Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Caminhe 4.000 passos todos os dias para melhorar a função cerebral

Uma pesquisa recente conduzida pela Universidade da Califórnia, em Los Angeles, mostra que fazer uma pequena caminhada a cada dia pode ajudar a manter o cérebro saudável, apoiando a resiliência geral do funcionamento cognitivo.

idosos andando no parque

À medida que envelhecemos, problemas de memória podem começar a surgir. Esses podem ser uma parte natural do envelhecimento e um pequeno incômodo, mas, em alguns casos, os problemas podem indicar comprometimento cognitivo leve e até mesmo evoluir para demência.

Independentemente de quão leves ou graves possam ser esses problemas de memória, eles são definitivamente angustiantes e podem afetar a qualidade de vida de um indivíduo.

Uma nova pesquisa do Instituto Semel de Neurociência e Comportamento Humano da Universidade da Califórnia, Los Angeles, sugere que há uma maneira relativamente fácil de manter seu cérebro em boa forma à medida que você envelhece: faça uma caminhada moderadamente longa todos os dias.

Isso pode aumentar sua atenção, a eficiência com que você processa informações e outras habilidades cognitivas, segundo o primeiro autor do estudo Prabha Siddarth e colegas.

Os resultados da pesquisa foram publicados recentemente o.

Espessura cortical para avaliar a saúde cognitiva

Siddarth e equipe inicialmente recrutaram 29 adultos com 60 anos ou mais, dos quais 26 completaram o estudo em um período de 2 anos. Os participantes foram divididos em dois grupos distintos:

  • um grupo de baixa atividade física, composto por pessoas que caminharam 4.000 ou menos degraus por dia
  • um grupo de atividade física alta, composto de pessoas que andaram mais de 4.000 passos por dia

Todos os participantes relataram um grau de queixas de memória no início do estudo, mas nenhum deles teve um diagnóstico de demência.

A fim de explorar o efeito potencial da atividade física sobre a capacidade cognitiva, os pesquisadores usaram a ressonância magnética para determinar o volume e a espessura do hipocampo, que é uma região do cérebro associada à formação e armazenamento de memória e orientação espacial.

Pesquisas anteriores sugeriram que o tamanho e o volume dessa região do cérebro podem nos dizer algo sobre a saúde cognitiva. Por exemplo, um volume mais alto do hipocampo mostrou uma consolidação de memória mais efetiva.

“Poucos estudos analisaram como a atividade física afeta a espessura das estruturas cerebrais”, diz Siddarth.

“A espessura do cérebro”, observa ela, “uma medida mais sensível do que o volume, pode rastrear mudanças sutis no cérebro antes do volume e prever a cognição de forma independente, então essa é uma questão importante”.

Caminhe mais a cada dia para um cérebro resiliente

Além dos exames de ressonância magnética, os participantes também passaram por um conjunto de testes neuropsicológicos, para consolidar a avaliação de sua capacidade cognitiva.

Descobriu-se que aqueles no grupo de atividade física alta – que andaram mais de 4.000 passos (aproximadamente 3 quilômetros) a cada dia – tinham hipocampos mais espessos, bem como regiões cerebrais associadas mais espessas, quando comparados com aqueles que estavam sob o baixo nível físico. categoria de atividade.

Verificou-se também que o grupo altamente ativo tem melhor atenção, maior rapidez nas habilidades de processamento de informações e uma função executiva mais eficiente, que inclui a memória de trabalho. A memória de trabalho é o recurso que utilizamos diariamente quando precisamos tomar decisões espontâneas.

No entanto, Siddarth e seus colegas não relataram diferenças significativas entre os grupos de alta atividade e baixa atividade quando se tratava de recordação de memória.

O próximo passo a partir daqui, os pesquisadores sugerem, deve ser o de realizar uma análise longitudinal, a fim de testar a relação entre atividade física e capacidade cognitiva ao longo do tempo.

Eles também observam a necessidade de entender melhor os mecanismos por trás do declínio cognitivo em relação à atrofia do hipocampo.

Like this post? Please share to your friends: