Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Cientistas descobrem genes comuns envolvidos na força muscular

Pela primeira vez, cientistas descobriram fatores genéticos comuns que influenciam a força muscular. A descoberta oferece novos insights sobre a biologia da força muscular e seu papel em condições relacionadas à idade, como a fragilidade óssea.

teste de força de preensão manual

O estudo, liderado por pesquisadores da Unidade de Epidemiologia do Conselho de Pesquisa Médica (MRC) da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, é publicado na revista.

Os autores explicam que a força muscular, medida pela força de preensão palmar, é amplamente utilizada como indicador clínico da aptidão muscular. Também é preditivo de vários resultados de saúde em pessoas idosas.

Por exemplo, a força de preensão mais fraca da mão é um marcador conhecido de risco de fragilidade e fratura óssea, e tem sido associada à baixa qualidade de vida em idosos.

Sabe-se também que as pessoas com maior força de preensão manual são mais propensas a se recuperarem melhor após a cirurgia de fratura de quadril mais tarde na vida.

Além disso, estudos que acompanharam pessoas ao longo de muitos anos mostraram que a força de preensão pode predizer doenças cardiovasculares e morte prematura.

Fatores genéticos ligados à força muscular

Os pesquisadores observam, no entanto, que ainda não está claro se a menor força muscular realmente causa esses resultados adversos ou se é um sinal precoce da doença subjacente.

Para o estudo, a equipe realizou uma análise genética em larga escala de amostras de 140.000 pessoas que participaram do projeto Biobank do Reino Unido e de outras 50.000 pessoas na Austrália, Dinamarca, Holanda e Reino Unido, todas participando. em oito outros estudos.

Eles também tinham dados sobre a força de preensão dos participantes e variáveis ​​demográficas, biométricas e de resultados de saúde.

A análise genética identificou que a força muscular está significativamente ligada a 16 locais no genoma humano.

Algumas das 16 localizações, ou “loci”, estão situadas dentro ou perto de genes já conhecidos como importantes para a biologia dos músculos.

Esses genes incluem o ACTG1, que está relacionado à estrutura e função da fibra do músculo esquelético, e três genes chamados PEX14, TGFA e SYT1, que são importantes para a comunicação das células musculares com o sistema nervoso.

Variantes de três genes identificados – PEX14, LRPPRC e KANSL1 – também são conhecidas por estarem envolvidas em condições severas do músculo causadas por um único gene defeituoso.

Maior força muscular reduz risco de fratura

Os pesquisadores acreditam que os resultados mostram que as variantes genéticas por trás de algumas condições musculares severas também podem desempenhar um papel na determinação das diferenças de força muscular entre as pessoas em geral.

Comentando sobre os resultados, o co-autor sênior Dr. Robert Scott, da Unidade de Epidemiologia do MRC, diz: “Embora há muito suspeitemos de um papel para a genética na variação da força muscular, essas descobertas fornecem os primeiros insights sobre algumas das especificidades.” variantes genéticas que sustentam a variação na força.

“Estes podem ser passos importantes para identificar novos tratamentos para prevenir ou tratar a fraqueza muscular”.

Depois de estabelecer a ligação entre os 16 fatores genéticos e a força muscular, a equipe procurou pistas que pudessem mostrar se a baixa força muscular realmente causa ou não os problemas de saúde associados a ela.

Eles não encontraram evidências de que a redução da força muscular aumente diretamente o risco de morte prematura ou doença cardiovascular.

No entanto, eles encontraram evidências de que a maior força muscular reduz o risco de fratura óssea.

O prof. Nick Wareham, outro dos autores seniores do estudo e diretor da Unidade de Epidemiologia do MRC, diz que este achado destaca “a importância da força muscular na prevenção de fraturas e as complicações que muitas vezes podem seguir uma queda”.

“O grande número de indivíduos que participam do Reino Unido Biobank fornece um poderoso recurso para identificar genes envolvidos em características complexas, como a força muscular, e nos ajuda a entender sua biologia subjacente e sua relevância para a saúde.”

Co-primeiro autor Dan Wright, Unidade de Epidemiologia do MRC

Saiba como altos níveis de vitamina D podem melhorar a força muscular.

Like this post? Please share to your friends: