Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Autismo: Quais crianças respondem ao tratamento com ocitocina?

O tratamento com ocitocina tem se mostrado eficiente em melhorar o comportamento social de algumas crianças com autismo, estudos descobriram. Um novo ensaio clínico investiga quais crianças responderão melhor a esse tratamento e por quê.

criança, cobrindo seus ouvidos, cubos de bruxa soletrando

O autismo é uma deficiência de desenvolvimento que muitas vezes leva a lutas na comunicação, empatia reduzida e inadaptabilidade social em maior ou menor grau.

Especialistas podem diagnosticar o distúrbio antes de uma criança completar 2 anos de idade, mas o autismo pode, às vezes, passar despercebido por muito mais tempo; os sintomas são muito diversos. Crianças diferentes apresentam combinações variadas de sintomas, e elas podem incluir desde deficiências de comunicação e tiques até fixações.

Não há cura para esse transtorno, mas há tratamentos que visam melhorar seus sintomas a tempo, e estes dependem das necessidades de cada indivíduo diagnosticado. Especialistas realizaram ensaios clínicos para testar a eficiência de novos medicamentos e métodos de prevenção.

Pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Stanford, na Califórnia, coordenaram recentemente um desses ensaios clínicos. Karen Parker, Ph.D., e seus colegas publicaram recentemente suas descobertas na edição on-line da.

O presente estudo está enraizado em outra pesquisa publicada em 2014 por alguns dos mesmos pesquisadores, incluindo o autor sênior Dr. Antonio Hardan.

O estudo anterior mostrou como os níveis de ocitocina, um hormônio associado a respostas emocionais e sociais, variam significativamente em crianças com e sem autismo. Constatou-se também que todas as crianças com baixos níveis de ocitocina têm dificuldades em funcionar socialmente.

‘Algumas crianças se beneficiam da oxitocina mais’

O novo estudo analisa como os níveis basais de oxitocina em crianças autistas afetam sua resposta aos tratamentos com ocitocina. A consideração adicional separa este ensaio clínico de tentativas anteriores semelhantes de testar os potenciais benefícios da ocitocina na melhoria do comportamento social.

O ensaio foi conduzido em 32 crianças com autismo, que foram divididas aleatoriamente em dois grupos. Um grupo foi alocado para receber um tratamento com spray de ocitocina nasal duas vezes por dia durante um período de 4 semanas. As crianças do outro grupo receberam um spray de placebo da mesma maneira.

Os pais foram convidados a preencher questionários sobre o comportamento das crianças antes e depois do julgamento, a fim de avaliar o efeito do tratamento.

Descobriu-se que, das crianças que receberam o tratamento com spray nasal de oxitocina, aquelas com os níveis mais baixos do hormônio no início do estudo apresentaram a maior melhora.

“Nossos resultados sugerem que algumas crianças com autismo serão beneficiadas com o tratamento com ocitocina mais do que outras, e que os níveis sangüíneos de oxitocina podem ser um sinal biológico que nos permitirá prever se uma criança responderá ao máximo ou não.”

Dr. Karen Parker

Também é notável que os únicos benefícios estavam ligados ao comportamento social, com tiques e questões de ansiedade que não mostram melhora. De forma tranquilizadora, não foram registradas reações adversas à pulverização de ocitocina.

Em menor escala, a sociabilidade também melhorou nas crianças que receberam o tratamento com placebo. Neste caso, também, as crianças com baixos níveis de oxitocina no início do estudo mostraram a maior melhora. Seus corpos até começaram a produzir mais oxitocina própria.

Os pesquisadores explicam que pode haver uma explicação biológica subjacente para esse resultado, que é mais comum em ensaios clínicos de tratamentos psicológicos e psiquiátricos.

Eles sugerem que mais pesquisas sobre os benefícios do efeito placebo no caso de crianças autistas seriam bem-vindas.

O estudo deve ser replicado em maior escala

Os pesquisadores também reconhecem que o teste, apesar de esclarecer os possíveis benefícios da ocitocina em tratamentos precisos, deve ser replicado em maior escala. Eles colocam sua fé em estudos em curso pelo National Institutes of Health (NIH).

“Se nossas descobertas forem replicadas no grande estudo financiado pelo NIH, então eu consideraria fazer as medições de oxitocina na linha de base como parte da minha prática clínica para tentar determinar se pacientes específicos responderão”, diz o Dr. Hardan.

Ele adverte contra o entusiasmo prematuro em relação às avaliações iniciais de oxitocina, mas incentiva pesquisas cada vez mais detalhadas sobre o assunto.

“Devido à heterogeneidade do transtorno, precisamos começar a fazer ensaios clínicos para não ver se haverá uma resposta, mas mais para ver quem responderá aos possíveis tratamentos”, explica ele.

Saiba como as mutações genéticas estão relacionadas ao autismo.

Like this post? Please share to your friends: