Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Câncer colorretal: a importância da dieta

O câncer colorretal é bastante comum, especialmente entre o envelhecimento da população. Um importante fator de risco para o câncer colorretal é a dieta, e as escolhas alimentares também são vitais durante e após o tratamento. Neste Spotlight, damos a você uma visão geral de quais dietas são melhores e quais devem ser evitadas.

frutas e vegetais coloridos

O câncer colorretal é um tipo de câncer que afeta o reto, o cólon ou ambos. Isso também é conhecido como intestino grosso.

Segundo a American Cancer Society (ACS), 2018 poderia trazer cerca de 97.220 novos diagnósticos de câncer de cólon e 43.030 novos casos de câncer retal para os Estados Unidos.

É mais provável que esse tipo de câncer apareça em indivíduos mais velhos, mas há muitos outros fatores de risco associados ao seu surgimento, como fatores genéticos e de estilo de vida.

Destes últimos, um dos fatores de risco mais citados é a dieta – referindo-se especificamente a maus hábitos alimentares que muitas vezes também levam à obesidade.

Abaixo, verificamos quais alimentos e nutrientes aumentaram o risco de câncer colorretal e quais tipos de dieta foram considerados úteis em sua prevenção.

Também cobrimos as dietas com maior probabilidade de manter o corpo resiliente durante e após o tratamento para este tipo de câncer.

Prevenção: o que evitar

Numerosos estudos indicaram que uma dieta muito rica em carne vermelha está associada a um risco elevado de câncer colorretal. A “carne vermelha” é definida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como “toda carne muscular de mamíferos, incluindo carne bovina, carne de porco, cordeiro, carneiro, cavalo e cabra”.

carne vermelha

Uma revisão das evidências que apóiam esta ligação indica que “o consumo de carne vermelha pode estar diretamente relacionado à incidência de câncer colorretal ou indiretamente porque uma dieta rica em carne tende a ser baixa em vegetais, frutas e fibras”.

Um estudo das populações do norte da Itália mostrou que os indivíduos que comem carnes vermelhas juntamente com ovos, queijo e outros alimentos gordurosos – bem como amidos refinados – tiveram um risco quase duas vezes maior de desenvolver câncer retal ou de cólon do que seus pares. uma dieta à base de plantas.

Pesquisas mais recentes também revelaram que “um aumento diário de 100 [gramas] de toda a carne ou carne vermelha está associado a um aumento significativo de 12 a 17% no risco de câncer colorretal”.

Em 2015, um relatório publicado pela Agência Internacional de Pesquisa sobre Câncer fez a notícia apontando que cada porção de 50 gramas de carne processada, como bacon ou salame, consumida todos os dias aumenta o risco de uma pessoa desenvolver câncer colorretal em 18%. .

Essa evidência levou a OMS a classificar as carnes processadas como “carcinogênicas para humanos”.

Os danos causados ​​por dietas prejudiciais fizeram as manchetes novamente no início de 2018, quando um estudo publicado na revista relatou que “alimentos ultraprocessados” podem aumentar o risco de desenvolver vários tipos de câncer.

Prevenção: o que comer

Então, se uma alta ingestão de carne vermelha e alimentos processados ​​contribui para o risco de câncer colorretal, o que deve ser ingerido para proteger nosso corpo desse resultado?

salada colorida

Segundo a ACS, uma dieta rica em frutas, vegetais e fibras poderia ajudar a minimizar o risco, e muitos estudos existentes parecem apoiar esse conselho.

Um estudo da Universidade de Loma Linda, na Califórnia, descobriu que as dietas de estilo vegetariano estão ligadas a um risco reduzido de câncer colorretal. Os pesquisadores estudaram quatro tipos de dieta baseada em vegetais. Estes foram:

  • vegan, ou estritamente nenhum produto de origem animal
  • ovo-lacto-vegetariana, que inclui laticínios e ovos, mas não carne
  • pescovegetarian, que inclui peixe mas não carne
  • semivegetariano, que inclui carne e peixe com pouca freqüência

Todas essas quatro dietas baseadas em plantas foram consideradas menos propensas a levar ao câncer do que as dietas não vegetarianas.

Um estudo do ano passado também sugere que, quanto mais colorida for sua refeição, melhor, e que os indivíduos devem se concentrar em integrar um arco-íris de frutas e vegetais em suas dietas.

Mais especificamente, seus experimentos com o modelo de suínos – que fornece a maior semelhança com o corpo humano em termos de processos metabólicos – indicaram que batatas roxas poderiam proteger contra o câncer de cólon.

Isso pode ser porque essas raízes contêm compostos que reduzem os níveis de certas proteínas pró-inflamatórias no corpo, e a inflamação é conhecida por contribuir para o risco de câncer de cólon.

Recentemente, os pesquisadores também isolaram uma série de elementos típicos de dietas de estilo mediterrâneo que poderiam ajudar a prevenir o aparecimento do câncer colorretal.

As pessoas com baixo risco de desenvolver essa condição ingerem muitas frutas, verduras, nozes e grãos integrais, bem como peixes e aves, em vez de carne vermelha, e bebiam pouco álcool e refrigerantes.

O que comer durante e após o tratamento

De acordo com as diretrizes do Instituto do Câncer Dana-Farber, em Boston, MA, as pessoas em tratamento para o câncer colorretal também devem favorecer as refeições “placa do arco-íris” e comer uma variedade variada de frutas e vegetais para apoiar o sistema imunológico.

tigela de nozes de árvore

Comer porções pequenas, mas frequentes, é outra abordagem que especialistas do Instituto Dana-Farber sugerem que as pessoas após o tratamento podem achar útil.

Eles aconselham os pacientes a manterem-se hidratados e a evitar o consumo de álcool e cafeína, explicando que alguns tipos de medicamentos podem colidir com essas bebidas.

Mas um estudo anterior conduzido por pesquisadores do Instituto – que abordamos – indicou que aqueles que estavam em tratamento para o câncer colorretal tinham um risco quase reduzido pela metade de recaída do câncer se bebessem quatro xícaras de café, ou 460 miligramas de cafeína, por dia.

Como o principal autor do estudo, Charles Fuchs, explica: “Descobrimos que os bebedores de café tinham um risco menor de o câncer voltar e uma sobrevivência e uma chance significativamente maiores de cura”.

Uma pesquisa publicada no ano passado sugere que uma dieta rica em fontes de fibras pode melhorar as taxas de sobrevivência de pacientes com câncer colorretal de estágio um. Comer grãos integrais também foi ligado a um melhor resultado do tratamento, os pesquisadores notaram.

Outro estudo do ano passado observa que ingerir um mínimo de 2 onças (aproximadamente 57 gramas) de nozes – como castanhas, avelãs, nozes e pistaches – quase reduziu pela metade o risco de recorrência de câncer de cólon para indivíduos após o tratamento de câncer. O consumo de nozes também reduziu o risco de morte após o tratamento em 53%.

Quanto ao risco de desenvolver um segundo câncer após o tratamento, os ACS dizem que ele pode ser reduzido fazendo as mesmas escolhas de dieta saudável aconselhadas para a prevenção de um primeiro câncer. Estes incluem a manutenção de um peso saudável, colocando “uma ênfase nos alimentos vegetais” nas refeições diárias e evitando a ingestão de álcool.

De fato, o Dr. Victor Moreno – da Universidade de Barcelona, ​​na Espanha – e seus colegas descobriram que os fatores do estilo de vida são mais importantes do que os fatores de risco genéticos quando se trata do desenvolvimento do câncer colorretal.

“Isso é importante, considerando que o estilo de vida, diferente dos traços genéticos, é algo modificável”.

Primeiro autor do estudo Dr. Gemma Ibáñez

Isso sugere que uma “reformulação” de escolhas pessoais de saúde pode ajudar muito a apoiar resultados positivos.

Like this post? Please share to your friends: