Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Carcinoma: Carcinoma basocelular e espinocelular

O câncer de pele é o tipo mais comum de câncer nos EUA e o carcinoma é uma das formas da doença. Mais de 3,3 milhões de pessoas são tratadas por mais de 5,4 milhões de casos de câncer de pele não melanoma nos EUA a cada ano.

Existem várias formas de câncer de pele, sendo o câncer de pele não melanoma o mais comum. A cada ano nos EUA, 2,8 milhões de pessoas são tratadas para o carcinoma basocelular, e há mais de 700.000 casos de carcinoma de células escamosas. Mais cânceres de pele são diagnosticados anualmente nos EUA do que todos os outros cânceres combinados.1,2,11

Aprenda tudo sobre carcinoma e seu gerenciamento com as informações fáceis de entender nessas páginas.

Você também verá introduções no final de algumas seções de todos os desenvolvimentos recentes que foram cobertos pelas notícias. Procure também links para informações sobre condições relacionadas.

Fatos rápidos sobre carcinoma

Aqui estão alguns pontos importantes sobre o carcinoma. Mais detalhes e informações de suporte estão no corpo deste artigo.

  • Um em cada cinco americanos desenvolverá câncer de pele durante sua vida.
  • Existem dois tipos principais de carcinoma basocelular (CBC) e carcinoma espinocelular (CEC).
  • Tanto o CBC como o CEC são muito mais comuns do que o melanoma e são referidos como cancro da pele não melanoma.
  • O carcinoma de células escamosas é menos comum que o carcinoma basocelular, mas é mais provável que se espalhe (metastatize).
  • A incidência de CEC aumentou em até 200% nas últimas três décadas nos EUA.
  • O carcinoma pode afetar o tecido superficial (epitélio) de numerosos outros órgãos.
  • O diagnóstico é feito depois que um paciente apresenta sinais e sintomas para um médico, que então faz uma história, faz um exame e faz uma biópsia.
  • Os tratamentos são semelhantes aos de outros tipos de câncer e incluem remoção cirúrgica, terapia medicamentosa e outros tratamentos aplicados localmente e terapias de radiação.
  • A principal medida preventiva contra o carcinoma é reduzir a exposição à luz ultravioleta, evitando o pico da luz do dia e vestindo roupas de proteção e protetor solar eficaz, por exemplo.
  • Alguns fatores de risco são inevitáveis, como síndromes raras e várias condições e medicamentos que resultam em imunossupressão.
  • O auto-exame regular da pele é uma ferramenta importante na detecção dos primeiros sinais de câncer de pele, de modo a ter acesso a tratamento rápido e eficaz.

O que é carcinoma?

Diagrama das camadas da pele.

Os carcinomas são as duas formas mais comuns entre os três principais tipos de câncer de pele: 2

  • Melanoma
  • Carcinoma basocelular
  • Carcinoma de células escamosas.

Os carcinomas também são conhecidos como cânceres de pele não melanoma.3 Um carcinoma pode afetar outros órgãos além da pele, pois é um tumor cancerígeno do tecido epitelial – tecido que forma a superfície da pele, trato digestivo, vasos sangüíneos e vários outros órgãos. .4

Todos os anos, nos EUA, mais de 3 milhões de pessoas são tratadas para câncer de células basocelulares ou de células escamosas, em comparação com um número muito menor tratado de melanoma.

Estima-se que cerca de 74.000 pessoas tenham sido diagnosticadas com melanoma em 2015, das quais menos de 10.000 morrem. Embora o melanoma seja responsável por menos de 2% dos casos de câncer de pele, é responsável pela maioria das mortes por câncer de pele11.

O câncer de pele basocelular é responsável por cerca de três quartos de todos os cânceres de pele e é várias vezes mais comum que o tipo de célula escamosa. Uma forma rara de câncer de pele também existe chamada carcinoma de células de Merkel.2

A maioria dos casos de carcinoma aparece após os 50 anos.5 Cerca de 40-50% dos americanos com mais de 65 anos terão CBC ou CEC pelo menos uma vez.11

O que é carcinoma basocelular?

O carcinoma basocelular surge, sem surpresa, nas células basais encontradas profundamente na epiderme da pele, abaixo das células escamosas. Essas células arredondadas formam a camada de base da epiderme que atende à derme.2

Os médicos que suspeitam que um paciente tem carcinoma basocelular – que é improvável que se espalhe – encaminharão o paciente para uma avaliação mais aprofundada. Se eles suspeitarem de carcinoma de células escamosas – que é mais provável que se espalhem – eles fornecerão um encaminhamento mais urgente.5,6

O que é carcinoma de células escamosas?

Células escamosas compõem a maior parte da epiderme – a camada superior da pele. São células planas, semelhantes a escamas, que são afetadas no carcinoma espinocelular.2,3,5

Os médicos que suspeitam que um paciente tenha carcinoma de células escamosas oferecerão um encaminhamento mais urgente do que para um paciente com suspeita de CBC, pois é mais provável que o CCE se espalhe.5,6

Causas do carcinoma

Um homem com as costas queimadas pelo sol.

A exposição à radiação ultravioleta (UV) – da luz solar – é a principal causa de carcinoma e outros tipos de câncer de pele. Algumas pessoas são mais vulneráveis ​​do que outras aos efeitos da luz solar no desenvolvimento do câncer, e a exposição adicional aos raios UV de camas de bronzeamento e lâmpadas de secagem UV em salões de unhas, por exemplo, pode aumentar esse risco.1,5,7

A radiação UV pode levar ao câncer de pele, causando danos ao DNA das células da pele, levando a mutações durante a divisão celular.3

Uma lista de fatores de risco para carcinoma é dada na seção sobre prevenção, com várias estratégias listadas para evitar a exposição excessiva à luz ultravioleta.

Queratose actínica (alterações pré-cancerosas nas células da pele) é um fator de risco para o carcinoma de células escamosas e afeta mais de 58 milhões de americanos. 11 Sem tratamento, essa condição pode evoluir para câncer de pele. Queratose actínica é definida como um crescimento plano e escamoso na pele, tipicamente nas áreas mais expostas ao sol.

Enquanto a radiação UV é o principal fator de risco para o carcinoma de células escamosas, esta forma de câncer também pode se desenvolver quando a pele estiver: 5,8

  • Queimado
  • Danificado por produtos químicos
  • Exposto a radiação de raios-X.

O carcinoma basocelular também pode se desenvolver em pessoas que foram expostas à radiação de raios-X quando crianças, embora essa seja uma causa muito menos comum de CBC do que a radiação UV.5

Sintomas de carcinoma

Os carcinomas de células basais e de células escamosas são ambos tumores de pele e possuem algumas características compartilhadas. No entanto, essas lesões cutâneas podem ser altamente variáveis ​​na aparência, sendo importante não contar com uma descrição específica antes de obter uma lesão examinada.8

Os carcinomas também podem ser áreas planas da pele que mostram pouca diferença em relação à pele normal, portanto, qualquer lesão, particularmente aquelas que não cicatrizam, merece ser monitorada.1

Um nódulo ou lesão pode passar despercebido até que seja relativamente grande, porque pode não haver sintomas visíveis além de sua aparência. Tumores grandes nesta fase podem coçar, sangrar ou ser dolorosos.1

O carcinoma basocelular geralmente começa como uma pápula brilhante – um pequeno nódulo vermelho ou rosa que aumenta lentamente.1,3,8

Uma borda brilhante, perolada ou cerosa pode se formar depois de alguns meses ou anos. Uma borda levantada pode tocar uma úlcera central, e vasos sanguíneos anormais podem ser visíveis.1,3,8

Os carcinomas basocelulares podem surgir como áreas azuis, marrons ou pretas, áreas pálidas ou amarelas semelhantes a cicatrizes ou tumores rosados. Diante dessa variabilidade e da necessidade de tratamento, é importante obter um diagnóstico preciso de um médico.1,3,8

Os carcinomas basocelulares podem ter uma aparência escamosa, e muitas vezes há crostas ou sangramentos recorrentes. O encrespamento pode parecer curativo, mas as feridas podem voltar. Os médicos muitas vezes veem o carcinoma basocelular porque o paciente teve uma ferida – desencadeada pelo barbear, por exemplo – que não cicatriza.1,3,8

Embora frequentemente (mas nem sempre) apareçam em áreas da pele expostas ao sol, os carcinomas de células escamosas têm uma aparência altamente variável. Como resultado, qualquer lesão não cicatrizante ou novo crescimento deve ser considerada suspeita.1,3,8

Os carcinomas de células escamosas geralmente aparecem como manchas escamosas persistentes, espessas e ásperas ou como um nódulo rosa firme com uma superfície plana, escamosa e crosta. Essas lesões podem sangrar se baterem, arranharem ou arranharem e, embora pareçam verrugas, elas também podem aparecer como feridas abertas com uma superfície encrustada ou borda levantada.

Alterações em tumores ou feridas pré-existentes na pele ou o desenvolvimento de um novo crescimento devem ser avaliados por um médico.

Sinais de carcinoma e outros cânceres de pele podem ser detectados através do auto-exame regular.

Desenvolvimentos recentes sobre carcinoma da MNT news

FDA aprova nova pílula diária para câncer de pele comum

Uma pílula diária conhecida como sonidegib (marca Odomzo), comercializada pela Novartis, foi disponibilizada em julho de 2015 nos EUA para o tratamento do carcinoma basocelular localmente avançado.

Consumo de cafeína associado ao menor risco de câncer de pele comum

Um estudo realizado em 2012 com mais de 110.000 pessoas encontrou uma ligação entre a ingestão de cafeína e um menor risco de desenvolver carcinoma basocelular.

Fumar ligado ao risco de câncer de pele

Uma meta-análise publicada em junho de 2012 sugeriu que fumar estava ligado a um maior risco de carcinoma de células escamosas.

Testes e diagnóstico

O primeiro passo no diagnóstico de qualquer forma de câncer de pele é a apresentação de sinais e sintomas a um médico, que irá: 1-3,5,8

  • Faça um histórico fazendo perguntas sobre quando e como uma lesão de pele apareceu pela primeira vez e como ela pode ter se desenvolvido, e se há história de condições associadas, como queimaduras solares
  • Realize um exame da lesão da pele, registrando seu tamanho, forma, textura e outros atributos físicos. Eles também podem tirar uma foto para revisão por um especialista ou para registrar seu tamanho atual e aparência para comparação posterior. O médico muitas vezes olha em todo o corpo para sintomas adicionais da pele.

Casos suspeitos de carcinoma de células escamosas são encaminhados com urgência para investigação e tratamento especializados, pois podem se espalhar. Os tumores de células basais suspeitos são encaminhados sem urgência, pois têm menor probabilidade de disseminação.6

Todos os casos suspeitos de câncer de pele são biopsiados. A biópsia de pele leva quatro formas comuns, todas com o objetivo de obter uma amostra do tumor suspeito para avaliação laboratorial: 1,2

  • Biópsia de barbear – usando uma lâmina cirúrgica afiada, as camadas superiores das células são raspadas, geralmente até a derme, mas às vezes mais profundas, muitas vezes resultando em sangramento que pode então ser cauterizado
  • A biópsia por punção – uma ferramenta cirúrgica afiada e oca – um pouco como um pequeno cortador de fogão – remove um círculo de pele abaixo da derme. A ferida resultante pode precisar de uma única sutura
  • Biópsia incisional – parte do crescimento é removida com um bisturi, cortando uma cunha ou fatia de pele de espessura total, cuja ferida geralmente precisa ser costurada com suturas
  • Biópsia excisional – todo o crescimento e alguns tecidos circundantes são removidos com um bisturi, com a ferida resultante geralmente requerendo suturas.

A amostra é enviada para um laboratório de patologia para exame histológico ao microscópio. As células são avaliadas para determinar se são ou não cancerosas e, em caso afirmativo, que tipo de câncer está presente.1,2,8

Se um câncer de pele for diagnosticado, o médico então encenará o câncer – determinando a extensão da doença avaliando o tamanho, a profundidade, a extensão da invasão local e se houve alguma disseminação para outras partes do corpo, como os gânglios linfáticos próximos. ou locais mais distantes. Linfonodos locais podem ser amostrados por biópsia por agulha fina para exame laboratorial.1,2

Como o carcinoma basocelular raramente se dissemina, investigações adicionais não são usualmente necessárias, enquanto testes para metástase podem ser necessários em casos de carcinoma de células escamosas. Esse teste adicional pode ser realizado com exames de imagem, como radiografia, tomografia computadorizada (TC), ressonância magnética (RM) ou tomografia por emissão de pósitrons (PET) 2.

O estadiamento só pode ocorrer após a remoção cirúrgica de um tumor de pele. O estadiamento varia do estágio 0 ao 4, com 0 representando o carcinoma in situ, que afeta apenas a camada superior da pele.O carcinoma de estágio 4 descreveu um câncer de pele que se espalhou para outras partes do corpo. Os estágios intermediários são ditados pelo tamanho da lesão, profundidade e qualquer invasão próxima.2

Tratamentos para carcinoma

As opções de tratamento são semelhantes tanto para o carcinoma basocelular quanto para o carcinoma de células escamosas, embora com este último haja maior ênfase no monitoramento de sinais de metástase.8

O tratamento ou tratamentos específicos realizados dependerão do tamanho, tipo, estágio e localização do carcinoma, além de fatores como a preferência do paciente e os efeitos colaterais. O tratamento provavelmente também envolverá vários médicos, incluindo dermatologistas e especialistas em câncer cirúrgico, médico e radiológico.1,3,5,8

Tratamentos para carcinoma incluem: 1,3,5,8

Carcinoma basocelular durante o tratamento quimioterápico.

  • Curetagem e eletrodissecação – um procedimento comum para remover a lesão
  • Excisão cirúrgica – também remove a lesão, às vezes em um procedimento conhecido como cirurgia de Mohs
  • Criocirurgia – para pequenos tumores, um procedimento que usa nitrogênio líquido para congelar e matar células cancerosas
  • Quimioterapia tópica ou outras drogas aplicadas na pele para matar células cancerígenas
  • Terapia fotodinâmica – um tratamento para o carcinoma basocelular que usa um creme sensível à luz
  • Radioterapia – geralmente reservada para grandes tumores ou para os quais a remoção cirúrgica é difícil.

Curetagem e eletrodissecação para carcinoma é um procedimento cirúrgico comum para o tratamento de pequenas lesões de câncer de pele usando uma cureta. A pequena colher afiada ou instrumento em forma de anel é usada para raspar o carcinoma.1,3,5,8

O local é então queimado (dessecado) com uma agulha elétrica para remover o tecido circundante e quaisquer células cancerígenas remanescentes. O procedimento pode deixar uma pequena cicatriz e pode precisar ser repetido para garantir a remoção completa.1,3,5,8

A excisão cirúrgica do carcinoma é usada para remover lesões maiores que não podem ser tratadas por curetagem. Esse tipo de procedimento envolve a remoção do tumor por meio de uma faca cirúrgica.1,3,5,8

O carcinoma e a pele ao redor são removidos e a ferida operatória é reparada com o auxílio de pontos de fechamento.1,3,5,8

A cirurgia de Mohs é um procedimento microscopicamente controlado no qual a remoção do tecido é incremental, com um microscópio usado para verificar as células cancerígenas remanescentes após cada etapa. O tumor é removido em uma camada fina inicialmente, e tecido adicional é removido em incrementos, minimizando a perda de tecido saudável e cicatrizes. É um tipo de cirurgia cada vez mais popular para o câncer, principalmente para: 1,3,5,8

  • Casos com suspeita de alto risco de recorrência
  • Em áreas que necessitam de remoção mínima da pele – perto dos olhos, por exemplo.

O tratamento da criocirurgia para o carcinoma é usado para pequenos carcinomas de células basais ou células escamosas. É uma forma de tratamento menos comum que a remoção cirúrgica e envolve a aplicação de nitrogênio líquido na lesão. Isso faz com que a lesão empolide e se curve antes de cair nas semanas subseqüentes.1,3,5,8

A quimioterapia e outros tratamentos medicamentosos tópicos para o carcinoma são aplicados diretamente na lesão.

Outros tratamentos não quimioterápicos incluem o creme imiquimod (vendido sob as marcas Aldara e Zyclara). Isso é usado para pequenos carcinomas basocelulares e funciona incentivando o corpo a produzir interferon, o que faz com que o sistema imunológico ataque o tumor. O interferon também pode ser injetado diretamente na lesão.1,3,5,8

A opção de quimioterapia é 5-fluorouracil (Carac, Efudex, Fluoroplex e outros) – um medicamento para matar o câncer aplicado na pele uma ou duas vezes ao dia por várias semanas. Por se tratar de um tratamento local, não está associado aos efeitos colaterais que podem ocorrer com a quimioterapia para outros tipos de câncer.1,3,5,8

A terapia fotodinâmica para o carcinoma é por vezes utilizada para tratar o carcinoma basocelular. É uma terapia de dois passos envolvendo a aplicação de um creme sensível à luz, seguido de exposição a uma fonte forte de um determinado comprimento de onda da luz azul. Isso resulta na morte de células de carcinoma. Como a pele permanece sensível à luz nas próximas 48 horas, é importante que os pacientes evitem a luz ultravioleta durante esse período para minimizar o risco de queimaduras solares graves.1,3,5,8

A radioterapia para o carcinoma é – como para outras formas de câncer – o uso de radiação (raios X ou partículas de alta energia) para destruir o câncer. A radioterapia é reservada para casos de carcinoma inoperáveis ​​ou que cobrem uma grande área.1,3,5,8

A terapia a laser para carcinoma envolve o uso de diferentes tipos de lasers para destruir as células cancerígenas. Alguns lasers vaporizam (ablacionam) a camada superior da pele, destruindo assim as lesões na camada superior. Outros lasers não são ablativos e penetram na pele sem remover a camada superior, com alguma evidência de sucesso no tratamento de pequenos carcinomas basocelulares superficiais.

A terapia com laser ainda não está aprovada pelo FDA para o BCC. Por vezes, é utilizado como terapia secundária se outros tratamentos não tiverem sido bem sucedidos.

Prevenção de carcinoma

Não há programa de triagem de rotina para carcinoma – em vez disso, os pacientes podem se examinar ou pedir a um médico para examiná-los.8 Procure por quaisquer alterações na pele que não se resolvam (veja abaixo mais sobre o auto-exame) .3

A luz UV é o principal fator de risco para ambos os tipos de carcinoma e, portanto, a melhor estratégia de prevenção é ser sensível à exposição ao sol e evitar camas de bronzeamento.3,5,8

Existem três aspectos principais da exposição solar sensível: 3,5,8

  1. Evitação do sol
  2. Roupa de proteção
  3. Protetor solar.

A proteção contra o sol protege contra o carcinoma (células basais e células escamosas) reduzindo a exposição à luz UV e reduzindo o risco de queimaduras solares. A exposição ao sol não deve, no entanto, ser totalmente evitada; É importante obter um pouco de sol para manter níveis saudáveis ​​de vitamina D.3

Não fique bronzeado.Reduzir a exposição solar por não ficar sob a luz direta do sol quando estiver mais quente (vá para a sombra), normalmente entre 10 ou 11 horas e 3 ou 4 horas da tarde.3,5

A roupa pode reduzir o risco de carcinoma. Dicas simples para se vestir de maneira sensata, evitando o excesso de exposição ao sol, incluem chapéu, tops com mangas e óculos de sol.1,3,5

Roupas feitas com tecidos de proteção solar devem ter etiquetas que mostrem uma etiqueta UV 400 ou fator de proteção UV (UPF), e tecidos apertados geralmente são mais protetores do que tecidos soltos.1,3,5

Óculos de sol devem ser rotulados para proteção 100% contra as radiações UVA e UVB.3,5

Alguns protetores solares oferecem proteção contra o carcinoma. Escolha um filtro solar de amplo espectro aprovado e aplique generosamente e muitas vezes para bloquear a exposição da pele à luz UV. Verifique o rótulo para garantir que o protetor solar protege contra a radiação UVA e UVB. 1,3,5 Como alguns filtros solares são ineficazes e contêm suspeitas de carcinogênese, é aconselhável verificar os relatórios dos consumidores para garantir que você escolha um produto seguro e eficaz.12

Uma mulher usando uma espreguiçadeira.

Use um protetor solar que tenha um fator de proteção solar (FPS) de pelo menos 30 e reaplique-o em toda a extensão da pele exposta a cada 2 horas (e a cada hora quando estiver suando muito ou entrando na água; loções à prova d’água também estão disponíveis). 5

Bebês e crianças pequenas são particularmente vulneráveis ​​à exposição ao sol. Os níveis de luz ultravioleta são mais perigosos em altitudes mais elevadas e em locais mais próximos do equador e são mais persistentes em locais onde há sol o ano todo.1,3,5

A Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos EUA afirma que crianças, adolescentes e jovens adultos com idade entre 10 e 24 anos que tenham pele clara devem minimizar sua exposição à radiação UV.10

Outros fatores que aumentam o risco de carcinoma incluem ter tido câncer de pele anteriormente (e tratamento com radiação para qualquer tipo de câncer, especialmente na infância) ou histórico familiar de câncer. Outras vulnerabilidades incluem: 1,5

  • Tendo numerosos, grandes ou irregulares moles ou sardas
  • Tendendo a queimar antes de se bronzear
  • Ter pele clara, olhos azuis ou verdes ou cabelo loiro, vermelho ou castanho claro
  • Doença auto-imune, como lúpus eritematoso sistêmico
  • Condições hereditárias como xeroderma pigmentoso e síndrome do carcinoma basocelular nevóide (síndrome de Gorlin)
  • Condições de imunocomprometimento, como infecção pelo HIV, receber um transplante de órgão ou tomar medicamentos imunossupressores
  • Medicamentos que tornam a pele fotossensível como vandetanib (Caprelsa), vemurafenibe (Zelboraf) e voriconazol (Vfend)
  • Infecção por papilomavírus humano (HPV), particularmente se houver imunossupressão.

Espreguiçadeiras aumentam o risco de carcinoma. Evite usar camas de bronzeamento, salões de bronzeamento artificial e lâmpadas solares.3, 5 O bronzeamento artificial é mais perigoso do que banhos de sol naturais, porque expõe o corpo a uma fonte concentrada de radiação UV.3 Evite o uso de lamparinas para manicure ou pedicure. também pode aumentar o risco de câncer de pele, especialmente quando os tratamentos de unhas são uma ocorrência regular.13

Auto-exame para rastrear carcinoma

O princípio básico de triagem para carcinoma – e qualquer outra forma de câncer de pele – é procurar por alterações na pele que não se resolvam.3 O auto-exame efetivo da pele inclui: 2,5

  • Prestando atenção especial às áreas que recebem exposição solar regular
  • Pedir a um parceiro para verificar áreas de difícil visualização e usar espelhos de corpo inteiro e de mão
  • Conhecendo sua pele. Aprenda como as toupeiras e as marcas normalmente parecem para que as mudanças sejam prontamente notadas – tirar fotos pode ajudar
  • Procurando por alterações, seja em tamanho, forma, cor ou textura
  • Realizando o auto-exame em boas condições de iluminação
  • Obtendo quaisquer feridas que não curam verificadas por um médico
  • Trabalhar sistematicamente pelo corpo, da cabeça aos pés, para garantir que todas as áreas da pele sejam examinadas
  • Não negligenciando quaisquer áreas do corpo, incluindo as privadas
  • Manter uma nota de quaisquer observações e registrar as datas dos exames.

É provável que o tratamento seja mais eficaz nos casos em que um paciente detecta alterações na pele precocemente e recebe ajuda de médicos. Quando o problema é considerado canceroso, o tratamento precoce melhora drasticamente as chances de sobrevivência e reduz a probabilidade de trauma e desfiguração significativos do tecido.5

Like this post? Please share to your friends: