Antiga e saudável: a ciência do riso

Nós todos rimos. Alguns podem rir mais do que outros, mas é um traço humano unânime. É uma sensação boa e une as pessoas. Realmente, o riso não precisa de introdução, mas para que serve?

[Macaco rindo]

Nós rimos de piadas (embora nem todas as piadas). Nós também podemos rir sarcasticamente, nervosamente, quando estamos estressados, ou mesmo sem motivo algum.

Nosso riso pode ser incontrolável ou maníaco, e também pode ser forçado, falsificado ou intencionalmente prolongado.

A risada é tão penetrante que dificilmente pode ser ignorada pelos cientistas; Ele atravessa todos os limites. Humanos de todas as culturas da terra riem. Bebês cegos e surdos, que não viram ninguém rindo ou ouvindo o som de risadas, ainda riem.

Algo tão onipresente quanto essa estranha expulsão de som e ar deve ser importante.

Neste artigo, vamos dar uma breve olhada nas origens do riso e no que acontece no cérebro quando nos divertimos. Também vamos dar um passeio pela literatura científica para examinar se o riso tem a capacidade de aliviar condições médicas.

O riso dos parentes

O riso é um traço que compartilhamos com nossos primos mais próximos, os grandes símios. Isto significa que foi, mais do que provável, uma invenção antiga que foi mantida ao longo de milênios. Como a maioria das coisas que a evolução preserva, deve ser útil.

Um estudo estranho, mas perspicaz, envolveu fazer cócegas em uma variedade de espécies de macacos e bebês humanos. Os pesquisadores então compararam os sons de risadas que foram gerados. Curiosamente, as espécies mais próximas de nós mesmos (como bonobos e chimpanzés) tinham dados acústicos mais semelhantes aos humanos quando comparados com nossos parentes mais distantes (gorilas e orangotangos, por exemplo).

Como os autores explicam, seus dados correspondem “às relações genéticas bem estabelecidas de grandes símios e humanos”.

Como os animais sociais vão, os humanos se reúnem em grupos razoavelmente grandes. Uma teoria diz que o riso (junto com a fala) nos ajudou a nos relacionar de forma mais eficiente. Ao invés de ter que fisicamente cuidar de cada indivíduo em nossa tribo, nós poderíamos ficar ao alcance da voz e fazer um ao outro rir. As obrigações podem ser construídas à distância e com múltiplos jogadores.

Se esta teoria retém ou não a água será difícil de provar, mas não há dúvida de que o riso aproxima as pessoas. O riso ajuda a construir relacionamentos e, ao viver em grupo na savana, a união com sucesso pode ser a diferença entre a vida e a morte.

Essa capacidade do riso de agir como cola social também ajuda a explicar por que os humanos acham tão fácil identificar uma risada falsificada, forçada ou excessivamente prolongada.

Embora algumas piadas possam precisar de nossa habilidade cognitiva completa e de uma dose de pensamento lateral, o ato de rir em si parece ser uma coisa primitiva.

A neurociência do riso

Não é de surpreender que uma ação tão complexa, variada e significativa quanto o riso não seja limitada a uma única região do cérebro. Pesquisadores, no entanto, fizeram esforços para entender o alcance das áreas envolvidas.

Um estudo, publicado na revista, usou exames de ressonância magnética para investigar quais regiões do cérebro estavam no trabalho. Eles dividiram os participantes em três grupos: o primeiro grupo fez cócegas na sola do pé e deu permissão para rir, o segundo grupo fez cócegas, mas disse para reprimir suas risadas, e o grupo final foi convidado a rir voluntariamente sem sentir cócegas.

Nos cérebros do primeiro grupo – cujos participantes estavam rindo genuinamente – certas regiões foram ativadas de forma mais consistente quando comparadas com os outros dois grupos. Estes foram:

[Menino rindo]

  • Hipotálamo lateral – envolvido em uma série de processos, como promoção do comportamento de excitação e alimentação, redução da percepção da dor, funções digestivas e pressão arterial
  • Opérculo parietal – parcialmente responsável pelo processamento de sentidos, como toque e temperatura
  • Amígdala – envolvida no processamento de memórias, tomada de decisões e reações emocionais
  • Cerebelo direito – importante na atenção visual, linguagem e imaginar os estados dos outros.

Neste estudo, eles também mediram a ativação da substância cinzenta periaquedutal durante o riso voluntário e involuntário, mas não quando o riso foi prevenido. Curiosamente, sabe-se que a substância cinzenta periaquedutal desempenha um papel na analgesia. De fato, a região é um alvo para implantes que estimulam o cérebro para tratar pacientes com dor crônica.

Durante o riso, regiões do córtex pré-frontal ventromedial são ativadas, liberando endorfinas – que são famosas por diminuir a dor e aumentar a euforia.

Envolvimento do hipocampo e da amígdala também é digno de nota; eles fazem parte do sistema límbico, uma parte antiga do cérebro envolvida no controle de emoções profundas, alimentação e outros papéis críticos para a sobrevivência.

Rir como remédio

Como o filósofo Bertrand Russell disse uma vez: “O riso é a droga mais barata e mais eficaz das maravilhas. O riso é um remédio universal”. Ao longo dos anos, os pesquisadores colocaram suas habilidades contra uma série de condições médicas.

Recentes avanços em campos como a psiconeuroimunologia estão lentamente unindo psicologia, atividade neurológica e nosso estado hormonal. Um estado de espírito positivo realmente nos torna fisicamente melhores. Não está tudo na mente; a psicologia modifica a fisiologia.

Estudos que investigam especificamente os efeitos terapêuticos do riso são poucos e distantes, e os encontrados na literatura tendem a usar apenas um pequeno grupo de participantes, tornando as conclusões provisórias. No entanto, seus resultados combinados fazem uma leitura interessante.

Abaixo estão alguns estudos recentes que investigaram os potenciais poderes de cura do riso.

Doença de obstrução pulmonar crônica

Um estudo publicado investigou os benefícios do riso para indivíduos com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), um grupo de condições progressivas que bloqueiam as vias aéreas e dificultam a respiração.

O estudo envolveu 46 indivíduos, todos os quais preencheram questionários avaliando seu senso de humor, níveis de depressão e ansiedade, qualidade de vida e doença recente. Cerca de metade dos participantes também completaram um “estudo de indução do riso”, no qual a função pulmonar, o humor e a dispneia (dificuldade respiratória) foram avaliados antes e depois de um vídeo divertido ou neutro.

As conclusões do autor foram doces e azedas:

“O senso de humor entre os pacientes com DPOC está associado ao funcionamento psicológico positivo e melhora da qualidade de vida, mas rir em voz alta pode causar deterioração aguda da função pulmonar secundária à hiperinsuflação piorada”.

Função vascular

Estados emocionais negativos, como depressão e ansiedade, podem aumentar o risco de doença cardiovascular. Isso foi firmemente estabelecido. Um leigo poderia facilmente concluir que, se sentimentos negativos podem contribuir para problemas vasculares, os positivos devem melhorar a saúde vascular. Um estudo publicado em conjunto para ver se este é realmente o caso.

O estudo envolveu a exibição de um filme cômico ou um documentário para 17 participantes. Cada indivíduo assistiu os dois filmes em dias diferentes para que seus resultados pudessem ser comparados.

Eles descobriram que tanto a frequência cardíaca quanto a pressão sangüínea aumentaram significativamente enquanto os participantes assistiam à comédia, mas não ao documentário.

[Médica rindo com o paciente]

A equipe também analisou a complacência arterial carotídea, que é uma medida da flexibilidade da artéria e sua capacidade de suportar o aumento da pressão. Níveis mais altos de adesão são um sinal de artérias mais saudáveis.

Os resultados mostraram que a complacência arterial carotídea aumentou significativamente depois de assistir a comédia, retornando apenas aos valores basais após 24 horas.

Durante o documentário, a conformidade permaneceu constante.

Embora o estudo tenha sido conduzido em pequena escala, os pesquisadores concluíram que: “Estes resultados sugerem que risadas alegres provocadas por filmes cômicos induzem impacto benéfico na função vascular”.

Saúde cardiovascular

Pesquisas conduzidas no Japão e publicadas no site levaram um olhar ligeiramente diferente para uma questão semelhante.

Os pesquisadores queriam entender se havia uma associação entre a frequência com que alguém ri diariamente e o risco de doença cardíaca e derrame. Eles analisaram dados de 20.934 homens e mulheres com 65 anos ou mais.

Mesmo após o ajuste para uma série de fatores, incluindo hiperlipidemia (altos níveis de gordura no sangue), pressão alta, depressão e índice de massa corporal (IMC), os resultados foram claros.

Indivíduos que “nunca ou quase nunca riram” tiveram um risco 21 por cento maior de doença cardíaca do que aqueles que riram diariamente. Da mesma forma, a prevalência de acidentes vasculares cerebrais naqueles que raramente riem foi 60% maior que os rindo normais.

Yoga e depressão do riso

O yoga do riso aumentou em popularidade nos últimos anos. Em resumo, envolve exercícios de respiração e obrigando-se a rir. Essa risada forçada logo se transforma em alegria genuína quando o grupo percebe o quão ridículos todos eles aparecem.

Um estudo piloto, publicado em 2012, avaliou os efeitos de 10 sessões de yoga do riso em seis participantes em um período de 4 semanas.

Eles mediram a variabilidade da frequência cardíaca (VFC) – que é considerada um fator de risco para certas condições de saúde – pressão arterial e humor antes e depois de cada sessão. No início do estudo e logo após a sessão final, a ansiedade e depressão de longo prazo do grupo também foram avaliadas.

Os autores concluíram:

“Os participantes mostraram melhor humor imediato (vigor-atividade e simpatia) e aumento da VFC após a intervenção do riso. Ambas as intervenções de riso e controle pareciam melhorar a ansiedade a longo prazo.”

Adultos mais velhos

Um estudo intitulado “Efeitos da terapia do riso na depressão, cognição e sono entre os idosos da comunidade” foi publicado na revista em 2011.

No total, participaram 109 participantes. Aproximadamente metade estava matriculada em terapia do riso (quatro sessões ao longo de um mês), e as outras foram usadas como controle. Usando questionários, eles avaliaram a saúde mental geral, a depressão, a saúde física autorreferida e a qualidade do sono antes e depois do estudo.

Embora os efeitos não tenham sido substanciais, os autores concluíram que: “A terapia do riso é considerada uma intervenção útil, custo-efetiva e de fácil acesso que tem efeitos positivos na depressão, insônia e qualidade do sono em idosos”.

O fato de o riso trazer ou não um campo de força protetor ainda precisa ser confirmado, mas não há como negar sua importância na sociedade humana. Embora a evidência em favor do riso como medicamento seja escassa, não há mal algum em se automedicar enquanto esperamos que os dados cheguem.

Like this post? Please share to your friends: