Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

As bactérias do intestino poderiam prevenir a autoimunidade?

Os resultados de um novo estudo podem ser promissores para o futuro do tratamento de doenças autoimunes crônicas, como lúpus sistêmico e doença hepática auto-imune, segundo seus autores.

ilustração de bactérias intestinais

No estudo, pesquisadores da Universidade de Yale, em New Haven, CT, descobriram que as bactérias no intestino delgado podem viajar para outros órgãos e induzir uma resposta auto-imune.

É importante ressaltar que a equipe também descobriu que essa reação pode ser tratada alvejando as bactérias com um antibiótico ou vacina.

Os resultados do estudo foram publicados recentemente na revista.

Nas doenças auto-imunes, o sistema imunológico ataca erroneamente células e tecidos saudáveis. Algumas das doenças auto-imunes mais comuns incluem diabetes tipo 1, lúpus e doença celíaca.

De acordo com os Institutos Nacionais de Saúde (NIH), cerca de 23,5 milhões de pessoas nos Estados Unidos são afetadas por doenças autoimunes.

Uma variedade de condições autoimunes tem sido associada a bactérias no intestino. Usando um modelo de rato, a equipe de Yale analisou especificamente uma bactéria chamada, que pode viajar além do intestino até o baço, os linfonodos e o fígado.

A equipe descobriu que provocou uma resposta auto-imune nos ratos quando viajou para além do intestino.

Os pesquisadores conseguiram replicar esse mecanismo usando células hepáticas humanas cultivadas, e também descobriram estar presentes nos fígados de pessoas com doenças autoimunes.

Ao administrar um antibiótico ou vacina para atacar, os cientistas descobriram que era possível suprimir a reação auto-imune nos camundongos e evitar que a bactéria crescesse.

“Quando bloqueamos o caminho que leva à inflamação”, diz o autor sênior do estudo, Martin Kriegel, “poderíamos reverter o efeito desse bug na autoimunidade”.

“A vacina contra E. gallinarum foi uma abordagem específica, já que a vacinação contra outras bactérias que investigamos não previne a mortalidade e a autoimunidade”.

Martin Kriegel

Kriegel acrescenta que a equipe planeja estudar melhor os mecanismos biológicos associados e as implicações que podem ter para o lúpus sistêmico e a doença hepática auto-imune.

Estudo acrescenta pesquisa anterior

O novo estudo complementa estudos anteriores que descobriram uma ligação entre bactérias intestinais e doenças auto-imunes.

Estudos em ratos, por exemplo, descobriram que a colonização do intestino por algumas bactérias pode lançar as bases para o desenvolvimento de doenças auto-imunes no futuro.

Essas bactérias podem causar alterações no tecido do intestino, resultando na produção de anticorpos que atacam as células em condições como o lúpus sistêmico.

Anteriormente, cobria um estudo que sugeria que a alteração das bactérias intestinais poderia ajudar a aliviar os sintomas do lúpus.

O estudo, publicado na revista, mostrou que as espécies do intestino de um modelo de rato lúpico estavam ligadas a uma redução dos sintomas do lúpus, enquanto as bactérias estavam associadas à piora dos sintomas do lúpus.

“O uso de probióticos, prebióticos e antibióticos”, disse Husen Zhang, primeiro autor do estudo, “tem o potencial de alterar a disbiose da microbiota, que por sua vez pode melhorar os sintomas do lúpus”.

Like this post? Please share to your friends: