Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Cannabis ‘Dabbing’ pode liberar toxinas cancerosas

Os pesquisadores analisaram a composição química dos vapores liberados pelo óleo de haxixe do butano – um extrato de cannabis comumente usado em “enxugamento”, ou vaporização – e encontraram substâncias cancerígenas.

óleo de cannabis

À luz da cannabis sendo legalizada em vários estados da América, mais e mais pessoas usam a maconha recreacionalmente.

A prática do “dabbing” também ganhou popularidade; os usuários acham que o dabbing é mais seguro e faz com que eles fiquem “mais limpos”. Ao tocar, os consumidores colocam uma pequena quantidade de cannabis concentrado em uma superfície quente (geralmente uma unha) e inalam o vapor resultante.

Mas, embora o consumo de extrato de cannabis seja percebido como menos prejudicial do que fumar, uma nova pesquisa sugere que a prática expõe os usuários a várias toxinas carcinogênicas.

Os pesquisadores – liderados pelo Dr. Robert Strongin, professor de química orgânica da Universidade Estadual de Portland, no Oregon – examinaram a composição do vapor produzido pelo óleo de butano.

O óleo de haxixe de butano é o extrato de cannabis, normalmente usado em enxugamento. O extrato é feito usando o solvente butano para extrair o tetrahidrocanabinol (THC) das folhas e flores de cannabis.

O estudo centrou-se na química dos terpenos, ou nos óleos que dão à cannabis a sua fragrância única. Terpenos são onipresentes; Eles são encontrados naturalmente em plantas, condimentos e os alimentos que comemos, mas eles também podem ser encontrados em cosméticos e produtos farmacêuticos, devido aos seus efeitos terapêuticos.

Embora “geralmente reconhecido como seguro” pela Food and Drug Administration (FDA), os terpenos podem aumentar drasticamente o efeito psicoativo da cannabis em um fenômeno conhecido como “o efeito de entourage”.

Isso – juntamente com a presença generalizada de terpenos e com o fato de terem sido adicionados recentemente aos cigarros eletrônicos (e-cigarros) – levou os pesquisadores a examiná-los mais de perto.

O primeiro autor do novo estudo é Jiries Meehan-Atrash, da Portland State University, e os resultados foram publicados na revista.

Substâncias químicas causadoras de câncer encontradas

Dr. Strongin e sua equipe simularam as condições de enxaqueca em seu laboratório. Eles monitoraram os terpenos derivados de cannabis mircene, limonene, linalool e Fire OG.

Os pesquisadores identificaram substâncias químicas e avaliaram seus níveis usando espectroscopia de Ressonância Magnética Nuclear (RMN). Além disso, eles coletaram e analisaram esfregando vapor usando outras formas de espectrometria.

Os experimentos produziram altos níveis de benzeno, que é um conhecido produto químico causador de câncer, e metacroleína, que é um irritante nocivo.

Metacroleína, escrevem os autores, é estruturalmente muito semelhante a outro irritante pulmonar e “poluente do ar de grande preocupação” chamado acroleína. A acroleína também é um carcinogéneo humano.

Embora os níveis ambientais seguros da metacroleína ainda não tenham sido determinados, o benzeno tem sido estudado intensivamente e sabe-se o que é seguro e o que não é.

“Embora o benzeno seja um poluente onipresente”, escrevem os autores, “as concentrações de benzeno encontradas nos terpenos nas temperaturas mais altas são muito maiores do que as encontradas no ar ambiente”.

Os pesquisadores comentam sobre o significado de suas descobertas, dizendo: “Dada a ampla legalização da cannabis nos [Estados Unidos], é imperativo estudar a toxicologia completa de seu consumo para orientar a política futura”.

“Os resultados […] indicam claramente que a lixiviação, embora considerada uma forma de vaporização, pode, de fato, fornecer quantidades significativas de produtos tóxicos de degradação”.

Além disso, “a dificuldade que os usuários encontram no controle da temperatura das unhas coloca os usuários em risco”, alertam os autores.

“Esta pesquisa também tem implicações significativas para os produtos de cigarro eletrônico com sabor devido ao uso extensivo de terpenos como aromatizantes”, acrescentam.

No futuro, os pesquisadores planejam examinar melhor como os terpenos e substâncias semelhantes ao terpeno contribuem para a toxicidade dos cigarros eletrônicos.

Like this post? Please share to your friends: