Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Antipsicóticos: Eles fazem mais mal do que bem?

Milhões de pessoas nos Estados Unidos vivem com esquizofrenia e outros transtornos mentais graves. Muitas dessas pessoas controlam seus sintomas com a ajuda de medicamentos antipsicóticos, mas os efeitos colaterais dos antipsicóticos superam os benefícios? Nova pesquisa investiga.

[palavra antipsicótica soletrada em letras de espuma coloridas]

Mais de 3,5 milhões de adultos dos EUA (ou 1,1% da população do país) são afetados pela esquizofrenia. Além disso, estima-se que, em qualquer ano nos EUA, cerca de 9,8 milhões de pessoas desenvolvam um transtorno mental grave que pode interferir de maneira significativa em suas vidas.

Ainda não se sabe o que causa a esquizofrenia, mas opções de tratamento – como drogas antipsicóticas e terapias psicossociais – estão disponíveis para ajudar os pacientes a controlar seus sintomas. Quase 7 milhões de pessoas nos EUA tomam medicamentos antipsicóticos para tratar a esquizofrenia e outras condições similares.

Ultimamente, no entanto, alguns estudos sugerem que os antipsicóticos podem causar mais danos do que benefícios, especialmente a longo prazo. Alguns pesquisadores levantaram preocupações sobre os efeitos tóxicos desses medicamentos, sugerindo que os pacientes só podem se beneficiar da medicação a curto prazo.

Essas preocupações ganharam popularidade, com alguns artigos na mídia convencional sugerindo que pacientes com esquizofrenia e transtornos de humor podem estar em melhor situação sem medicação.

Nesse contexto, uma equipe internacional de pesquisadores se propôs a examinar os dados por trás dessa visão controversa.

A equipe – liderada pelo Dr. Jeffrey Lieberman, Lawrence C. Kolb Professor e presidente do conselho de psiquiatria da Columbia University College, em Nova York – investigou os efeitos a longo prazo dos medicamentos antipsicóticos no cérebro e no comportamento de pessoas com esquizofrenia, como refletido pelos existentes. pesquisa.

Os resultados foram publicados no.

Os benefícios da medicação antipsicótica superam em muito os riscos

A pesquisa consistiu em uma meta-análise de estudos clínicos existentes, com foco no efeito a longo prazo dessas medicações nos desfechos clínicos e na estrutura cerebral dos pacientes.

Lieberman e sua equipe analisaram ensaios clínicos e dados neurocientíficos e descobriram que os benefícios terapêuticos da medicação antipsicótica superam em muito os efeitos colaterais.

“As evidências de ensaios clínicos randomizados e estudos de neuroimagem sugerem esmagadoramente que a maioria dos pacientes com esquizofrenia se beneficiam do tratamento antipsicótico, tanto na apresentação inicial da doença quanto na manutenção de longo prazo para prevenir a recaída”.

Dr. Jeffrey Lieberman

“Qualquer um que duvide dessa conclusão deve conversar com pessoas cujos sintomas foram aliviados pelo tratamento e literalmente devolveram suas vidas”, acrescenta Lieberman.

De acordo com esta pesquisa mais recente, atrasar o tratamento antipsicótico ou não administrar medicamentos está ligado a resultados negativos em longo prazo.

“Enquanto uma minoria de pacientes que se recuperam de um episódio psicótico inicial pode manter sua remissão sem o tratamento antipsicótico, não há atualmente nenhum biomarcador clínico para identificá-los, e é um número muito pequeno de pacientes que podem se encaixar neste subgrupo”, afirmou. Lieberman explica.

“Consequentemente, a suspensão do tratamento pode ser prejudicial para a maioria dos pacientes com esquizofrenia”.

A nova pesquisa também aborda as evidências pré-clínicas disponíveis em estudos com roedores. Embora alguns desses modelos animais tenham indicado que a medicação antipsicótica pode sensibilizar os receptores de dopamina e aumentar a tolerância ao longo do tempo, o novo estudo ressalta o fato de que não há evidências suficientes para sugerir que os antipsicóticos aumentem o risco de recaída.

Pesquisas anteriores também mostraram que o uso de antipsicóticos pode aumentar o risco de síndrome metabólica em pacientes com esquizofrenia. A síndrome metabólica, por sua vez, tem sido associada a doenças cardíacas e diabetes.

No entanto, o presente estudo não examinou os riscos e benefícios dos antipsicóticos em relação à síndrome metabólica.

“Embora mais pesquisas sejam necessárias para abordar essas questões, as fortes evidências que apóiam os benefícios dos medicamentos antipsicóticos devem ficar claras para os pacientes e seus familiares, enquanto que ao mesmo tempo devem ser usadas de forma criteriosa”, diz o Dr. Lieberman.

Saiba como a esquizofrenia pode começar no útero.

Like this post? Please share to your friends: