Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Asma eosinofílica: sintomas, diagnóstico e tratamento

A asma eosinofílica é uma forma de asma associada a altos níveis de glóbulos brancos chamados eosinófilos.

Nos Estados Unidos (EUA), estima-se que 25,7 milhões de pessoas tenham algum tipo de asma, e 15% dessas pessoas têm asma grave que é difícil de controlar com medicamentos padrão.

Asma eosinofílica é considerada uma das principais causas de asma grave, afetando 50 a 60 por cento das pessoas com a forma grave da doença.

Na população como um todo, a asma eosinofílica é rara, afetando apenas 5% dos adultos com asma.

O que é asma eosinofílica?

Modelo 3D dos pulmões e vias aéreas.

A asma eosinofílica é semelhante a outras formas de asma, já que as pessoas com esta condição sofrem de vias aéreas inflamadas, bloqueadas por fluidos e muco e experimentam espasmos que dificultam a respiração.

Diferentemente de outros tipos de asma, entretanto, a asma eosinofílica envolve níveis anormalmente altos de um tipo particular de glóbulos brancos, chamados eosinófilos.

Os eosinófilos fazem parte do sistema imunológico e ajudam o corpo a combater a infecção. No entanto, altos níveis de eosinófilos podem causar inflamação nas vias aéreas, afetando os seios nasais e as passagens nasais, bem como as vias aéreas inferiores.

Em geral, à medida que o nível de eosinófilos aumenta, a inflamação e outros sintomas da asma tornam-se mais graves.

Esta forma de asma geralmente se desenvolve em pessoas com idades entre 25 e 35 anos. As pessoas com asma eosinofílica geralmente não sofrem de alergias. Essa condição pode ser difícil de tratar e pode ter um efeito prejudicial na qualidade de vida de um indivíduo.

Causas

Uma causa específica para a asma eosinofílica não foi identificada. Enquanto outras formas de asma são desencadeadas por respostas alérgicas a fatores ambientais, como pólen ou pêlos de animais, a asma eosinofílica não se desenvolve desta forma.

Altos níveis de eosinófilos podem se desenvolver quando o corpo está lutando contra uma infecção parasitária, mas os cientistas ainda não determinaram o que causa esses níveis de espículas em casos de asma eosinofílica.

Asma pode funcionar em famílias, então os pesquisadores estão explorando a possibilidade de uma conexão genética. No entanto, nenhuma ligação genética direta foi encontrada com asma eosinofílica.

Sintomas

Os sintomas da asma eosinofílica incluem:

  • falta de ar
  • chiado
  • aperto no peito
  • tosse
  • fluxo de ar obstruído
  • nariz entupido
  • drenagem nasal
  • infecções sinusais crônicas
  • anosmia, ou um olfato perdido
  • pólipos nasais

Quando ver um médico

Doutor, segurando a prancheta e olhando para a tela do computador.

Indivíduos devem consultar um médico se eles freqüentemente experimentam:

  • falta de ar
  • tosse
  • chiado
  • aperto no peito

O tratamento rápido e consistente da asma eosinofílica é importante, pois a inflamação das vias aéreas pode levar a danos permanentes, como espessamento das paredes das vias aéreas ou cicatrização do tecido pulmonar.

As pessoas com asma são incentivadas a consultar um médico pelo menos uma vez por ano para garantir que o plano de tratamento seja eficaz. Os sintomas que requerem atenção médica imediata incluem:

  • tontura ou sensação de desmaio
  • Chiado durante a respiração
  • dificuldade em fazer atividades rotineiras

Uma pessoa deve procurar atendimento de emergência se algum destes sintomas se desenvolver:

  • medicação de ação rápida não fornece alívio após 15 minutos
  • dificuldade em falar ou andar a um ritmo normal
  • lábios ou unhas ficando azul
  • tomando mais de 30 respirações por minuto
  • respirar faz com que as narinas se alarguem e a garganta e as costelas pareçam esticadas

Diagnóstico

O primeiro passo no diagnóstico da asma eosinofílica é o diagnóstico de asma grave. Os próximos passos envolvem avaliar:

  • falta de ar com o exercício
  • vias aéreas que ficam bloqueadas
  • fluxo de ar limitado
  • doença sinusal crônica
  • pólipos nasais
  • resposta a medicamentos esteróides sistêmicos, como os corticosteróides orais

No entanto, o fator definitivo no diagnóstico da asma eosinofílica é encontrar altos níveis de eosinófilos. Um médico pode medir esses níveis analisando o sangue, o escarro ou a saliva de uma pessoa, ou realizando uma biópsia brônquica.

Os pesquisadores observaram que os sintomas da asma eosinofílica diferem da asma clássica e, de fato, se assemelham mais aos da doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC).

Tratamento

Comprimidos brancos que derramam fora da garrafa alaranjada da prescrição.

Estima-se que 8,4% da população dos EUA tenha algum tipo de asma. No entanto, à medida que os cientistas aprendem mais sobre a doença, eles estão descobrindo que a “asma” pode ser um termo abrangente que descreve várias doenças respiratórias crônicas.

Cada uma dessas condições, incluindo asma eosinofílica, requer uma forma específica de tratamento.

Até recentemente, os corticosteróides orais eram o tratamento padrão para a asma eosinofílica. Embora muitas pessoas respondam bem a esses medicamentos, nem sempre conseguem controlar essa doença. Algumas pessoas também se tornaram dependentes desse medicamento.

Novos tratamentos chamados terapias biológicas estão sendo usados ​​para tratar esta condição. Medicamentos conhecidos como antagonistas do leucotrieno também podem ser usados ​​para reduzir a inflamação.

Além desses medicamentos para asma, antibióticos podem ser usados ​​para tratar as infecções sinusais que freqüentemente acompanham essa forma de asma.

Condições associadas

Pessoas com asma eosinofílica também podem experimentar:

  • infecções sinusais crônicas
  • pólipos nasais
  • otite média eosinofílica, uma infecção do ouvido interno
  • doença respiratória exacerbada por aspirina

Além disso, esta condição também está ligada a outras condições caracterizadas por altos níveis de eosinófilos. Embora as doenças associadas aos eosinófilos sejam incomuns, elas são um problema crescente em todo o mundo, especialmente quando atacam o sistema gastrointestinal.

Outlook

Embora a conexão entre os eosinófilos e a asma seja conhecida desde 1889, os pesquisadores continuam investigando a melhor maneira de tratar a asma eosinofílica.

O desenvolvimento contínuo de novos tratamentos melhorou significativamente as perspectivas para as pessoas com essa condição.

Pessoas com essa condição tendem a ter surtos frequentes e podem se tornar altamente dependentes de corticosteróides orais, que têm sérios efeitos colaterais. A doença pode até ser fatal.

Graças a novas opções de tratamento, isso não tem que ser o caso. No entanto, as pessoas com asma eosinofílica devem manter o seu plano de tratamento e praticar o autocuidado para se manterem na melhor saúde possível.

Like this post? Please share to your friends: