Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Aminoácido de aspargos ajuda o câncer de mama a se espalhar

A asparagina, um aminoácido derivado de uma gama variada de alimentos – incluindo espargos, peixe e batatas – pode ser um nutriente essencial para uma forma mortal de câncer de mama, sugere um novo estudo.

pacote de espargos

O câncer de mama triplo-negativo é uma das formas mais agressivas de câncer de mama, e é capaz de se espalhar rapidamente.

É tipicamente resistente a formas tradicionais de tratamento, como quimioterapia e radioterapia.

Novas pesquisas conduzidas por várias instituições, incluindo o Cancer Research UK Cambridge Institute, no Reino Unido, procuraram descobrir algumas das razões pelas quais esse tipo de câncer não apenas sobrevive, mas também prospera no corpo, esperando que isso acabe levando a uma melhoria. abordagens terapêuticas.

No estudo, cujos resultados são agora publicados na revista, os principais autores do estudo Profs. Greg Hannon e Simon Knott e sua equipe relataram que um importante nutriente que facilita a disseminação desse tipo de câncer de mama é a asparagina.

Asparagina é um aminoácido não essencial, muitas vezes sintetizado pelo nosso corpo a partir de alguns dos produtos alimentares que consumimos. O presente estudo investigou se limitar ou não os níveis de asparagina no corpo poderia ajudar a retardar o crescimento do tumor.

“Nosso estudo contribui para um crescente corpo de evidências que sugerem que a dieta pode influenciar o curso da doença”, diz o Prof. Knott.

Tumores prosperam na asparagina

Os pesquisadores investigaram a relação entre asparagina e metástase do câncer de mama, ou disseminação do tumor, em um modelo de camundongo com câncer de mama triplo negativo.

Hannon e a equipe tiveram uma abordagem em duas frentes. Por um lado, eles administraram os camundongos L-asparaginase, que é a droga quimioterápica usada atualmente no tratamento da leucemia linfoblástica aguda, que é conhecida por se desenvolver na asparagina. A L-asparaginase atua inibindo a produção do aminoácido asparagina no organismo.

Por outro lado, os cientistas também restringiram as dietas dos ratos, para que eles tivessem um menor teor de asparagina. Esta abordagem dupla resultou numa reduo de mettases tumorais de cancro da mama nos ratinhos.

“Nosso trabalho identificou um dos principais mecanismos que promovem a capacidade das células de câncer de mama se espalharem”, diz o professor Hannon.

“Quando a disponibilidade de asparagina foi reduzida, observamos pouco impacto no tumor primário na mama, mas as células tumorais tiveram capacidade reduzida de metástases em outras partes do corpo”.

Prof. Greg Hannon

Em contraste, quando os pesquisadores alimentaram os animais com alto teor de asparagina, os tumores se espalharam mais rapidamente.

Além disso, para confirmar o papel desempenhado pela asparagina na disseminação de tumores cancerígenos, a equipe analisou dados de pacientes com câncer de mama.

Eles descobriram que havia uma correlação positiva entre a capacidade das células cancerígenas de sintetizar asparagina e a chance de se espalharem para outros locais do corpo.

Ainda mais preocupante, a capacidade das células cancerígenas de produzir este aminoácido também foi associada a uma menor taxa de sobrevivência entre os pacientes.

“Esta descoberta acrescenta informações vitais para a nossa compreensão de como podemos impedir a propagação do câncer – a principal razão pela qual os pacientes morrem de sua doença”, observa o Prof. Hannon.

‘Mudanças na dieta podem afetar a terapia’

Como próximo passo, os pesquisadores estão interessados ​​em montar um ensaio clínico de fase inicial que lhes permita entender como a dieta afeta os níveis de asparagina no organismo.

Para este propósito, o Prof. Hannon e a equipe propõem recrutar um grupo de participantes saudáveis, que concordariam em seguir uma dieta pobre em asparagina.

“Os resultados do [novo estudo] são extremamente sugestivos de que mudanças na dieta podem impactar tanto na forma como um indivíduo responde à terapia primária quanto em suas chances de doença letal se espalhar mais tarde na vida”, diz o Prof. Hannon.

Se este experimento conseguisse reduzir os níveis de asparagina nos corpos dos participantes, os pesquisadores iriam em frente e recrutariam os participantes com um diagnóstico de câncer para a próxima fase de seus testes clínicos.

Neste ponto, acrescenta o Prof. Knott, os participantes do estudo provavelmente também receberiam quimioterapia e imunoterapia, para que a dieta e os tratamentos pudessem impulsionar o efeito um do outro.

Os pesquisadores acreditam que seus resultados até agora sugerem que uma terapia redutora de asparagina pode ser aplicável não apenas ao câncer de mama triplo negativo, mas também a outros tipos de câncer, citando os cancros de rins, cabeça e pescoço como alvos potenciais no futuro.

Like this post? Please share to your friends: