Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Causa do Linfoma de Burkitt Descoberto

O linfoma de Burkitt é uma forma extremamente rápida de desenvolvimento de linfoma não-Hodgkin, que se origina de um subgrupo de células brancas do sangue chamadas linfócitos B do sistema imunológico. Agora, pesquisadores do Centro de Medicina Molecular Max Delbrück (MDC) Berlin-Buch descobriram um componente vital que converte as células do sistema imunológico em células malignas de linfoma.

Segundo o Dr. Sandrine Sander e o Professor Klaus Rajewsky, o linfoma de Burkitt se origina dos centros germinativos dos órgãos linfóides (placas de Peyer no intestino delgado, baço e nódulos linfáticos). A reação pelo centro germinativo é desencadeada pelas células B quando os antígenos são detectados. Uma vez que a reação ocorre, as células B alteram seu DNA causando uma resposta de anticorpos altamente específica contra o antígeno.

O receptor de células B (BCR) desempenha um papel vital no processo de reação. De modo a reconhecer completamente o antigénio e desencadear uma resposta imunitária apropriada, os segmentos de ADN que codificam o anticorpo devem ser alterados e rearranjados. Durante este processo complicado, podem ocorrer quebras de DNA e mecanismos de reparo propensos a erros podem resultar em mutações genéticas ligadas ao desenvolvimento do câncer.

No linfoma de Burkitt, os erros de reparo do DNA levam à translocação do oncogene c-MYC, um gene que controla a divisão celular. A translocação c-MYC faz com que as células afetadas se dividam de maneira não regulada e a superexpressão do c-MYC resulta em morte celular maciça. Como resultado, a desregulação do c-MYC sozinha não pode converter as células normais em células cancerosas. No linfoma de Burkitt, a indução de apoptose da expressão elevada de c-MYC deve ser superada por mutações adicionais que previnem a morte celular.

Em um estudo recente, o professor Rejewsky e sua equipe demonstraram que a enzima PI3K é vital para que as células B maduras sobrevivam. PI3K estimula uma via de sinalização que controla o crescimento celular e neutraliza a morte celular programada.

O Dr. Sander e o Professor Rajewsky basearam seu estudo atual nessas descobertas. Eles examinaram a interação de c-MYC e PI3K na tumorigênese de camundongos. A equipe mostrou que o PI3K é um componente vital no desenvolvimento do linfoma de Burkitt. Eles descobriram que PI3K permite c-MYC para transformar linfócitos B centro germinativo em células de linfoma que se dividem continuamente e evitar a apoptose.

No entanto, os pesquisadores acreditam que outras mutações genéticas desempenham um papel na linfofagênese de Burkitt, já que nem todas as células B que co-expressam c-MYC e PI3K se convertem em células de linfoma. Essas aberrações podem ser identificadas em seu modelo de mouse. Além disso, um estudo conduzido pelo professor Louis Staudt, do Instituto Nacional do Câncer, em Bethesda, Maryland, EUA, mostrou que indivíduos portadores de linfoma de Burkitt carregam mutações genéticas que se assemelham às do camundongo.

O Dr. Sander e o Professor Rajewsky explicaram:

“Além da desregulação do c-MYC, a ativação da via de sinalização da PI3K é um elemento chave no desenvolvimento do linfoma de Burkitt. ​​A inibição dessa via de sinalização pode, portanto, ser uma estratégia eficaz para o tratamento da doença”.
Escrito por Grace Rattue

Like this post? Please share to your friends: