões e está vivendo uma vida mais feliz e satisfatória.

4) Transplante cardíaco heterotópico: dois corações podem ser melhores que um

Tradicionalmente, um transplante de coração envolve a remoção do coração danificado de um paciente e sua substituição por um coração saudável de um doador. Este procedimento valioso salva cerca de 2.000 vidas nos EUA todos os anos.

Mas e se o corpo do receptor provavelmente rejeitar o coração de um doador, ou se o coração do doador não puder funcionar sozinho? É aqui que o transplante cardíaco heterotópico pode entrar.

O transplante cardíaco heterotópico – também conhecido como transplante cardíaco “piggyback” – envolve implantar um coração doador saudável no lado direito do coração danificado do receptor. Ambos os corações são cirurgicamente ligados, permitindo que o sangue do coração danificado flua para o novo coração. O novo coração pode então bombear o sangue pelo corpo.

Em 2011, pesquisadores da Universidade da Califórnia-San Diego relataram a realização deste procedimento cirúrgico raro em um homem chamado Tyson Smith, que tinha insuficiência cardíaca avançada.

“Mesmo que o Sr. Smith estava enfrentando a morte, ele não poderia ter um transplante de coração padrão”, explica o Dr. Michael Madani, da Universidade da Califórnia-San Diego Sulpizio Cardiovascular Center.

“Remover o coração antigo e substituí-lo por um novo coração teria causado a falência do novo coração, porque a resistência a fluir em seus pulmões – chamada hipertensão pulmonar – era tão alta. Mas juntos os dois corações dividem o trabalho e conseguem o emprego. feito “, acrescentou.

5) Transplante de cabeça: uma possível cura para paralisia

Em 2013, o neurocirurgião italiano Dr. Sergio Canavero anunciou propostas para realizar o primeiro transplante de cabeça humana do mundo – um procedimento que ele acredita ter o potencial de tratar a paralisia causada por doenças neurológicas ou musculares.

O procedimento – denominado HEAVEN-GEMINI – envolverá a remoção das cabeças do receptor e um doador saudável usando uma “lâmina ultra-afiada”, a fim de evitar danos na medula espinhal.

[Um raio-X da cabeça humana]

A cabeça do receptor e o corpo do doador serão então colocados em hipotermia profunda por cerca de 45 minutos para reduzir os danos aos nervos. A cabeça do receptor será então anexada ao corpo do doador usando a fusão da medula espinhal.

Em suma, a operação deverá levar cerca de 36 horas e US $ 11 milhões para ser concluída, e exigirá as habilidades de cerca de 150 cirurgiões e enfermeiros.

Após a conclusão do procedimento, o receptor será mantido em coma por 3-4 semanas, a fim de minimizar o movimento e garantir que as conexões nervosas entre o pescoço e a coluna tenham tempo de se fundirem.

Embora esse procedimento extremo possa soar como o resultado da ficção científica, está prestes a se tornar uma realidade. Em outubro do ano passado, o Dr. Canavero disse que o primeiro transplante de cabeça humana será realizado em dezembro de 2017.

Um número de indivíduos já se ofereceu para realizar o procedimento, incluindo Valery Spiridonov, um homem russo de 31 anos de idade que tem uma condição de desgaste muscular chamada doença de Werdnig-Hoffman, que o deixou paralisado do pescoço para baixo.

Sem surpresa, a perspectiva do primeiro transplante de cabeça humana foi recebida com muitas críticas, mas o Dr. Canavero está confiante de que o procedimento será um triunfo.

“Será um sucesso”, disse ele. “Há um plano detalhado – não estamos apenas inventando isso em algum laboratório secreto de Frankenstein. Estamos muito à frente agora no projeto, tudo está se movendo – não é mais ficção científica.”

Leia sobre cinco condições médicas bizarras que você pode não saber que existem.

Like this post? Please share to your friends: