Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Café pode piorar sintomas da doença de Alzheimer

Frequentemente, relatamos estudos que produzem os benefícios para a saúde de beber café. Novas pesquisas, no entanto, agora sugerem que nossa amada xícara de joe pode ter um lado mais sombrio, depois de descobrir que a ingestão prolongada de cafeína pode exacerbar os sintomas da doença de Alzheimer.

uma xícara de café e grãos de café

Em um estudo com camundongos com Alzheimer, os pesquisadores descobriram que a exposição prolongada à cafeína estava ligada ao aumento dos sintomas comportamentais da doença, como a ansiedade.

A principal pesquisadora, Dra. Lydia Giménez-Llort – da Universitat Autònoma de Barcelona, ​​na Espanha – e colegas relataram recentemente seus resultados na revista.

Cerca de 5,7 milhões de adultos nos Estados Unidos vivem com a doença de Alzheimer e, a cada 65 segundos, mais uma pessoa no país desenvolve a doença.

O sintoma mais amplamente reconhecido da doença de Alzheimer é a perda de memória, mas a doença pode apresentar uma série de outros sintomas, incluindo delírios, alucinações, irritabilidade, ansiedade e depressão. Dr. Giménez-Llort e sua equipe referem-se a estes como os sintomas comportamentais e psicológicos da demência (BPSD).

Estudando o efeito da cafeína no BPSD

Pesquisas anteriores sugeriram que o café tem o potencial de reduzir o risco de Alzheimer e outras demências. Para indivíduos que já têm Alzheimer, no entanto, os efeitos do consumo de cafeína podem não ser tão benéficos, de acordo com o Dr. Giménez-Llort e sua equipe.

Os pesquisadores chegaram a essa conclusão estudando os efeitos da cafeína em modelos de ratos com a doença de Alzheimer.

“Os camundongos desenvolvem a doença de Alzheimer de maneira muito próxima aos pacientes humanos com formas precoces da doença”, explica a primeira autora, Raquel Baeta-Corral, também da Universitat Autònoma de Barcelona.

Ela acrescenta: “Eles não apenas exibem os problemas cognitivos típicos, mas também vários sintomas semelhantes aos de BPSD, por isso é um modelo valioso para avaliar se os benefícios da cafeína serão capazes de compensar seus efeitos negativos putativos”.

Para descobrir, a equipe adicionou cafeína à água potável dos roedores a partir das idades de 6 a 13 meses, a uma dose de 0,3 miligramas por mililitro.

Os pesquisadores explicam que estudos anteriores descobriram que essa dosagem leva a uma ingestão diária de cafeína de cerca de 1,5 miligramas em ratos, o que equivale a cerca de 500 miligramas em seres humanos, ou cinco xícaras de café por dia.

BPSD aumentou para camundongos consumidores de cafeína

Aos 13 meses de idade, os ratos participaram de uma série de experimentos que avaliaram seus sintomas cognitivos e comportamentais da doença de Alzheimer.

O estudo revelou que os roedores que bebiam a água com cafeína tinham maior BPSD – incluindo ansiedade e neofobia, ou um medo de objetos ou situações desconhecidos – em comparação com aqueles que consumiam água pura.

Além disso, eles descobriram que a cafeína tinha pouco benefício para o aprendizado e a memória nos roedores.

Essas descobertas, segundo o Dr. Giménez-Llort e colegas, sugerem que devemos ser cautelosos ao recomendar café e outros produtos com cafeína para adultos com a doença de Alzheimer.

“Estes resultados confirmam que a cafeína, apesar de seu uso diário e relativa falta de regulamentação do governo, é um composto potente com efeitos multifacetados”, dizem os autores, acrescentando:

“Nós especulamos que, em um tratamento crônico com cafeína, a exacerbação dos sintomas de DBPI como ansiedade pode interferir parcialmente nos efeitos cognitivos benéficos, na medida em que eles podem estar na direção oposta”.

Like this post? Please share to your friends: