Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Artérias entupidas podem estar nas bactérias, não na dieta

As moléculas de gordura nas placas que entopem nossas artérias e aumentam o risco de ataque cardíaco e derrame podem vir de bactérias que vivem em nossas bocas e entranhas, não apenas daquilo que comemos.

uma artéria entupida

Este foi o principal resultado de um estudo conduzido pela Universidade de Connecticut, em Storrs, que foi publicado recentemente no.

Os pesquisadores sugerem que a descoberta pode explicar por que a doença da gengiva está frequentemente ligada à aterosclerose – uma condição na qual moléculas de gordura, cálcio, colesterol e outros compostos no sangue formam placas nas paredes internas das artérias.

À medida que as placas se acumulam, elas endurecem e estreitam as artérias, restringindo o fluxo de sangue transportador de oxigênio para órgãos e tecidos vitais. Isso pode levar a ataques cardíacos, derrame, outros problemas sérios de saúde e até a morte.

O sistema imunológico também desempenha um papel: as células imunes podem se ligar ao revestimento dos vasos sanguíneos, se alimentar dos depósitos de gordura e se multiplicar. Isso resulta em inflamação e espessamento do músculo liso na parede da artéria, o que ajuda na formação de placas e outros crescimentos conhecidos como ateromas.

Dieta pode não ser o principal culpado

A aterosclerose pode afetar artérias que fornecem sangue rico em oxigênio para o coração, cérebro, rins, membros, pelve e outras partes do corpo. Isto dá origem a várias doenças, dependendo de quais artérias são afetadas.

Supunha-se que as moléculas gordurosas, ou lipídios, que contribuem para a aterosclerose, provinham de alimentos ricos em gordura e colesterol, como manteiga, ovos, carne e peixe gordo.

No entanto, há evidências crescentes de que isso pode não ser o caso – ou pelo menos não a história toda. Existem grupos de pessoas que, apesar de ingerirem alimentos ricos em gordura e colesterol, não desenvolvem doenças cardíacas.

Para o novo estudo, a equipe analisou os ateromas coletados de pacientes em tratamento no hospital.

Eles descobriram que os crescimentos continham assinaturas químicas de lipídios que não poderiam ter vindo de animais. Em vez disso, eles combinavam com a assinatura de moléculas de gordura feitas por bactérias pertencentes à família.

Lípidos bacterianos são ‘sutilmente diferentes’

Faça gorduras que sejam bem distintas, pois os ácidos graxos que contêm contêm cadeias ramificadas e um número ímpar de átomos de carbono. Os ácidos graxos nas gorduras que vêm de animais não costumam ter esses recursos.

Um dos pesquisadores, Xudong Yao, professor associado de química na Universidade de Connecticut, explica que, se você comparar a composição química de lipídios humanos com lipídios produzidos por bactérias, eles mostram diferenças sutis de peso.

“Nós usamos essas diferenças de peso e espectrômetros de massa modernos para medir seletivamente a quantidade de lipídios bacterianos em amostras humanas para ligar os lipídios à aterosclerose”, observa ele.

“O estabelecimento de tal ligação é um primeiro passo para marcar os lipídios como indicadores para o diagnóstico precoce da doença”.

Prof. Xudong Yao

A equipe sugere que talvez o sistema imunológico desencadeie a inflamação porque, quando encontra os depósitos de gordura nas paredes das artérias, reconhece que os lipídios não são de origem humana.

Bactérias entregam ‘duplo golpe’

Os pesquisadores também descobriram que existe uma enzima que decompõe os lipídios bacterianos em materiais de partida para produzir moléculas que promovem a inflamação.

Eles sugerem, portanto, que a presença de lipídios bacterianos tem um efeito de “duplo efeito” nas artérias. Primeiro, o sistema imunológico os detecta e dispara sinais de alarme e, em segundo lugar, a enzima os decompõe em materiais que auxiliam na inflamação.

Os pesquisadores também apontam que não são as próprias bactérias que estão invadindo os vasos sanguíneos e causando problemas.

, que colonizam a boca e o intestino, geralmente não causam danos. Sob certas condições, podem dar origem a doenças gengivais; e, mesmo assim, eles ainda não invadem os vasos sanguíneos. No entanto, os lipídios que eles secretam podem passar pelas paredes das células e entrar na corrente sanguínea.

A equipe agora planeja realizar uma análise mais detalhada dos ateromas para descobrir exatamente onde os lipídios se acumulam.

Se eles descobrirem que os lipídios dessas bactérias específicas estão se acumulando dentro de ateromas em oposição à parede da artéria, então isso forneceria evidências mais convincentes de que as moléculas de gordura estão relacionadas ao crescimento do ateroma e, portanto, às doenças cardíacas.

Like this post? Please share to your friends: