Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Apnéia do sono pode conter perigos ocultos para as mulheres

Um novo estudo sobre a apneia do sono revela que pode haver alguns perigos ocultos – particularmente para as mulheres que têm essa condição – onde a respiração é interrompida durante o sono. As mulheres com apnéia do sono podem parecer saudáveis, mas apresentam sintomas sutis, portanto seu problema de sono é mal diagnosticado.

Agora, uma nova pesquisa, conduzida pela Escola de Enfermagem da Universidade da Califórnia Los Angeles (UCLA), mostra que as respostas autonômicas do corpo, que normalmente controlam a pressão arterial, freqüência cardíaca, suor e outras funções básicas, não são tão fortes em pessoas com apneia obstrutiva do sono. e menos ainda mulheres.

Apnéia obstrutiva do sono é uma condição séria que acontece quando a pessoa está dormindo, às vezes centenas de vezes por noite. Quando isso ocorre, o oxigênio no sangue cai e, eventualmente, danifica muitas células do corpo.

Há mais de 20 milhões de americanos adultos vivendo com a doença, observam os pesquisadores, que explicam que ela está ligada a vários problemas sérios de saúde e também à morte prematura.

As mulheres são muito menos propensas a serem diagnosticadas com apneia obstrutiva do sono do que os homens.

O pesquisador chefe Dr. Paul Macey diz:

“Agora sabemos que a apnéia do sono é um precursor de problemas maiores de saúde. E para as mulheres, em particular, os resultados podem ser fatais”.

Detecção precoce e intervenção necessárias

Dr. Macey e seus colegas descrevem seu trabalho em uma recente edição online da revista.

Para o estudo, a equipe recrutou 94 homens e mulheres adultos, incluindo 37 pacientes recém-diagnosticados, com sono obstrutivo não tratado (AOS) e 57 voluntários saudáveis ​​para atuar como controles.

Os três grupos tiveram seus batimentos cardíacos medidos enquanto passavam por três diferentes desafios físicos:

  • A manobra de Valsalva – onde eles tiveram que respirar com dificuldade, mantendo a boca fechada
  • Um desafio de aperto de mão – onde eles tiveram que apenas apertar com uma mão
  • Um desafio pressor frio – onde o pé direito é inserido em água quase congelada para aminute.

A equipe observa os principais resultados:

“As respostas da frequência cardíaca mostraram menor amplitude, início tardio e alterações mais lentas nos pacientes com SAOS em relação aos controles saudáveis, e as deficiências podem ser mais pronunciadas nas mulheres”.

O Dr. Macey acrescenta:

“Isso pode significar que as mulheres são mais propensas a desenvolver sintomas de doença cardíaca, assim como outras conseqüências de má adaptação às tarefas físicas diárias. A detecção e o tratamento precoces podem ser necessários para proteger contra danos ao cérebro e outros órgãos.”

A equipe agora pretende investigar se os tratamentos usuais para AOS, como a pressão positiva contínua nas vias aéreas (CPAP), ajudam a melhorar as respostas autonômicas.

O CPAP é onde uma máquina ajuda o paciente com AOS a respirar mais facilmente durante o sono.

Fundos do National Institutes of Health e do National Institute of Nursing Researchhelped financiam o estudo.

Em outro estudo publicado recentemente, pesquisadores do Hospital Brigham and Women, em Boston, MA, descobriram que a apnéia do sono está ligada ao sinal precoce de insuficiência cardíaca.

Like this post? Please share to your friends: