Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Apnéia obstrutiva do sono pode levar a batimentos cardíacos irregulares

Pacientes com apneia obstrutiva do sono podem estar em maior risco de desenvolver fibrilação atrial ou batimentos cardíacos irregulares, segundo uma nova pesquisa.

[Um sinal com apneia do sono escrito]

O principal autor Dr. Tetyana Kendzerska, Ph.D., da Universidade de Ottawa, no Canadá, e seus colegas chegaram às suas descobertas analisando os registros médicos de mais de 8.000 adultos.

Os resultados foram apresentados recentemente na American Thoracic Society Conference 2017, realizada em Washington, D.C.

A apneia obstrutiva do sono (AOS) é uma condição caracterizada por pausas na respiração durante o sono, devido a um bloqueio parcial ou completo da via aérea superior.

De acordo com a American Sleep Apnea Association, mais de 22 milhões de pessoas nos Estados Unidos são afetadas pela apnéia do sono, sendo a SAOS a forma mais comum.

Pacientes com AOS são mais propensos a ter pressão alta, ou hipertensão, que é um importante fator de risco para doenças cardíacas e outras condições cardiovasculares.

Quando se trata de fibrilação atrial (A-fib), no entanto, o novo estudo do Dr. Kendzerska e equipe descobre que o risco desta condição pode ser maior para pacientes com AOS, independente da hipertensão arterial.

A-fib é uma condição caracterizada por um batimento cardíaco irregular, muitas vezes rápido, que pode aumentar o risco de acidente vascular cerebral, insuficiência cardíaca e outras complicações.

Nível anormal de saturação de oxigênio durante o sono pode aumentar o risco de A-fib

O estudo envolveu 8.256 adultos de uma idade média de 47 anos. Todos os adultos tinham suspeita de AOS no início do estudo, mas não haviam sido diagnosticados com A-fib ou qualquer outra condição que envolvesse batimentos cardíacos irregulares.

Os pesquisadores revisaram os registros médicos de cada paciente. Eles analisaram os marcadores da gravidade da AOS, incluindo quantas pausas respiratórias parciais ou completas ocorreram durante cada hora de sono e quanto tempo os pacientes gastaram com a saturação anormal de oxigênio, definida como uma saturação de oxigênio abaixo de 90%.

Durante um período médio de acompanhamento de 10 anos, um total de 173 pacientes desenvolveram A-fib que exigiu hospitalização.

Os pesquisadores descobriram que pacientes com saturação anormal de oxigênio apresentavam um risco significativamente maior de desenvolver fibrofibia durante o acompanhamento do que aqueles com um nível normal de saturação de oxigênio; o número de pausas respiratórias durante cada hora de sono não pareceu afetar o risco de A-fib.

Os pesquisadores chegaram a essas descobertas depois de contabilizar vários fatores de risco para a fibrofibra, incluindo idade, sexo, tabagismo e até pressão arterial.

“A hipertensão pode ser a via causal entre OSA e AF [fibrilação atrial], por isso, inclusive, pode ter diminuído a associação entre OSA e AF”, diz o Dr. Kendzerska.

“Entretanto, em nossa análise secundária, controlamos a hipertensão”, acrescenta ela, “e a associação entre dessaturação de oxigênio e FA permaneceu significativa, sugerindo que a AOS pode causar diretamente a FA sem o passo intermediário do desenvolvimento da hipertensão.”

Por que a AOS pode aumentar o risco de A-fib?

Os pesquisadores não conseguem descrever os mecanismos precisos que orientam a ligação entre a AOS e o aumento do risco de A-fib, mas o autor sênior Dr. Richard S. Leung, da Universidade de Toronto, no Canadá, tem algumas teorias:

“Uma maior disfunção endotelial, maior propensão a desenvolver hipertensão pulmonar e sistêmica e respostas cardíacas comprometidas a desafios autonômicos em mulheres com AOS podem explicar esses achados”, diz ele, “mas são necessários mais estudos para confirmar este achado e entender os mecanismos potenciais. “

Os pesquisadores admitem que existem algumas limitações em seu estudo. Por exemplo, eles não tinham dados sobre a adesão dos pacientes ao tratamento com pressão de ar positiva contínua, que é a terapia primária para pacientes com AOS.

Além disso, a equipe não conseguiu determinar se os pacientes estavam ou não recebendo tratamento para pressão alta.

Saiba como a apnéia do sono pode prejudicar o crescimento do cérebro das crianças.

Like this post? Please share to your friends: