Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Apenas um pouco de álcool durante a gravidez pode alterar as características faciais do bebê

Um novo estudo afirma que não há nível seguro de consumo de álcool durante a gravidez, depois de descobrir que mesmo a bebida ocasional pode afetar o desenvolvimento facial do bebê.

uma mulher grávida segurando um copo de vinho

Pesquisadores da Bélgica e da Austrália avaliaram os hábitos de consumo de mais de 400 mulheres durante a gravidez e mapearam as características faciais de seus filhos com a idade de 1 ano.

A equipe descobriu que a exposição pré-natal ao álcool – mesmo em níveis baixos – influenciava sutilmente a formação de características faciais no útero, incluindo nariz, queixo e olhos.

O co-líder do estudo, Evi Muggli, do Instituto de Pesquisa Infantil de Murdoch, na Austrália, e seus colegas relataram recentemente seus resultados em.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) afirmam que não há quantidade segura de álcool para beber durante a gravidez, nem há tempo seguro para beber álcool durante a gravidez.

No entanto, um estudo de 2015 do CDC descobriu que cerca de 1 em 10 mulheres grávidas nos Estados Unidos relatam ter consumido álcool nos últimos 30 dias.

O consumo de álcool durante a gravidez pode causar uma série de problemas físicos e de desenvolvimento para os filhos, incluindo baixo peso ao nascer, dificuldades de aprendizado, tamanho pequeno da cabeça, deficiências intelectuais e problemas de visão ou audição. Essas condições se enquadram no âmbito do transtorno do espectro alcoólico fetal (FASD).

Sabe-se também que a exposição pré-natal ao álcool pode influenciar o desenvolvimento facial de uma criança, embora o nível de ingestão de álcool que causa tal efeito não esteja claro.

Para seu estudo, Muggli e seus colegas decidiram investigar como os diferentes níveis de exposição pré-natal ao álcool afetam o desenvolvimento facial.

Usando imagens 3-D para mapear características faciais das crianças

O estudo incluiu 415 crianças nascidas de mães que faziam parte do estudo Asking Questions About Alcohol in Pregnancy (AQUA).

O estudo AQUA é uma coorte longitudinal de quase 1.600 mulheres grávidas, que visa obter uma melhor compreensão de como várias quantidades de álcool consumidas durante a gravidez afetam o feto.

Como parte do estudo, as mães foram convidadas a preencher um questionário detalhando a frequência e a quantidade de ingestão de álcool nos 3 meses anteriores à gravidez, bem como em cada trimestre.

O baixo consumo de álcool foi definido como menos de 20 gramas de álcool por ocasião da bebida e menos de 70 gramas de álcool por semana; ingestão moderada foi definida como 21-49 gramas de álcool por ocasião e menos de 70 gramas por semana; alta ingestão foi definida como mais de 50 gramas de álcool por ocasião.

Quando as crianças atingiram 1 ano de idade, foram submetidas à imagem facial. De acordo com o co-autor do estudo, Harry Matthews, da Universidade de Melbourne, na Austrália, a equipe usou uma “sofisticada técnica de análise facial em 3-D, mapeando algo como 7.000 pontos individuais no rosto”.

Mulheres devem se abster de álcool durante a gravidez

Os pesquisadores descobriram que a baixa, moderada e alta ingestão de álcool – particularmente no primeiro trimestre da gravidez – levou a mudanças na formação de características faciais entre os filhos.

A equipe observa que essas mudanças não eram visíveis a olho nu, pois mediam menos de 2 milímetros. A técnica de imagem 3-D, no entanto, foi capaz de detectar pequenas alterações no nariz, lábios e olhos com qualquer nível de exposição pré-natal ao álcool.

Com base em suas descobertas, os pesquisadores concluíram que beber até pequenas quantidades de álcool durante a gravidez pode influenciar o desenvolvimento fetal.

“Ficamos surpresos ao ver que esses níveis comparativamente baixos de álcool têm um impacto sutil e nossos resultados apóiam as recomendações nacionais para se abster de beber álcool durante a gravidez.”

Jane Halliday, Ph.D., Instituto de Pesquisa Infantil Murdoch

“A informação do nosso estudo é particularmente importante. Afirma a minha necessidade de aconselhar as mulheres a evitar o álcool durante a gravidez e me dá novas evidências para apoiar esse conselho”, acrescenta a co-autora do estudo Elizabeth Elliott, da Universidade de Sydney, na Austrália.

Saiba como a ingestão moderada de álcool pode levar a um declínio na saúde do cérebro.

Like this post? Please share to your friends: