Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Apenas 30 minutos de exercícios leves por dia podem beneficiar a saúde

Um novo estudo do Karolinska Institutet, em Estocolmo, na Suécia, sugere que a substituição do tempo gasto sentado com atividade física de intensidade leve pode beneficiar a saúde mais do que se pensava anteriormente.

caminhando pela floresta

Na revista, os autores relatam como a substituição de apenas meia hora de sessão diária com trabalho doméstico, caminhada, pé ou atividade de baixa intensidade semelhante está ligada a um risco reduzido de 24% de morte por doença cardiovascular.

Essas novas descobertas podem ser uma surpresa agradável, especialmente para aqueles que supõem que apenas a atividade física de intensidade moderada ou vigorosa pode fazer uma diferença considerável.

O estudo é particularmente significativo porque “avaliou objetivamente” os níveis de atividade física usando rastreadores de movimento, em vez de autorrelatos dos participantes.

“Estudos prévios”, diz a líder do estudo, Dra. Maria Hagströmer, professora do Departamento de Neurobiologia, Ciências e Sociedade de Cuidados, “perguntaram aos participantes sobre os níveis de atividade física, mas isso pode levar a erros de notificação, pois é difícil lembrar exatamente há quanto tempo está sentado e se movimentando “.

O estudo também confirma que a substituição do tempo sedentário por atividades físicas de intensidade moderada ou maior tem um efeito ainda maior na redução de mortes relacionadas à doença cardiovascular.

‘Evitar a inatividade’ também é importante

O Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos explica que “para benefícios substanciais à saúde”, os adultos devem se envolver em pelo menos 150 minutos por semana de exercícios aeróbicos de intensidade moderada, preferencialmente distribuídos durante a semana em ataques de pelo menos 10 minutos de cada vez. . Eles sugerem “caminhada rápida ou tênis” como exemplos.

Alternativas para isso são 75 minutos por semana de exercício aeróbico de intensidade vigorosa ou uma mistura equivalente de moderada e vigorosa. Eles dão “jogging ou natação” como exemplos de atividade de intensidade vigorosa.

Ainda mais benefício vem do aumento do tempo gasto em atividades físicas aeróbicas, assim como exercícios de fortalecimento muscular que “engajam todos os principais grupos musculares” em pelo menos 2 dias por semana.

As diretrizes norte-americanas também afirmam que devemos procurar “evitar a inatividade”, observando que “os adultos que participam de qualquer atividade física ganham alguns benefícios para a saúde”. Pode-se, portanto, ser perdoado por supor que esses benefícios seriam pequenos, dada a pequena quantidade de espaço dedicada a esse conselho.

As novas descobertas podem trazer conforto para aqueles cuja reação às diretrizes formais é: “Eu mal consigo encontrar tempo para lavar a roupa e varrer o quintal, não importa o trabalho por 2,5 horas por semana!”

Bem, parece que o tempo gasto fazendo tarefas diárias em vez de sentar também faz a diferença – e essa diferença é maior do que pensávamos.

Os pesquisadores confirmaram os perigos da permanência prolongada em um estudo anterior que mostrou que, em comparação com a sessão por menos de 6,5 horas por dia, ficar sentado por mais de 10 horas diárias estava ligado a um risco 2,5 vezes maior de morte prematura.

Estudo usado dados do acelerômetro

Para o estudo, os pesquisadores analisaram dados de 851 homens e mulheres que participaram do estudo baseado na população Attitude Behavior and Change da Suécia.

Os dados de atividade física foram coletados usando acelerômetros Actigraph e dados sobre mortes e causas de morte foram coletados de registros suecos durante um acompanhamento médio de 14,2 anos.

Durante o acompanhamento, 79 dos participantes morreram – 24 por doença cardiovascular, 27 por câncer e 28 por “outras causas”.

Quando analisaram os dados da atividade contra as mortes e as causas de morte, os pesquisadores descobriram que a atividade física de intensidade leve estava vinculada a uma redução significativa de 24% no risco de morte por doenças cardiovasculares e 11% de redução do risco de morte por todas as causas.

A substituição do tempo de sedentarismo por apenas 10 minutos de atividade de intensidade moderada ou vigorosa a cada dia foi associada a uma redução de 38% no risco de morte por doenças cardiovasculares, enquanto 30 minutos por dia foi associada a uma redução de 77%.

“Não foram encontradas reduções estatisticamente significativas para a mortalidade por câncer”, observam os autores.

“Este é um estudo único, já que pudemos analisar um grande número de pessoas com medidas objetivas de atividade física por até 15 anos”.

Dr. Maria Hägstromer

Like this post? Please share to your friends: